Nos passos de Jane Austen

o espaço literogeográfico nos romances austenianos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2021.188115

Palavras-chave:

espaço literogeográfico, romances, Jane Austen

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar a representação do espaço na obra romanesca de Jane Austen (1775-1817), nomeadamente em Sense and Sensibility (1811), Pride and Prejudice (1813), Emma (1815) e Persuasion (1818), que reproduzem, não só o quotidiano e os costumes da época oitocentista em Inglaterra, mas também as relações pessoais e sociais coevas, particularmente vivenciadas no espaço rural. Esta espacialidade, apresentada por determinadas expressões literogeográficas, permite aos leitores deambularem por diversos microcosmos, ou seja: através dos seus textos, Jane Austen vai construindo essa geografia, guiando os leitores numa viagem pelos lugares com significado, que os mesmos reconhecem e onde se reveem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Boavida Salgueiro da Silva, Universidade do Algarve. Centro de Investigação em Artes e Comunicação

Doutorada em Literatura pela Universidade de Évora e licenciada no Curso de Professores do Ensino Básico, variante Português / Francês, pelo Instituto Politécnico de Portalegre. Recebeu uma Bolsa de Mérito. Atua na área de Humanidades com ênfase em Línguas e Literaturas, assim como na área do Turismo Literário, sendo autora de diversas comunicações e artigos, publicados em revistas científicas. É membro da APLC-ICLA; membro colaborador do CIAC-UALG e do CEL-UÉ e colaboradora do projeto "Atlas das Paisagens Literárias de Portugal Continental". Tem feito arbitragem científica em revistas e congressos e fez a revisão linguística de um livro.

Referências

ALVES, Ida. Em torno da paisagem: literatura e geografia em diálogo interdisciplinar. Revista da Anpoll, Florianópolis, nº 35, pp. 181-202, jul./dez. 2013.

AUSTEN, Jane. Emma. Oxford: Oxford University Press, [1815] 1998a. 488 p.

AUSTEN, Jane. Persuasion. Oxford: Oxford University Press, [1818] 1998b. 302 p.

AUSTEN, Jane. Pride and prejudice. Oxford: Oxford University Press, [1813] 1990. 351 p.

AUSTEN, Jane. Sense and sensibility. London: Penguin Books, [1811] 1995. 368 p.

BIRRENTO, Ana Clara. As crónicas de Carlingford e a autobiografia de Margaret Oliphant: contributo para um estudo da comunidade conhecível. 2002. 446 p. Tese de Doutoramento (Literatura Inglesa) – Universidade de Évora.

BUESCU, Helena. Incidências do olhar: percepção e representação. Lisboa: Caminho, 1990. 383 p.

BUESCU, Helena. Paisagem literária: imanência e transcendência. In: REIS, Carlos; BERNARDES, José Augusto Cardoso; SANTANA, Maria Helena. Uma coisa na ordem das coisas: estudos para Ofélia Paiva Monteiro. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012. pp. 193-203.

FURTADO, Filipe. A era de Jane Austen. In: PINA, Álvaro. Jane Austen. Lisboa: Edições Colibri, 1994. pp. 11-45.

LANE, Maggie. Jane Austen’s England. London: Robert Hale, [1986] 2014. 224 p.

PINA, Álvaro. Jane Austen. Lisboa: Edições Colibri, 1994. 192 p.

QUINTEIRO, Sílvia; BALEIRO, Rita. Estudos em literatura e turismo: conceitos fundamentais. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2017. 118 p.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina. Dicionário de narratologia. Coimbra: Livraria Almedina, [1987] 2011. 464 p.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Editora HUCITEC, 1996. 308 p.

SENA, Jorge de. Inglaterra revisitada. Lisboa: Edições 70, 1986. 83 p.

WILLIAMS, Raymond. The english novel: from Dickens to Lawrence. London: The Hogarth Press, [1970] 1984. 196 p.

WIRTH-NESHER, Hana. City codes: reading the modern urban novel. Cambridge University Press, 1996. 244 p.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Como Citar

Salgueiro da Silva, A. C. B. (2021). Nos passos de Jane Austen: o espaço literogeográfico nos romances austenianos. Revista Geografia Literatura E Arte, 3(2), 22-40. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2021.188115

Edição

Seção

Artigos