A Centralidade da Geografia: dos conceitos às práticas

  • Jorge Manuel Barbosa Gaspar CEDRU – Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano
Palavras-chave: Ordenamento do território. Espaço. Tempo. Reforma agrária. Geografia aplicada. Portugal.

Resumo

Em 2013, por altura do 25º Aniversário da Associação Portuguesa de Geógrafos, publiquei na revista Inforgeo um pequeno ensaio que intitulei “Continuamos a procurar a Geografia: o que é e para que serve”. As preocupações e os desafios permanecem, noutros tempos e noutros espaços. A contemporaneidade favoreceu a centralidade dos saberes geográficos: do ordenamento do território às ciências, às artes, à filosofia, observa-se o fascínio por conceitos como os de fronteira, viagem, nomadismo, margem, inclusão e exclusão, que de há muito também fazem parte da gramática geográfica. A partir do desafio que é colocado no texto de apresentação do congresso, a exigir “o contínuo repensar da geografia”, para atingir o melhor entendimento da “concretude do mundo”, apoiamo-nos nos eixos temáticos propostos como áreas de trabalho para organizar nossa intervenção em quatro pontos que, no fundo, se poderão resumir a quatro ideias morais que têm intermediado meu trabalho da geografia para sua práxis: (1) Espaço-tempo-inovação: onde se fala de Hägerstrand e da remota aldeia de Palaçoulo (Trás-os-Montes, Portugal); (2) A luta pela terra: onde se fala da essência da geografia e da reforma agrária no Alentejo (sul de Portugal), das unidades coletivas de produção ao leanfarming; (3) O planeamento e a gestão urbanística como instrumentos da segmentação social da cidade: onde se fala da Área Metropolitana de Lisboa e de novos movimentos sociais urbanos; e (4) Da necessidade da Geografia recuperar o seu território: onde se fala de natureza, ambiente, comer, beber, homem, mulher (Ang Lee: yin, shi, nan, nu: 飲食男女).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Manuel Barbosa Gaspar, CEDRU – Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano
Professor Catedrático convidado do Instituto Superior Técnico - Lisboa/Portugal

Referências

A FREGUESIA: caracterização. Quinta do Conde – Junta de Freguesia, [s.d.]. Disponível em: <http://www.jf-quintadoconde.pt/a-freguesia-caracterizacao/>. Acesso em: 13 jul. 2015.

ALMADA, T. Diário da reforma agrária. In: BARRETO, A. Anatomia de uma revolução: a reforma agrária em Portugal 1974-1976. Lisboa: Europa-América, 1987.

ALMEIDA, M. A. P. A revolução no Alentejo: memória e trauma da reforma agrária em Avis. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2006.

BARRETO, A. Anatomia de uma revolução: a reforma agrária em Portugal 1974-1976. Lisboa: Europa-América, 1987.

BARROS, A. Do latifundismo à reforma agrária: o caso de uma freguesia do Baixo Alentejo. Oeiras: Instituto Gulbenkian de Ciência, 1986.

¬¬¬¬¬¬______. A reforma agrária em Portugal: das ocupações de terra à formação das novas unidades de produção. Oeiras: Instituto Gulbenkian de Ciência, 1979.

CARMO, R. M. De aldeia a subúrbio: trinta anos de uma comunidade alentejana. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2007.

GASPAR, J. Continuamos a procurar a geografia: o que é e para que serve. Inforgeo, APG, n. 25, p. 19-29, 2013.

______; GOULD, P. The Cova da Beira: An Applied Structural Analysis of Agriculture and Communication. Lund Studies in Geography – Series B: Human Geography, n. 48, p. 183-214, 1981.

______ et al. Um poliedro complexo: olhar sobre a estrutura científica do Centro de Estudos Geográficos. In: Livro de Homenagem a Orlando Ribeiro. Lisboa: CEG, 1984. v. I. p. 37-58.

FRIDMAN, F; HAESBAERT, R. (Org.). Mauricio de Almeida Abreu: escritos sobre espaço e história. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

KENYATTA, J. Facing Mount Kenya. London: Secker & Warburg, 1938.

Publicado
2015-11-03
Como Citar
Gaspar, J. (2015). A Centralidade da Geografia: dos conceitos às práticas. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 19(2), 183-195. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2015.102518
Seção
Artigos