ACUMULAÇÃO ORIGINÁRIA COMO MOMENTO DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: ATRIBUTOS DA MOBILIZAÇÃO ESPACIAL E FINANCEIRA

Autores

  • Ana Cristina Mota Silva Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2008.74078

Palavras-chave:

Acumulação, Produção do espaço, Cidade, Geografia, Urbano.

Resumo

A análise do processo de produção da cidade a partir do materialismo histórico dialético exigiu a compreensão dos momentos de constituição do método como momento de refutação do próprio sentido da ciência, de modo que as diversas concepções contribuem como recortes epistemológicos a caminhar das determinações do processo de acumulação originária aos atributos das condições históricas, e a incorporar, diante da objetividade do real posta, os conteúdos das relações sociais de uma documentação histórica. Isto como síntese das condições concretas desse processo e momento. Contudo, a análise desta mesma produção faz-se-á pela mobilização espacial e financeira como acumulação pela formação dos patrimônios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Mota Silva, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Doutora em Geografia pelo Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Referências

Inventários e Escrituras. Cartórios. Arquivo Público do Estado do Ceará. 1808 a 1899.

ALFREDO, Anselmo. Filosofia e anti-filosofia. SP, 2000. (pp. 1-4). mimeo.

ALMEIDA, Paul o Roberto. “A diplomacia financeira do Brasil no Império.” In: Revista de História Econômica & História de Empresas. São Paulo: Hucitec/Abphe. V. 1, 1998. (pp. 7-47).

CARLOS, Ana Fani Alessandri. Memorial Apresentado ao Concurso Para Provimento de Cargo de Professor Titular em Geografia Junto ao Departamento de Geografia. FFLCH-USP. São Paulo, 2004. (mimeo). 203p.

COSTA, Lúcio. Notas sobre a evolução do mobiliário luso-brasileiro. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. IPHAN, v.3, Rio de Janeiro, 1939. (pp. 149-162).

DAMIANI, Amélia Luisa. “A propósito do espaço e do urbano: algumas hipóteses .” Revista Cidades, v. 1. n. 1. jan./jun. 2004, Presidente Prudente. (pp. 79-95).

DIAS, Hélcia. O mobiliário dos inconfidentes. IPHAN, v. 3, Rio de Janeiro, 1939. (pp.163-172).

GIANNOTTI, José Arthur. “Ciência e gênese”. In: GIANNOTTI, José Arthur (org.). Texto n. 3. Seleções cebrap n. 2. Exercícios de filosofia. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1975. (pp. 34-42).

GIANNOTTI, José Arthur. Trabalho e reflexão. Ensaios para uma dialética da sociabilidade. São Paulo: Brasiliense, 1983. 379p.

GIANNOTTI, José Arthur. Lógica formal lógica especulativa, São Paulo, 1997. (mimeo). (pp.1-20).

GRESPAN, Jorge Luis da Silva. “Considerações sobre o método”. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.) Fontes Históricas, São Paulo: Editora Contexto, 2005 (pp. 291-300).

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. In: Os pensadores. Trad. de Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (pp. 23-32).

KENNEDY, Paul. Ascensão e que dadas grandes potências. Transformação econômica e conflito militar de 1500 a 2000. 5a. ed. Rio de Janeiro, 1998. (caps. 3, 4 e 5).Trad. Waltensir Dutra. (pp. 79-249).

LEBRUN, Gérard. La pa tience du concep t: essai sur le discours hegelien . Paris: Ed. Gallimard, 1972. 421p.

LE FEBVRE, Georges. Lavente des biens nationaux. In: Étudessur la Révolution français e. Paris: Presses Universitaires, 1963. (pp. 305-337).

LE FEBVRE , He nr i . La Vallé e de Campan. Étude de sociologie rurale . Paris: Presses Universitaires,1963. 220p.

LEFEBVRE, Henri. Metafilosofia. Prolegômenos. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1967. 399p.

LEFBVRE, Henri. De la théorie des crises a la théorie des catastrophes. In: De l’état. Les contradictions de l’état moderne la dialetique et /de l’état . Tome IV. Paris: 1018, 1978. (pp.211-257).

LÊNIN, V. I . “A teoria do conhecimento do materialismo dialético e do empirocritismo. III.” In: Seleção de textos: teoria e método. n. 14, Agb. São Paulo, 1986. (pp. 1-46.)

LUKÁCS, Georg. El asalto a la razón. La trayetoria del irracionalismo desde Schelling hasta Hitler. 1a. ed. México: Editora Fondo de Cultura Económica, Trad. Wenceslao Roces, 1959. 705p.

MACHADO , Alcântara . Vida e mor te do bandeirante. São Paulo: Ed. Martins, 1943. 238p.

MARTINS, José de Souza. A viagem do vapor Europa ao Atlântico Sul, jul/1877. In: Raízes, julho, 1995. (pp. 4-11).

MARX, Karl & ENGELS Federico. La ideologia alemana: critica da novissima filosofia alemã nas pessoas de seus representantes Feurbach, B. Bauer y Stirner, e do socialismo alemão nas pessoas de seus diferentes profetas. Argentina: Ed. Pueblos Unidos, T. I, Trad. Wenceslao Roces 1978.

MARX, Karl. Elementos fundamentales para la crítica de la economia política (Grundrisse)1857~1858.13ª. ed. México: Ed. Siglo Veintiuno, Vol. II Trad. Pedro Scaron.1997. 493p.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Em busca da ontologia do espaço. In: MOREIRA, Ruy (org.). Geografia: teoria e crítica. O saber posto em questão. Petrópolis: Ed. Vozes, 1982. (pp. 68-72).

NEUMANN, Franz. Behemoth. Pensamiento y acción en el nacional-socialismo. 1a. ed. México: Ed. Fondo de Cultura Economica, 1943. 583p.

QUAINI, Massimo. A construção da geografia humana. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1983. 158p.

ROHDEN, Valerio. Immanuel Kant. Vida e Obra. (1724-1804). In: Os pensadores. Trad. de Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (V-XXIV).

SILVA, Ana Cristina Mota. A propriedade privada da terra e a produção de novas espacialidades na cidade de Fortaleza. Dissertação (Mestrado), FFLCH-USP. Or. Prof. Dra. Amélia Luisa Damiani. São Paulo, 2000. 165p.

SILVA, Ana Cristina Mota. “Do entesouramento à acumulação urbana. A produção do espaço de Fortaleza no século XIX”. Tese (Doutorado), FFLCH-USP. Or. Prof. Dra. Amélia Luisa Damiani. São Paulo, 2005. 450p.

SILVA, Armando Corrêa da. “Na tureza do trabalho de campo em geografia humana e suas limitações ”. Revista do Departamento de Geografia - FFLCH-USP. n. 1. São Paulo: 1980. (pp. 49-54).

SILVA , José Luiz Wernek da. “A sociedade auxiliadora da indústria Nacional, matriz do Instituto Histórico,” In: Origens do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, 1989. (pp.11-20). Apud: SILVA, Lígia Osório. Terras devolutas e latifúndio. Efeitos da lei de 1850. São Paulo/Campinas: Unicamp, 1996. 373p.

Downloads

Publicado

2008-12-30

Como Citar

SILVA, A. C. M. ACUMULAÇÃO ORIGINÁRIA COMO MOMENTO DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: ATRIBUTOS DA MOBILIZAÇÃO ESPACIAL E FINANCEIRA. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 12, n. 2, p. 09-29, 2008. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2008.74078. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74078. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos