TERRITORIALIDADE DA EDUCAÇÃO: AS ESCOLAS PÚBLICAS NAS ÁREAS CENTRAIS DE SÃO PAULO

Autores

  • Gilberto Cunha Franca Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2012.74285

Palavras-chave:

Urbanização, Políticas educacionais, Lugar, Escola pública, Cidade

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir a territorialidade da educação, como parte do conjunto das infraestruturas sociais. Ele analisa, mais especificamente, a situação de uma antiga escola localizada em Pinheiros, no Município de São Paulo. Trata-se da experiência dramática desta escola diante das transformações metropolitanas e educacionais, e que têm levado ao esvaziamento e ao fechamento de dezenas de estabelecimentos de ensino nas áreas mais centrais e valorizadas deste Município. O texto procura explicar como as forças sociais imbricadas em diferentes escalas geográficas evoluíram, e se enfrentaram, na configuração deste problema. Expõe-se, portanto, aqui, um estudo geográfico da educação e as tentativas de sujeitos dispersos de uma comunidade para preservar sua antiga escola.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Gilberto Cunha Franca, Universidade de São Paulo
    Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo.

Referências

AÇÃO EDUCATIVA. Série Debates. Colóquio sobre a reorganização da rede estadual de ensino de São Paulo. São Paulo, 13 de maio 1996.

ADRIÃO, Thereza. Educação e produtividade: a reforma do ensino paulista e a desobrigação do estado. São Paulo: Xamã, 2006.

ARELARO, Lizete R. A municipalização do ensino no estado de São Paulo: antecedentes, históricos e tendências. In: OLIVEIRA, C. (Org.). Municipalização do ensino no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 1999, p. 87.

BERNARDES, Adriana. A nova divisão territorial do trabalho brasileiro e a produção de informação na cidade de São Paulo (as empresas de consultoria). In: SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

BRUNO, Miguel. Acumulação de capital e crescimento econômico no Brasil: uma análise do período 1950-2006 determinantes de longo prazo. In: SICSÚ, J.; MIRANDA, P. (Org.). Crescimento econômico. Estratégias e Instituições. Rio de Janeiro: Ipea, 2009.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. São Paulo: do capital industrial ao capital financeiro. In: CARLOS, Ana Fani Alexandre; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (Org.). Geografias de São Paulo: a metrópole do século XXI. São Paulo: Contexto, 2004. (Volume 2).

CASTRO, Jorge Abraão de. Financiamento e gasto público na educação no Brasil: (1995 – 2005). Educação e Sociedade. Campinas, v. 28, n. 100, Especial, p.857-876, out. 2007.

FIX, Mariana. São Paulo cidade global: fundamentos financeiros de uma miragem. São Paulo: Boitempo, 2007.

FRANCA, Gilberto Cunha. Urbanização e educação: da escola de bairro à escola de passagem. São Paulo, 2010. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo - USP, 2010.

FRÚGOLI Jr., Heitor. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Edusp, 2006.

GONÇALVES, Reinaldo. Desestabilização macroeconômica e dominação do capital financeiro no Brasil. En publicación: BASUALDO, Eduardo M.; ARCEO, Enrique. Neoliberalismo y sectores dominantes. Tendencias globales y experiencias nacionales. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Buenos Aires, Agosto, 2006.

HARVEY, David. Los límites del capitalismo y la teoria marxista. México: Fondo de Cultura Económica, 1990.

HARVEY, David. El neoliberalismo como destrucción creativa. 2007. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/8913408/DavidHarvey-El-neoliberalismo-como-destruccioncreativa>. Acesso em: 2011.

HARVEY, David. O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

INEP. Percentual do Investimento Direto em Relação ao PIB por Esfera de Governo. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/web/guest/estatisti cas-gastoseducacaoindicadores_financeirosp.t.d._dependencia_administrativa.htm>. Acesso em: 2011.

IPEA. IPEA/DATA. Disponível: <http://www.ipeadata.gov.br/>. Acesso em 20/06/2011.

LEFEBVRE, Henri, A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora da UFMG – Humanitas, 2004.

MAIOR DESIGUALDADE escolar é em São Paulo. Folha de São Paulo, São Paulo, Cotidiano C3, 24 de dezembro de 2007.

PINTO, José Marcelino de Rezende. Limites do pacto federativo no financiamento da educação básica. Revista Adusp, Dossiê educação no Brasil, São Paulo, n. 46, 2010.

REGIÃO CENTRO-OESTE é a melhor na capital. O Estado de São Paulo, São Paulo, Caderno Vida & Educação, 19 de março de

SÃO PAULO (Estado). SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Educação paulista: corrigindo rumos: mudar para melhorar: uma escola para a criança, outra para o adolescente. São Paulo: SEE, [1995].

SÃO PAULO, 454 anos. Região de Pinheiros é a melhor de São Paulo. Folha de São Paulo, São Paulo, Especial C1, p.6, 26/01/2008.

SARESP. Disponível em: <http://saresp2009.edunet.sp.gov.br/pdf/02_Apresentacao_final.pdf>. Acesso em 30/03/2010.

SEABRA, Odete de Carvalho. São Paulo: a cidade, os bairros e a periferia. In: CARLOS, Ana Fani Alexandre; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (Org.). Geografias de São Paulo: representação e crise da metrópole São Paulo: Contexto, 2004. (Volume I).

SEE/CIE. Cadastro das Escolas do Estado de São Paulo. São Paulo: SEE/CIE, 2010. SMDU. SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO. <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/desenvolvimento_urbano/dados_esta

tisticos>. Acesso em 20/06/2011.

TORRES, Haroldo. Medindo a segregação. In: MARQUES, Eduardo; TORRES, Haroldo. São Paulo: segregação, pobreza e desigualdade social. São Paulo: Editora SENAC, 2005.

VASCONCELLOS, Patrícia Meira de. Projeto na escola: novas trilhas para o ensino médio. São Paulo, 2004. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC, 2004.

Downloads

Publicado

2012-12-30

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

FRANCA, Gilberto Cunha. TERRITORIALIDADE DA EDUCAÇÃO: AS ESCOLAS PÚBLICAS NAS ÁREAS CENTRAIS DE SÃO PAULO. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), São Paulo, Brasil, v. 16, n. 3, p. 110–123, 2012. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2012.74285. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74285.. Acesso em: 18 maio. 2024.