Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Território, sertão e ciência: expedições civilizatórias e geografia no Brasil (1900-1930)

Carlo Eugênio Nogueira

Resumo


Tomando como pano de fundo o processo de formação territorial do país, o objetivo deste artigo é apreciar a relação entre a trajetória de consolidação da geografia como campo disciplinar e as imagens e concepções de base espacial presentes nos debates sobre a questão nacional no pensamento político-social do início do século XX. Especificamente, busca-se problematizar o ambiente intelectual onde se organizaram algumas expedições que perscrutaram o antigo território de Mato Grosso, sobretudo no que tange à conformação das noções de sertão e espaço vazio, associadas recorrentemente ao território mato-grossense, uma vez que, funcionando como ideologia geográfica, tais noções poderiam ser operacionalizadas para justificar e legitimar as políticas territoriais oficiais de colonização e povoamento que o integrariam ao resto do país.

 


Palavras-chave


History of Geography. Territorial formation. Sertão. Rondon Commission.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAS, S. O campo do geógrafo: colonização e agricultura na obra de Orlando Valverde (1917-1964). Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

AMADO, J. Região, sertão e nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, v. 8, n. 15, p. 145-151, 1995.

ANSELMO, R. C. M. S. Geografia e geopolítica na formação nacional brasileira: Everardo Adolpho Backheuser.: Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2000.

ARANHA, P. M. Levantamentos territoriais e construção de saberes geográficos na Comissão de Linhas Telegráficas Estratégicas do Mato Grosso ao Amazonas (1907-1915). Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 91-100, jan./jun. 2012.

BARROS, N. C. C. A historiografia da geografia e suas controvérsias: apreciação de um debate. Revista Geográfica de Instituto Panamericano de Geografia e História, México, n. 139, p. 83-102, 2006.

BERNARDINO, M. G. Redesenhando a fronteira Noroeste. Terra Brasilis (Nova Série), n. 6, 2015. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/1656. Acesso em: 7 mar. 2018.

BIGIO, E. S. Cândido Rondon: a integração nacional. Rio de Janeiro: Contraponto/Petrobras, 2000.

BOMFIM, P. R. A. Território e movimento integralista: uma contribuição ao estudo das ideologias geográficas no pensamento autoritário brasileiro das décadas de 1920-1930. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CARDOSO, L. P. C. Os congressos brasileiros de geografia entre 1909 e 1944. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 85-103, jan./mar. 2011.

______. Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro: espaço de invenção do patriotismo nas primeiras décadas do séc. XX. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 68-84, jan./jun. 2010.

COSTA, W. M. Geografia política e geopolítica: discursos sobre território e poder. São Paulo: Edusp/Hucitec, 1992.

______. O Estado e as políticas territoriais no Brasil. São Paulo: Contexto, 1988.

DIACON, T. A. Rondon: o marechal da floresta. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

DOMINGUES, H. M. B. Ciência, um caso de política: ciências naturais e agricultura no Brasil Império. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo 1995.

DUARTE, R. B. Incógnitas geográficas: Francisco Bhering e as questões territoriais brasileiras no início do século XX. São Paulo: Alameda, 2013.

ESCOLAR, M. Crítica do discurso geográfico. São Paulo: Hucitec, 1996.

FIGUEIRÔA, S. “Batedores da ciência” em território paulista: expedições de exploração e a ocupação do “sertão” de São Paulo na transição para o século XX. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 763-777, jul./set. 2008.

______. As ciências geológicas no Brasil: uma história social e institucional, 1875-1934. São Paulo: Hucitec, 1997.

FREIRE, C. A. R. Rondon: a construção do Brasil e a causa indígena. Brasília: Abravideo, 2009.

GALETTI, L. S. G. Nos confins da civilização: sertão, fronteira e identidade nas representações sobre Mato Grosso. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

GOTTMAN, J. La politique des États et leur géographie. Paris: A. Colin, 1952.

LIMA, N. T. Brasília: a capital no sertão. In: SENRA, N. (Org.). Veredas de Brasília: as expedições geográficas em busca de um sonho. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

______. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

______. Missões civilizatórias da República e interpretação do Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 5, p. 163-193, 1998. Suplemento.

MACIEL, L. A. Cultura e tecnologia: a constituição do serviço telegráfico no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 41, p. 127-144, 2001.

______. A Comissão Rondon e a conquista ordenada dos sertões: espaço, telégrafo e civilização. Projeto História, São Paulo, v. 18, p. 167-189, maio 1999.

______. A nação por um fio: caminhos, práticas e imagens da “Comissão Rondon”. São Paulo: Educ, 1998.

MAIA, M. E. As ideias que fazem o Estado andar: imaginação espacial, pensamento brasileiro e território no Brasil Central. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, n. 3, p. 621-655, 2010.

______. A terra como invenção: o espaço no pensamento social brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

MALDI, D. De confederados a bárbaros: a representação da4 territorialidade e da fronteira indígenas nos séculos XVIII e XIX. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 183-221, 1997.

MALDI, D. Pantanais, planícies, sertões: uma reflexão antropológica sobre espaços brasileiros. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo: AGB, n. 71, 1º sem. 1992.

MARTIN, A. R. As fronteiras internas e a questão regional do Brasil. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

MIYAMOTO, S. O pensamento geopolítico brasileiro (1920-1980). Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.

MORAES, A. C. R. Geografia, interdisciplinaridade e metodologia. GEOUSP – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 18, n. 1, p. 9-39, 2014.

______. Geografia histórica do Brasil: capitalismo, território e periferia. São Paulo: Annablume, 2011.

______. Geografia histórica do Brasil: cinco ensaios, uma proposta e uma crítica. São Paulo: Annablume, 2009.

______. Território e história no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2002.

______. Geografia, capitalismo e meio ambiente. Tese (Livre-Docência em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

______. Notas sobre identidade nacional e institucionalização de geografia no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 166-176, 1991.

______. Ideologias geográficas – espaço, cultura e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1988.

NEWMAN, D. On Borders and Power: A Theoretical Framework. Journal of Borderland Studies, v. 18, n. 1, p. 13-24, 2003.

NOGUEIRA, C. E. A apropriação metodológica das frentes pioneiras na formação da Geografia Brasileira (1930-1950). Terra Brasilis (Nova Série), n. 5, 2015. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/1480. Acesso em: 6 mar. 2018.

______. O lugar da fronteira na geografia de Pierre Monbeig. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

______. A conquista do Brasil central: fronteiras e frentes pioneiras no século XIX. Scripta Nova – Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona: Universidad de Barcelona, v. XVI, n. 418(9), 2012. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-418/sn-418-9.htm. Acesso em: 6 mar. 2018.

NOMURA, H. Centenário da Comissão Rondon (1907-2007): personagens, descobertas e produção bibliográfica. Cadernos de História da Ciência – Instituto Butantan, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 79-105, jan./jul. 2010.

OLIVEIRA, L. M. L. Natureza e identidade: o caso brasileiro. Desigualdade & Diversidade – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro: PUC, n. 9, p. 123-134, ago./dez. 2011.

______. Americanos: representações da identidade nacional no Brasil e nos EUA. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

______. A questão nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1990.

ORTIZ, R. A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d’Água, 2003.

PEREIRA, S. L. N. Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro: origens, obsessões e conflitos (1883-1944). Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

SÁ, D. M.; SÁ, M. R.; LIMA, N. T. Telégrafos e inventário do território no Brasil: as atividades científicas da Comissão Rondon (1907-1915). História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 779-810, 2008.

RONDON, C. M. S. Missão Rondon: apontamentos sobre os trabalhos realizados pela Comissão de Linhas Telegráficas Estratégicas de Mato Grosso ao Amazonas, de 1907 a 1915. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2003.

______. Conferências realizadas perante a Sociedade Rural Brasileira – São Paulo, 31 de julho de 1920; Cuiabá, 15 de dezembro de 1919; e Piracicaba, 4 de agosto de 1920. Rio de Janeiro: Typographia Leuzinger, 1922.

SACK, R. D. Human Territoriality: Its theory and history. London: Cambridge University Press, 1986.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002.

______. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Hucitec, 1997.

______. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SCHWARTZMAN, S. Um espaço para a ciência: a formação da comunidade científica no Brasil. Brasília, DF: MCT, 2001.

TAYLOR, P. The state as container: territoriality in the modern world-system. Progress in Human Geography, n. 18, p. 151-162, 1994.

VLACH, V. R. F. Estudo preliminar acerca dos geopolíticos militares brasileiros. Terra Brasilis, n. 4-5, 2003. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/359. Acesso em: 6 mar. 2018.

WALLERSTEIN, I. Após o liberalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

ZUSMAN, P. B. Sociedades geográficas na promoção o saber a respeito do território: estratégias políticas e acadêmicas das instituições geográficas na Argentina (1879-1942) e no Brasil (1838-1945). Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) –Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.122319

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Carlo Eugênio Nogueira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br