Território, sertão e ciência: expedições civilizatórias e geografia no Brasil (1900-1930)

  • Carlo Eugênio Nogueira Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: History of Geography. Territorial formation. Sertão. Rondon Commission.

Resumo

Tomando como pano de fundo o processo de formação territorial do país, o objetivo deste artigo é apreciar a relação entre a trajetória de consolidação da geografia como campo disciplinar e as imagens e concepções de base espacial presentes nos debates sobre a questão nacional no pensamento político-social do início do século XX. Especificamente, busca-se problematizar o ambiente intelectual onde se organizaram algumas expedições que perscrutaram o antigo território de Mato Grosso, sobretudo no que tange à conformação das noções de sertão e espaço vazio, associadas recorrentemente ao território mato-grossense, uma vez que, funcionando como ideologia geográfica, tais noções poderiam ser operacionalizadas para justificar e legitimar as políticas territoriais oficiais de colonização e povoamento que o integrariam ao resto do país.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlo Eugênio Nogueira, Universidade Federal do Espírito Santo
Professor do Departamento de Geografia do Centro de Ciências Humanas e Naturais da Universidade Federal do Espírito Santo (CCHN/UFES), desenvolvendo atividades de pesquisa, orientação e docência com ênfase em Geografia Histórica e História do Pensamento Geográfico. Possui bacharelado (2005), mestrado (2008) e doutorado (2013) em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo. É também associado ao coletivo de pesquisadores Rede Brasilis - Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica.

Referências

ADAS, S. O campo do geógrafo: colonização e agricultura na obra de Orlando Valverde (1917-1964). Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

AMADO, J. Região, sertão e nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, v. 8, n. 15, p. 145-151, 1995.

ANSELMO, R. C. M. S. Geografia e geopolítica na formação nacional brasileira: Everardo Adolpho Backheuser.: Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2000.

ARANHA, P. M. Levantamentos territoriais e construção de saberes geográficos na Comissão de Linhas Telegráficas Estratégicas do Mato Grosso ao Amazonas (1907-1915). Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 91-100, jan./jun. 2012.

BARROS, N. C. C. A historiografia da geografia e suas controvérsias: apreciação de um debate. Revista Geográfica de Instituto Panamericano de Geografia e História, México, n. 139, p. 83-102, 2006.

BERNARDINO, M. G. Redesenhando a fronteira Noroeste. Terra Brasilis (Nova Série), n. 6, 2015. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/1656. Acesso em: 7 mar. 2018.

BIGIO, E. S. Cândido Rondon: a integração nacional. Rio de Janeiro: Contraponto/Petrobras, 2000.

BOMFIM, P. R. A. Território e movimento integralista: uma contribuição ao estudo das ideologias geográficas no pensamento autoritário brasileiro das décadas de 1920-1930. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CARDOSO, L. P. C. Os congressos brasileiros de geografia entre 1909 e 1944. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 85-103, jan./mar. 2011.

______. Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro: espaço de invenção do patriotismo nas primeiras décadas do séc. XX. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 68-84, jan./jun. 2010.

COSTA, W. M. Geografia política e geopolítica: discursos sobre território e poder. São Paulo: Edusp/Hucitec, 1992.

______. O Estado e as políticas territoriais no Brasil. São Paulo: Contexto, 1988.

DIACON, T. A. Rondon: o marechal da floresta. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

DOMINGUES, H. M. B. Ciência, um caso de política: ciências naturais e agricultura no Brasil Império. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo 1995.

DUARTE, R. B. Incógnitas geográficas: Francisco Bhering e as questões territoriais brasileiras no início do século XX. São Paulo: Alameda, 2013.

ESCOLAR, M. Crítica do discurso geográfico. São Paulo: Hucitec, 1996.

FIGUEIRÔA, S. “Batedores da ciência” em território paulista: expedições de exploração e a ocupação do “sertão” de São Paulo na transição para o século XX. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 763-777, jul./set. 2008.

______. As ciências geológicas no Brasil: uma história social e institucional, 1875-1934. São Paulo: Hucitec, 1997.

FREIRE, C. A. R. Rondon: a construção do Brasil e a causa indígena. Brasília: Abravideo, 2009.

GALETTI, L. S. G. Nos confins da civilização: sertão, fronteira e identidade nas representações sobre Mato Grosso. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

GOTTMAN, J. La politique des États et leur géographie. Paris: A. Colin, 1952.

LIMA, N. T. Brasília: a capital no sertão. In: SENRA, N. (Org.). Veredas de Brasília: as expedições geográficas em busca de um sonho. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

______. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

______. Missões civilizatórias da República e interpretação do Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 5, p. 163-193, 1998. Suplemento.

MACIEL, L. A. Cultura e tecnologia: a constituição do serviço telegráfico no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 41, p. 127-144, 2001.

