USANDO O PATRIMONIO GEOLÓGICO PARA ATRAIR TURISTAS: O GEOTURISMO NO BRASIL (PARANÁ) E ESPANHA (ARAGÓN)

Autores

  • Jasmine Cardozo Moreira Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Guillermo Meléndez-Hevia Universidad de Zaragoza

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2012.74286

Palavras-chave:

Geoturismo, Aragón, Paraná, Geodidática, Patrimônio Geológico,

Resumo

Apesar da crescente popularidade no Brasil e na Espanha, o desenvolvimento do Geoturismo ainda está numa fase incipiente. Enquanto a preocupação com o Patrimônio Natural na sociedade tem experimentado um crescimento significativo nos últimos anos, ainda há uma falta de percepção pela população a respeito do Patrimônio Geológico. Deste modo, o objetivo deste artigo é apresentar aspectos ligados ao geoturismo e como ele vem sendo entendido atualmente e apresentar exemplos de utilização do Patrimônio Geológico no Estado do Paraná (Brasil) e na Comunidade Autônoma de Aragón (Espanha). A metodologia envolveu saídas à campo, pesquisas bibliográficas e observação participativa. Conclui-se que em ambos os países, há a necessidade de um melhor reconhecimento do Patrimônio Geológico como uma atração geoturística e que  deve ser mais utilizado em atividades interpretativas e educativas. 

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Jasmine Cardozo Moreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa

    Doutora em GeografiaDocente no Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Chefe do Departamento de Turismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

  • Guillermo Meléndez-Hevia, Universidad de Zaragoza

    Departamento de Ciências de la Tierra (Paleontologia).

Referências

ALCALA, L. “Maestrazgo Geopark + Dinópolis Territory = A decade fostering geotourism in Teruel, Spain”. In: ROCHA, D. & SÁ, A. Proceedings of the International Congress of Geotourism – AROUCA, 2011. Arouca, 2011, p. 177- 180.

AROUCA DECLARATION. International Congress of Geotourism – AROUCA, 2011. Arouca, 2011.

BARETTINO, D; WINBLEDON, W.A.P; GALLEGO, E. “Conclusions of the III International Symposium PROGEO on the Conservation of the Geological Heritage”. In: BARETTINO, D; WINBLEDON, W.A.P; GALLEGO, E. Geological Heritage: its conservation and management. Madrid, 2000, p.203-207.

BRILHA, J. “Património geológico e geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica”. Viseu: Palimage

Editores, 2005, 190 p.

BUCKLEY, R. Geotourism. Annals of Tourism Research, Vol. 33, No. 2, 2006, (583-585).

CALONGE, A., LÓPEZ CARRILLO, Mª D., MELÉNDEZ, G. “The palaeontological heritage in the educational texts from the last grade of the obligatory Secondary Teaching (ESO) in Spain”. GeoHeritage, 1 (in press.) 20 p. Proc. Int. Symposium ProGeo, Geol. Heritage, Braga, 2005.

CARCAVILLA, L; BELMONTE, A; DURÁN, J.J; HILARIO, A. “Geoturismo: concepto y perspectivas em España”. Ensenanza de lãs Ciencias de La Tierra, 19-1, 2011, (79-92).

DRANDAKI, T. “No conservation without education”. In: BARETTINO, D.; WINBLEDON, W.P; GALLEGO, E. Geological Heritage: its conservation and management. Madrid: 2000, p. 111-125.

GOBIERNO DE ARAGON. “Viajando por Aragón”. Dpto. Industria, Comercio y Turismo, DGA, Asociación de Agencias de Viajes de Aragón; Turismo de Aragón. Viajes Godó. 2008, 36 p.

GUIMARÃES, G. B; MELO, M.S; MOREIRA, J. C; PIEKARZ, G. F; FERNANDES, L. A; LICCARDO, A; Campos Gerais Geopark, Paraná State, Southern Brazil: an aspiring member of the Geopark community. In: INTERNATIONAL UNESCO CONFERENCE ON GEOPARKS, 3., Proceedings… Osnabruck: UNESCO, 2008, p. 47-48.

GUIMARÃES, G. B; MELO, M. S; MOCHIUTTI, F. Desafios da Geoconservação nos Campos Gerais do Paraná Revista do Instituto de Geociências – USP - 47 - Geol. USP, Publ. espec., São Paulo, v. 5, 2009, p. 47-61.

GUIMARÃES, G. B; MELO, M. S; PIEZARZ, G. F; MOREIRA, J. C; LICCARDO, A. MOCHIUTTI, F. “Projeto Geoparque dos Campos Gerais”. Brasília: CPRM (Prelo). 2011, 35 p.

HOSE, T. A. “Geoturismo europeo. Interpretación geológica y promoción de la conservación geológica para turistas”. In: D. BARETTINO, W.A.P. WIMBLEDON Y E. GALLEGO Patrimonio Geológico: conservación y gestión: (Eds.), 2000, p.137-159.

HOSE, T. A. “Selling the Story of Britain's Stone”. Environmental Interpretation,10, 2, 1995, (16-17).

LICCARDO, A; PIEKARZ, G; SALAMUNI, E. Geoturismo em Curitiba. Curitiba: MINEROPAR, 2008, 122 p.

LICCARDO, A.; HORNES,K.L.; GUIMARÃES,G.B.; PIEKARZ,G.F. “Mapa Geoturístico de Tibagi”. Tibagi: UEPGMINEROPAR-Prefeitura de Tibagi, 2010.

MANSUR, K. NASCIMENTO, V. “Disseminação do conhecimento geológico: metodologia aplicada ao projeto Caminhos Geológicos”. In: I Simpósio de Pesquisa e ensino e historia de ciência da Terra. / III Simpósio Nacional sobre ensino de geologia no Brasil. Campinas: Unicamp. 2007.

MELENDEZ, G; FERMELI, G; ESCORIHUELA, J; BASSO, A; MOREIRA, J.C. “What do we mean when we say Geotourism”. In:

ROCHA, D. & SÁ, A. Proceedings of the International Congress of Geotourism – AROUCA, 2011. Arouca, 2011, p. 97-100.

MELÉNDEZ, G.; RODRIGUES, J. “Los Museos paleontológicos como componente básico del Geoturismo y herramienta Geodidáctica: Ejemplos en Aragón (España) y en Penha Garcia (Portugal)”. In: VII Congreso Geológico de España. Geotemas, 8, 2008, 4 p.

MELÉNDEZ, G., MOREIRA, J. C; SORIA, M. “El Geoturismo como vía de difusión del Patrimonio Geológico y paleontológico: Visión comparativa de los programas de Geoturismo en Brasil (Estado de Paraná) y España (Comunidad Autónoma de Aragón)”. XXIII Jornadas de la Sociedad Española de Paleontología. Libro de Resúmenes, 2007, 137-138.

MELO, M.S.; BOSETTI,E.P.; GODOY,L.C.; PILATTI,F. “Vila Velha, PR – impressionante relevo ruiniforme”. In: SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS,D.A.; QUEIROZ,E.T.; WINGE,M.; BERBERT-BORN,M.L.C. Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. Brasília, DNPM, vol. 1, 2002, p. 269-277.

MINEROPAR. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Paraná. Disponível em:<http://www.mineropar.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=10>. Acesso em 12 dez. 2011.

MOREIRA, J. C. Geoturismo e Interpretação Ambiental. Ponta Grossa: Editora da UEPG, 2011, 157 p.

MOREIRA, J. C.; BIGARELLA, J. J. (A). “Interpretacao Ambiental e Geoturismo em Fernando de Noronha – PE”. In: CASTILHO, C. J. M. de Castilho & VIEGAS, J. Turismo e Práticas Socioespaciais: Múltiplas abordagens e Interdisciplinaridades. 1 ed. Recife - PE: Editora da UFPE, 2008, v. 1, p. 171-192.

MOREIRA, J. C. (B) “The Geotourism Guide Training at the Fernando de Noronha Archipelago – Brazil”. In: DOWLING, R; NEWSOME, D. INAUGURAL GLOBAL GEOTOURISM CONFERENCE, 1, Conference Proceedings. P. 457. Fremantle - Austrália. 2008.

