Proposição da temperatura do ar como variável para uso em sistema de indicadores de Qualidade Ambiental

Autores

  • Cíntia Minaki Universidade Estadual de Maringá
  • Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.135196

Palavras-chave:

Temperatura do ar, Qualidade ambiental, Sistema de indicadores, Paisagem, Araçatuba-SP

Resumo

A Qualidade Ambiental é um conceito polissêmico de enfoques objetivo e subjetivo, passível de interpretação qualitativa e quantitativa. Na legislação urbanística é comumente associada ao saneamento básico e elementos climáticos são insuficientemente mencionados em matérias de lei. Propôs-se o uso da temperatura do ar como variável de um sistema de indicadores de qualidade ambiental, aplicada à área urbana de Araçatuba/SP. Buscou-se verificar a dinâmica do elemento, realizando-se transectos móveis noturnos. Na demanda do interior paulista pela expansão ocupacional e econômica, o município configurou-se por paisagens urbanas sem o aproveitamento de seu potencial de uso e ecológico, com suscetibilidade à queda da qualidade ambiental. Áreas com maior tendência ao aquecimento corresponderam àquelas de baixa cobertura vegetal arbórea e maior quantidade de pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, H. A. Relação entre o fenômeno El Niño-Oscilação Sul e a ocorrência de chuvas no sudeste da Bahia. Boletim Geotécnico n. 183, Ilhéus-BA: Ceplac/Cepec, 2002.

ALVA, E. N. Metrópoles (in)sustentáveis. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

AMORIM, M. C. C. T.; DUBREUIL, V.; QUENOL, H.; SANT’ANNA NETO, J. L. Características das ilhas de calor em cidades de porte médio: exemplos de Presidente Prudente (Brasil) e Rennes (França). Confins online, n. 7, p. 1-16, 2009a. Disponível em: http://confins.revues.org/6070. Acesso em: 30 abr. 2011.

AMORIM, M. C. C. T.; SANT’ANNA NETO, J. L.; DUBREUIL, V. Estrutura térmica identificada por transectos móveis e canal termal do Landsat 7 em cidade tropical. Revista de Geografía Norte Grande, Santiago: Pontificia Universidad Católica de Chile, n. 43, p. 65-80, 2009b.

AMORIM, M. C. C. T.; UGEDA JÚNIOR, J. C. Os climas das cidades e as relações sociedade/natureza. Anpege, v. 12, n. 19, p. 252-278, 2016. Disponível em: http://www.anpege.org.br/revista/ojs-2.4.6/index.php/anpege08/article/view/252. Acesso em: 5 set. 2017.

ARAÇATUBA. Lei Complementar n. 168, de 6 de outubro de 2006. Institui o Plano Diretor do Município de Araçatuba. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/plano-diretor-aracatuba-sp. Acesso em: 4 jul. 2018.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. Cadernos de Ciência da Terra, São Paulo: IG/USP, n. 13, p. 141-152, 1972.

BUCCHERI FILHO, A. T. O planejamento dos espaços de uso público, livres de edificação e com vegetação (EUPLEVs) no município de Curitiba-PR: planejamento sistemático ou planejamento baseado em modelo oportunista? Tese (Doutorado em Geografia) – Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010. Disponível em: http://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/24093/TESE%20Alexandre%20Theobaldo%20Buccheri%20Filho.pdf;jsessionid=9347115C3B87BFB7EE4852F010227AD9?sequence=1. Acesso em: 31 jul. 2017.

CANTAT, O. L’îlot de chaleur urbain parisien selon les types de temps. Norois online, Rennes, n. 191, p. 75-102, 2004. Disponível em: http://norois.revues.org/1373. Acesso em: 2 mar. 2013.

CARRERAS, C.; MARÍN, M.; VIDE, J. M.; MORENO, M. C.; SABÍ, J. Modificaciones térmicas en las ciudades: avance sobre la isla de calor em Barcelona. Document’s D’análisi Geográfica, n. 17, p. 51-77, 1990.

CETESB. COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Relatório de Qualidade do Ar – 2011, 2012, 2013. Disponível em: http://ar.cetesb.sp.gov.br/qualar/. Acesso em: 31 jul. 2017.

CIIAGRO. CENTRO INTEGRADO DE INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAs. Séries agrometeorológicas, 2013. Disponível em: http://www.ciiagro.sp.gov.br/ciiagroonline/. Acesso em: 11 jun. 2018.

CORDEIRO, R. C. A.; MORAES, L. R. S.; BORJA, P. C.; SANTANA, M. J. A. Qualidade ambiental urbana de Salvador: uma avaliação por meio de pesquisa de opinião. Revista VeraCidade, Salvador, n. 5, p. 1-15, dez. 2006. Disponível em: http://www.veracidade.salvador.ba.gov.br/conteudo/artigos/artigo01/artigo1.pdf. Acesso em: 13 jan. 2007.

CPTEC-INPE. CENTRO DE PREVISÃO DE TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS – INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Acervo de imagens Goes – 2011, 2012, 2013a. Disponível em: http://satelite.cptec.inpe.br/acervo/goes.formulario.logic?i=br. Acesso em: 31 jul. 2017.

CPTEC-INPE. CENTRO DE PREVISÃO DE TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS – INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Análise sinótica – 2011, 2012, 2013b. Disponível em: http://www.cptec.inpe.br/noticias/noticia/128276. Acesso em: 31 jul. 2017.