______. A Comissão Rondon e a conquista ordenada dos sertões: espaço, telégrafo e civilização. Projeto História, São Paulo, v. 18, p. 167-189, maio 1999.

______. A nação por um fio: caminhos, práticas e imagens da “Comissão Rondon”. São Paulo: Educ, 1998.

MAIA, M. E. As ideias que fazem o Estado andar: imaginação espacial, pensamento brasileiro e território no Brasil Central. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, n. 3, p. 621-655, 2010.

______. A terra como invenção: o espaço no pensamento social brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

MALDI, D. De confederados a bárbaros: a representação da4 territorialidade e da fronteira indígenas nos séculos XVIII e XIX. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 183-221, 1997.

MALDI, D. Pantanais, planícies, sertões: uma reflexão antropológica sobre espaços brasileiros. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo: AGB, n. 71, 1º sem. 1992.

MARTIN, A. R. As fronteiras internas e a questão regional do Brasil. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

MIYAMOTO, S. O pensamento geopolítico brasileiro (1920-1980). Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.

MORAES, A. C. R. Geografia, interdisciplinaridade e metodologia. GEOUSP – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 18, n. 1, p. 9-39, 2014.

______. Geografia histórica do Brasil: capitalismo, território e periferia. São Paulo: Annablume, 2011.

______. Geografia histórica do Brasil: cinco ensaios, uma proposta e uma crítica. São Paulo: Annablume, 2009.

______. Território e história no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2002.

______. Geografia, capitalismo e meio ambiente. Tese (Livre-Docência em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

______. Notas sobre identidade nacional e institucionalização de geografia no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 166-176, 1991.

______. Ideologias geográficas – espaço, cultura e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1988.

NEWMAN, D. On Borders and Power: A Theoretical Framework. Journal of Borderland Studies, v. 18, n. 1, p. 13-24, 2003.

NOGUEIRA, C. E. A apropriação metodológica das frentes pioneiras na formação da Geografia Brasileira (1930-1950). Terra Brasilis (Nova Série), n. 5, 2015. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/1480. Acesso em: 6 mar. 2018.

______. O lugar da fronteira na geografia de Pierre Monbeig. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

______. A conquista do Brasil central: fronteiras e frentes pioneiras no século XIX. Scripta Nova – Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona: Universidad de Barcelona, v. XVI, n. 418(9), 2012. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-418/sn-418-9.htm. Acesso em: 6 mar. 2018.

NOMURA, H. Centenário da Comissão Rondon (1907-2007): personagens, descobertas e produção bibliográfica. Cadernos de História da Ciência – Instituto Butantan, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 79-105, jan./jul. 2010.

OLIVEIRA, L. M. L. Natureza e identidade: o caso brasileiro. Desigualdade & Diversidade – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro: PUC, n. 9, p. 123-134, ago./dez. 2011.

______. Americanos: representações da identidade nacional no Brasil e nos EUA. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

______. A questão nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1990.

ORTIZ, R. A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d’Água, 2003.

PEREIRA, S. L. N. Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro: origens, obsessões e conflitos (1883-1944). Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

SÁ, D. M.; SÁ, M. R.; LIMA, N. T. Telégrafos e inventário do território no Brasil: as atividades científicas da Comissão Rondon (1907-1915). História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 779-810, 2008.

RONDON, C. M. S. Missão Rondon: apontamentos sobre os trabalhos realizados pela Comissão de Linhas Telegráficas Estratégicas de Mato Grosso ao Amazonas, de 1907 a 1915. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2003.

______. Conferências realizadas perante a Sociedade Rural Brasileira – São Paulo, 31 de julho de 1920; Cuiabá, 15 de dezembro de 1919; e Piracicaba, 4 de agosto de 1920. Rio de Janeiro: Typographia Leuzinger, 1922.

SACK, R. D. Human Territoriality: Its theory and history. London: Cambridge University Press, 1986.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002.

______. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Hucitec, 1997.

______. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SCHWARTZMAN, S. Um espaço para a ciência: a formação da comunidade científica no Brasil. Brasília, DF: MCT, 2001.

TAYLOR, P. The state as container: territoriality in the modern world-system. Progress in Human Geography, n. 18, p. 151-162, 1994.

VLACH, V. R. F. Estudo preliminar acerca dos geopolíticos militares brasileiros. Terra Brasilis, n. 4-5, 2003. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/359. Acesso em: 6 mar. 2018.

WALLERSTEIN, I. Após o liberalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

ZUSMAN, P. B. Sociedades geográficas na promoção o saber a respeito do território: estratégias políticas e acadêmicas das instituições geográficas na Argentina (1879-1942) e no Brasil (1838-1945). Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) –Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, 1996.

Publicado
2018-06-19
Como Citar
Nogueira, C. (2018). Território, sertão e ciência: expedições civilizatórias e geografia no Brasil (1900-1930). GEOUSP: Espaço E Tempo (Online), 22(1), 043-060. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.122319
Seção
Artigos