MOREIRA, J. C. “Parque Nacional do Iguaçu e atividades ligadas ao Geoturismo - Em busca de uma maior valorização do Patrimônio Geológico”. In: VI Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, 2009, Curitiba - PR. Anais do VI CBUC. Curitiba - PR: , 2009.

MOREIRA, J. C; JORGE, M. A; DROPA, M. M; HORODISKY, G; SOUZA, L. F; MONGRUEL, L; GUIMARAES, C. J; MAIO, C A; STACHOWIAK, P. R. The realization of the “Tourism Studies Week - SESTUR” as a mean of disseminating Geotourism in

Paraná – Brazil. In: DOWLING, R; NEWSOME, D. (Eds). GLOBAL GEOTOURISM CONFERENCE, 2, Conference Proceedings. Mulu, Malásia, 2010.

MOREIRA, J. C.; ROCHA, C. H. “Unidades de Conservação dos Campos Gerais”. In: MELO, M. S; MORO, R. S; GUIMARÃES, G. B.;. Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná. 01 ed. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2007, v. 01, p. 201-212.

NEWSOME, D; DOWLING, R. “The scope and nature of geotourism”. In: DOWLING, R e NEWSOME, D. Geotourism. Oxford: Elsevier Butterworth Heinemann, 2006, p.3-25.

NEWSOME, D; DOWLING, R. “Geotourism: the tourism of geology and landscape”. Goodfellow Publishers, Oxford. 2010.

PIEKARK, G. LICCARDO, A. “Turismo Geológico na Rota dos Tropeiros – Paraná”. Revista Global Tourism. Vol. 03, Nº 02, 2007.

p.

PIEKARZ, G. “ Geoturismo no Karst”. Curitiba: Mineropar, 2011, 121p.

ROTA TRANSPIRENAICA. Disponível em: <http://www.routetranspyreneenne.com/home.php> Acesso em 18 de dez. 2011.

RUCHKYS, U. A. “Patrimônio Geológico e Geoconservação no Quadrilátero Ferrífero – Minas Gerais: potencial para a criação de um Geopark da UNESCO”. Instituto de Geociências, Universidade Federal de minas Gerais, Belo Horizonte. Tese de Doutorado, 2007, 221p.

SCORTEGAGNA, A.; NEGRAO, O.B.M. Trabalhos de campo na disciplina de Geologia introdutória: a saída autônoma e seu papel didático. Terrae Didactica. Disponível em: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/. 2005, 1(1): 36-43.

SILVA, S.M.P. “Turismo geológico: uma modalidade de turismo com significativo potencial contributivo na implementação do turismo sertanejo nordestino”. Anais. I Simpósio de Turismo Sertanejo. Disponível em < www.turismosertanejo.com.br>.

Acesso em 15 de setembro de 2004.

STUEVE, A.M.; COOKS, S. D; DREW, D. “ The Geotourism Study: Phase I – Executive Summary”. Washington: Travel Industry Association of America, 2002, 22 p.

UNESCO.”Guidelines and Criteria for National Geoparks seeking UNESCO's assistance to join the Global Geoparks Network”. UNESCO, 2007, 10p.

ZOUROS, N.; McKEEVER, P. European Geoparks Network and Geotourism. In: NETO DE CARVALHO, C.; RODRIGUES, J. (EDS).

New Challenges with Geotourism. Proceedings of the VIII European Geoparks Conference. Idanha-a-Nova, 2009, p 19-23.

Downloads

Publicado

2012-12-30

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

MOREIRA, Jasmine Cardozo; MELÉNDEZ-HEVIA, Guillermo. USANDO O PATRIMONIO GEOLÓGICO PARA ATRAIR TURISTAS: O GEOTURISMO NO BRASIL (PARANÁ) E ESPANHA (ARAGÓN). GEOUSP Espaço e Tempo (Online), São Paulo, Brasil, v. 16, n. 3, p. 124–139, 2012. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2012.74286. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74286.. Acesso em: 24 jun. 2024.