GARCÍA, F. F.; ÁLVAREZ, F. A.; MUÑOZ, J. A.; ÁLVAREZ, D. R.; MARTILLI, A. Estudio de detalle del clima urbano de Madrid. Universidad Autônoma de Madrid, Departamento de Geografia, 2016. Disponível em: http://www.madrid.es/UnidadesDescentralizadas/Sostenibilidad/EspeInf/EnergiayCC/04CambioClimatico/4cEstuClimaUrb/Ficheros/EstuClimaUrbaMadWeb2016.pdf. Acesso em: 5 set. 2017.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. Trad. Sílvia Helena Gonçalves. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

GOOGLE EARTH. Disponível em: https://www.google.com.br/intl/pt-PT/earth/. Acesso em: 23 mar. 2013.

HIGUERAS, E. Urbanismo bioclimático. Barcelona: GG, 2006.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Dados populacionais. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/sp/aracatuba/panorama. Acesso em: 31 jul. 2017.

INMET. INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Normais climatológicas. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisclimatologicas. Acesso em: 31 jul. 2017.

KAMP, I.; LEIDELMEIJER, G. M.; HOLLANDER, A. Urban environmental quality and human well-being: towards a conceptual framework and demarcation of concepts; a literature study. Landscape and Urban Planning, Amsterdan, v. 65, n. 1-2, p. 5-18, 2003. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0169204602002323. Acesso em: 12 abr. 2012.

LANDIM, P. M. B.; STURARO, J. R. Krigagem indicativa aplicada à elaboração de mapas probabilísticos de riscos. Geomatemática, Texto Didático 6, DGA-IGCE-Unesp-Rio Claro, 2002. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/textodi.html. Acesso em: 5 set. 2017.

MACHADO, L. M. C. P. Qualidade ambiental: indicadores quantitativos e perceptivos. In: MAIA, N. B.; LESJAK, H. (Coord.). Indicadores ambientais. Sorocaba: [s.e.], 1997. p. 15-21.

MARTINELLI, P. Qualidade ambiental urbana em cidades médias: proposta de modelo de avaliação para o estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2004.

MAZETTO, F. A. P. Qualidade de vida, qualidade ambiental e meio ambiente urbano: breve comparação de conceitos. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 12, n. 24, p. 21-31, 2000. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/28533. Acesso em: 8 jul. 2017.

MINUZZI, R. B.; SEDIYAMA, G. C.; COSTA, J. M. N.; VIANELLO, R. L. Influência da La Niña na estação chuvosa da região Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Meteorologia, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 345-353, dez. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-77862007000300008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29 jul. 2017.

MONTEIRO, C. A. F. Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2000.

MONTEIRO, C. A. F. (Coord.). Qualidade ambiental na Bahia: Recôncavo e regiões limítrofes. Salvador: CEI, 1987.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e clima urbano. São Paulo: IGEOG-USP, 1976. (Série Teses e Monografias, 25.)

NOAA. National Oceanic and Atmospheric Administration. Cold and Warm Episodes by Season. Disponível em: http://www.cpc.ncep.noaa.gov/products/analysis_monitoring/ensostuff/ensoyears.shtml. Acesso em: 1 ago. 2017.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento: um estudo de Planejamento da Paisagem do distrito de Santa Cecília (MSP). 2. ed. Curitiba: Edição do Eutor, 2008.

NUCCI, J. C. Origem e desenvolvimento da ecologia e da ecologia da paisagem. Revista Geografar, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 77-99, jan./jul. 2007. Disponível em: http://www.ser.ufpr.br/geografar. Acesso em: 22 jan. 2010.

NUCCI, J. C.; CAVALHEIRO, F. Cobertura vegetal em áreas urbanas: conceito e método. Geousp – Espaço e Tempo, n. 6, p. 29-36, 1999.

OKE, T. R. Boundary layer climates. 2. ed. London: Routledge, 1987.

OKE, T. R. City size and the urban heat sland. Atmospheric Environment Pergamon Press, Great Britain, v. 7, p. 769-779, 1973. Disponível em: http://www.theurbanclimatologist.com/uploads/4/4/2/5/44250401/post6oke1973uhiscaling.pdf. Acesso em: 5 set. 2017.

OKE, T. R.; MAXWELL, G. B. Urban Heat Island dynamics in Montreal and Vancouver. Atmospheric Environment, v. 9, p. 191-200, 1975.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Disponível em: www.un.org. Acesso em: 24 jul. 2017.

STEWART, I.; OKE, T. Classifying urban climate fielf sites by “local climate zones”: the case of Nagano, Japan. The Seventh International Conference on Urbane Climate, Yokohama, p. 1-5, 2009.

TEIXEIRA, D. C. F. O clima urbano de Rancharia-SP. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente-SP. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/132057. Acesso em: 5 set. 2017.

UGEDA JÚNIOR, J. C. Clima urbano e planejamento na cidade de Jales-SP. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2012.

YAMAMOTO, J. K.; LANDIM, P. M. B. Geoestatística: conceitos e aplicações. São Paulo: Oficina de Textos, 2013.

Downloads

Publicado

2018-06-21

Como Citar

MINAKI, C.; AMORIM, M. C. de C. T. Proposição da temperatura do ar como variável para uso em sistema de indicadores de Qualidade Ambiental. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 22, n. 2, p. 394-415, 2018. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.135196. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/135196. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)