Motivações para a formação de redes de colaboração em bancas examinadoras de defesas de mestrado e doutorado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v12i2p173-193

Palavras-chave:

Cientometria, Examinadores, Programa de Pós-Graduação, Dissertações e teses, Redes de colaboração

Resumo

A formação de bancas examinadoras para avaliar dissertações e teses é um requisito do processo de titulação de mestres e doutores no Brasil. A definição da composição requer tempo e dedicação de orientandos, orientadores e membros dessas comissões avaliativas, havendo motivações objetivas e subjetivas. O objetivo desta pesquisa foi investigar fatores influenciadores dos processos de escolha desses componentes motivacionais. Para isso, estudaram-se as dinâmicas de colaboração e organização de redes dos membros dessas comissões em trabalhos submetidos ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (PPGeo/UFU), entre 2000 a 2018. Assim, a coleta dos documentos ocorreu via página eletrônica do Repositório Institucional (RI/UFU) e por meio de dados acadêmicos de docentes registrados na Plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A partir desses levantamentos, foram produzidos quadros, tabelas, gráficos e grafos que subsidiaram as análises. Constatou-se que a rede de colaboração em questão é baseada em vínculos originados na área da Geografia e composta por docentes e/ou pesquisadores de universidades localizadas no estado de Minas Gerais. Observou-se, por fim, não haver influência de relações, entre orientadores e examinadores, estabelecidas durante sua formação acadêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelma Patrícia de Souza, Universidade Federal de Uberlândia

Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia, Brasil.

Bibliotecária no Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Uberlândia, Brasil.

João de Melo Maricato, Universidade de Brasília

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo.

Professor do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília (PPGCINF/UnB).

Referências

BALANCIERI, R. Análise de redes de pesquisa em uma plataforma de gestão em ciência e tecnologia: uma aplicação à Plataforma Lattes. 2004. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/87468/224645.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 5 jun. 2020.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento de área: área 36: geografia. Brasília, DF: CAPES, 2016. Disponível em: https://capes.gov.br/images/documentos/Documentos_de_area_2017/36_geog_docarea_2016.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 7, de 11 de dezembro de 2017. Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pós-graduação stricto sensu. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2017-pdf/78281-rces007-17-pdf/file. Acesso em: 27 maio 2020.

COSTA, L. et al. (coord.). Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. Brasília, DF: WWF Brasil, 2003. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/et000023.pdf. Acesso em: 30 maio 2020.

DANUELLO; J. C; OLIVERIA, E. F. T. Em Questão, Porto Alegre, v. 18, p. 65-79, dez. 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/33178. Acesso em: 2 out. 2020.

DIAS, L. C. Redes: emergência e organização. In: CASTRO. E. I.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. (org.). Geografia: conceitos e temas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000. p. 141-162.

KILEY, M. ‘You don’t want a smart Alec’: selecting examiners to assess doctoral dissertations. Studies in Higher Education, [s. l.], v. 34, n. 8, p. 889-903, Dec. 2009. DOI: https://doi.org/10.1080/03075070802713112. Disponível em: https://srhe.tandfonline.com/doi/full/10.1080/03075070802713112?casa_token=wskvS44U-aQAAAAA%3AYfhIMM6Y4w7KuOEcIKd3UjbQj4DwuNktaZD22orzWrP955sPKaa1H756SWbUt9sry3iUqPwsBvQ#.Xr2vK2hKg2w. Acesso em: 27 maio 2020.

MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 27, n. 2, p. 134-140, maio/ago. 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-19651998000200005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20 abr. 2020.

OLIVEIRA, E. F. T. Estudos métricos da informação no Brasil: indicadores de produção, colaboração, impacto e visibilidade. Marília: Oficina Universitária, 2018. Disponível em: https://www.marilia.Unesp.br/Home/Publicacoes/estudos-metricos-da-informacao-no-brasil---e-book.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

PEZZI, S.; STEIL, A. V. Análise do processo de exame de grau na pós-graduação stricto sensu. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 33-50, jan./abr. 2009. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/ep/v35n1/a03v35n1.pdf. Acesso em: 11 abr. 2020.

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. 13. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

TELMO, F. A. Análise de redes sociais de colaboração em bancas de defesa de doutorado na Pós-Graduação em Ciência da Informação. 2019. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/17150/1/Arquivototal.pdf. Acesso em: 6 jun. 2020.

TINKLER, P.; JACKSON, C. The doctoral examination: a handbook for students,examiners and supervisors. Bershire: McGraw-Hill Education, 2004. Disponível em: https://epdf.pub/the-doctoral-examination-process.html. Acesso em: 30 maio 2020.

TINKLER, P.; JACKSON, C. Examining the doctorate: institutional policy and the PhD examination process in Britain. Studies in Higher Education, [s. l.], v. 25, n. 2, 2000. Disponível em: http://web-a-ebscohost.ez34.periodicos.capes.gov.br/plink?key=10.83.10.81_8000_1115584035&site=ehost&scope=site&db=aph&AN=3324413&msid=603980735. Acesso em: 30 maio 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Instrução Normativa – PPGEO N⁰ 01/2016. Estabelece critérios e procedimentos para composição de bancas examinadoras para Dissertações de Mestrado e Teses de Doutorado no Programa de Pós-Graduação em GeografiaPPGEO-UFU. Uberlândia, 2016. Disponível em: http://www.ppgeo.ig.ufu.br/sites/ppgeo.ig.ufu.br/files/Anexos/Bookpage/IntrucaoNormativaPPGEO_Bancas-Dissert-Teses-2016.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

SOUZA, K. P. de; MARICATO, J. de M. Motivações para a formação de redes de colaboração em bancas examinadoras de defesas de mestrado e doutorado. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 173-193, 2021. DOI: 10.11606/issn.2178-2075.v12i2p173-193. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/incid/article/view/181945. Acesso em: 2 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos