O Sistema Único de Saúde (SUS) como um macrossistema: território, técnica e política

  • Luis Henrique Leandro Ribeiro Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Territory. Health. Large Technological System. Unified Health System (SUS).

Resumo

O Sistema Único de Saúde (SUS) constitui um macrossistema no território brasileiro ao agregar ampla e diversa materialidade, organizando e gerenciando seus fluxos. Ademais, dois atributos o distinguem: grande sensibilidade às especificidades dos lugares e centralização e descentralização técnica e política das ações. A dimensão macro é o SUS, o que leva a compreendê-lo para além de um sistema de saúde, por meio de particularidades como: a multidimensionalidade, que engloba elementos de outras instâncias da vida (social, econômica, cultural e política); a gama diversa e desigual de atores (estatais e não estatais) que o move e aos sentidos de suas ações; e a transescalaridade de sua concreção nos lugares (nexos locais, nacionais e internacionais). Como infraestrutura da vida cotidiana, é um macrossistema hegemônico atuando sobre as condições objetivas (tecnoesfera) e subjetivas (psicoesfera) da existência, concepção que tem importantes implicações na política de saúde e na integração do território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Henrique Leandro Ribeiro, Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Doutor em Geografia pelo Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pós-doutorando na Faculdade de Formação de Professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Geografia (FFP/UERJ). 

Referências

ALVES, T. N. P. Política Nacional de Medicamentos: análise a partir do contexto, conteúdo e processos envolvidos. Tese (Doutorado em Medicina Social) – Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. A implantação das Redes Temáticas de Atenção à Saúde: avanços, desafios e perspectivas. Apresentação da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde (SAS/MS) na Comissão Intergestores Tripartite. Brasília: MS, 2012.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. 5. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2008. (Obra coletiva de autoria da Editora Revista dos Tribunais).

______. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 set. 1990.

BRAUN, I.; JOERGES, B. Techiniques du quotidien et macrosystèmes techniques. In: GRAS, A.; JOERGES, B.; SCARDIGLE, V. Sociologie des techniques de la vie quotidienne. Paris: Harmattan, 1992. p. 69-86.

CATAIA, M. Poder, política e uso do território: a difusão do macrossistema elétrico nacional. In: COLOQUIO INTERNACIONAL DE GEOCRÍTICA – EL CONTROL DEL ESPACIO Y LOS ESPACIOS DE CONTROL, 13., 2014, Barcelona. Anais... Barcelona: CIG, 2014. p. 1-17.

CEBES. Centro Brasileiro de Estudos da Saúde. Manifesto do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde em defesa do direito universal à saúde – saúde é direito e não negócio, ago. 2014.

DADOS gerais. ANS, jul. 2014. Disponível em: http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-gerais. Acesso em: 9 dez. 2017.

DE LAVOR, A.; DOMINGUEZ, B.; MACHADO, K. O SUS que não se vê – Sistema faz parte do dia a dia de todos os brasileiros, mas não é reconhecido em suas diversas dimensões. In: RADIS – COMUNICAÇÃO E SAÚDE, 14., 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Ensp/Fiocruz, 2011. p. 9-17.

ELLUL, J. Le système technicien. Paris: Calmann-Lévy, 1977.

GRAS, A. L’illusion de la fatalité technique. L’écologiste, Dossier: Sciences et Techniques, n. 5, p. 26-33, 2001.

______. Les macro-systèmes techniques. 1. ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1997. (Collection Que sais-je?).

______. Grandeur et dépendance – Sociologie des macrosystèmes techniques. Paris: PUF, 1993.

______. Le bonheur, produit sergele. In: GRAS, A.; MORICOT, C. Technologies du quotidien, la complainte du progrès. Paris: Autrement, 1992.

HUGHES, T. P. La evolución de los grandes sistemas tecnológicos. In: THOMAS, H; BUCH, A. (Org.). Actos, actores y artefactos: sociología de la tecnología. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2008. p. 101-44.

______. Networks of Power: Electrification in Western Society, 1880-1930. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1983.

HUGHES, T. P.; MAYNTZ, R. (Ed.). The development of large technical systems. Frankfurt am Main/Campus Verlag/Boulder Colorado: Westview Press, 1988.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. PNS – Pesquisa Nacional de Saúde. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/246c87fe818b77f8047c8d1ed612a1f1.pdf. Acesso em: 9 dez. 2017.

______. Estatísticas da Saúde – Assistência Médico-Sanitária 2009. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS). Organização Fábio Schiavinatto. Brasília, DF: Ipea, 2011.

JOERGES, B. Large technical systems: concepts and issues. In: MAYNTZ, R.; HUGHES, T. P. (Ed.). The development of large technical systems. Frankfurt am Main/Campus Verlag/Boulder Colorado: Westview Press, 1988.

LABORATÓRIOS Associados. Alfob, jul. 2014. Disponível em: http://www.alfob.org/portugues/site/laboratorios. Acesso em: 9 dez. 2017.

LEAL, M. do C. (Coord.). Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Rio de Janeiro: ENSP/Fiocruz/CNPq/Faperj, 2014. (Sumário Executivo Temático da Pesquisa).

LIMA, J. C. F. O Banco Mundial, a Organização Mundial de Saúde e o “novo universalismo” ou a “cobertura universal de saúde”. In: PEREIRA, J. M. M.; PRONKO, M. (Org.). A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde (1980-2013). Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fiocruz, 2014. p. 233-253.

LOBATO, L. de V. C.; GIOVANELLA, L. Sistemas de Saúde: origens, componentes e dinâmica. In: GIOVANELLA, L. et al. (Org.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012. v. 1. p. 89-120.

MACHADO, M. H.; OLIVEIRA, E. dos S. de; MOYSES, N. M. N. Tendências do mercado do trabalho em saúde no Brasil. In: PIERANTONI, C.; DAL POZ, M. R.; FRANÇA, T. (Org.). O trabalho em saúde: abordagens quantitativas e qualitativas. Rio de Janeiro: Cepesc, 2011. v. 1. p. 103-116.

NORONHA, J. C. de. Cobertura universal de saúde: como misturar conceitos, confundir objetivos, abandonar princípios. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, p. 847-849, maio 2013.

PNS 2013: três em cada quatro brasileiros costumam buscar atendimento médico na rede pública de saúde. Agência IBGE notícias, jun. 2015.

Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/10138-pns-2013-tres-em-cada-quatro-brasileiros-costumam-buscar-atendimento-medico-na-rede-publica-de-saude.html. Acesso em: 9 dez. 2017.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993[1980].

RIBEIRO, A. C. T. Teorias da Ação. Apostila com transcrição do Curso Teorias da Ação ministrado na Universidade Estadual de Campinas. Campinas: Unicamp, 2002.

RIBEIRO, L. H. L. Território e macrossistema de saúde: os programas de fitoterapia no Sistema Único de Saúde (SUS). Tese (Doutorado em Geociências) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

______. A natureza do espaço: técnica e tempo – razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1999[1996].

SCHEFFER, M.; CASSENOTE, A.; BIANCARELLI, A. (Coord.). Demografia médica no Brasil: cenários e indicadores de distribuição. São Paulo: CFM/Cremesp, 2013. v. 2.

Publicado
2018-03-15
Como Citar
Ribeiro, L. (2018). O Sistema Único de Saúde (SUS) como um macrossistema: território, técnica e política. GEOUSP: Espaço E Tempo (Online), 21(3), 737-754. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.118291
Seção
Artigos