A função antidialógica. Condições de incongruência nos diálogos da poesia italiana do século XX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i48p176-193

Palavras-chave:

Poesia italiana contemporânea, Diálogo, Atos de fala , Análise da Conversação, Análise do discurso

Resumo

A análise das trocas presentes nos livros de poesia italiana do século XX mostrou um recurso horizontal ao expediente do dialogismo em chave disfuncional e pragmaticamente patológica, entre comunicações gagas, interrompidas, conflitantes ou sem sentido; o diálogo, em outras palavras, não se manifesta como uma adesão íntima a uma comunicação consonantal e recíproca, mas se refere ao mau funcionamento da própria comunicação. Do Canti di Castelvecchio  (1903) de Giovanni Pascoli à Composita solvantur  (1994) de Franco Fortini, os episódios líricos que contêm interações verbais parecem originar-se e remeter a uma 'função antidialógica': proliferam as conversas patológicas, as falhas posicionais, as interações conflituosas, as falhas pragmáticas; os falantes tendem a interagir de forma disfuncional e deslógica, abundam mal-entendidos, silêncios e reticências, falta cooperação, como se os atores fossem construídos para não se comunicar. A presente contribuição visa, assim, a enquadrar a função antidialógica que acabamos de esboçar através da comparação entre algumas amostras textuais e os principais módulos de incongruência pragmática, introduzidos primeiro a partir de uma classificação dos atos de fala, depois através do aprofundamento de um poema paradigmático.

Biografia do Autor

  • Giulia Martini, Università degli Studi di Siena

    Giulia Martini se formou em Literatura Italiana Contemporânea com uma tese sobre Pigre divinità e pigra sorte por Patrizia Cavalli. Atualmente é doutoranda em Filologia e Crítica na Universidade de Siena, em co-tutoria com a Université de Fribourg (Suíça), com um projeto dedicado às formas e funções de diálogo na poesia italiana do século XX. Seus interesses incluem a poesia italiana contemporânea, o gênero de antologias de poesia, a teoria do diálogo e a Commedia de Dante. Em 2018 publicou a coleção Coppie minime (Interno Poesia).  Também para Interno Poesia, é curadora da antologia Poeti Italiani Nati negli anni '80 e '90 (I vol. 2019, II vol. 2020; III vol. 2022).

Referências

AUSTIN, J. L. How to do things with words. Oxford: Oxford University Press, 1962.

BARTHES, R. Frammenti di un discorso amoroso. Torino: Einaudi, 2014.

BAZZANELLA, C. Linguistica e pragmatica del linguaggio. Un’introduzione. Roma-Bari: Laterza, 2005.

BLANCHOT, M. La conversazione infinita. Scritti sull’«insensato gioco di scrivere». Torino: Einaudi, 2015.

BONGELLI, R. Sovrapposizioni e interruzioni dialogiche. Fano: Aras, 2015.

BORDINI, C. I costruttori di vulcani. Tutte le poesie 1975-2010. Bologna: luca sossella, 2010.

DE ANGELIS, M. Tutte le poesie 1969-2015. Milano: Mondadori, 2017.

DURANTI, A. Etnopragmatica. La forza nel parlare. Roma: Carocci, 2007.

FORTINI, F. Tutte le poesie. Milano: Mondadori, 2014.

GOFFMAN, E. L’interazione strategica. Bologna: il Mulino, 1971.

GOZZANO, G. Tutte le poesie. Milano: Mondadori, 1980.

GRICE, P. Logica e conversazione. In: SBISÀ, M (a cura di). Gli atti linguistici. Aspetti e problemi di filosofia del linguaggio. Milano: Feltrinelli, 1978, pp. 199-219.

HERMANS, H.; HERMANS-KONOPKA, A. Dialogical Self Theory. Positioning and Counter-Positioning in a Globalizing Society. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

LAING, R. L’io e gli altri. Psicopatologia dei processi interattivi. Trad. it. R. Tettucci. Firenze: Sansoni, 1977.

LEVINSON, S. La pragmatica. Trad. it. M. Bertuccelli Papi. Bologna: il Mulino, 1985.

LUZI, M. L’opera poetica. Milano: Mondadori, 1998.

MAZZONI G. Forma e solitudine. Un’idea della poesia contemporanea. Milano: Marcos y Marcos, 2002.

MAZZONI, G. Sulla poesia moderna. Bologna: il Mulino, 2005.

NERI, G. Poesie. 1960-2005. Milano: Mondadori, 2007.

ORELLI, G. Tutte le poesie. Milano: Mondadori, 2015.

PAINO, M. Signore e signorine di Guido Gozzano. Pisa: Edizioni ETS, 2012.

PASCOLI, G. Canti di Castelvecchio. Ed. critica a cura di N. Ebani. Bologna: La Nuova Italia, 2001.

PASCOLI, G. Myricae. Ed. critica a cura di G. Nava. Bologna: Pàtron, 2016.

ROSSI, T. Tutte le poesie (1963-2000). Milano: Garzanti, 2003.

SABA, U. Tutte le poesie. Milano: Mondadori, 1988.

SACKS, H.; SCHEGLOFF, A.; JEFFERSON, G. A simplest systematics for the organization of turn-taking for conversation. Language, n. 50/4, 1974, pp. 696-735.

SACKS, H. Fare sociologia. Trad. it. E. Caniglia. Pavia: Altravista, 2017.

SANGUINETI, E. Mikrokosmos. Poesie 1951-2004. Milano: Feltrinelli, 2004.

SBISÀ, M. Affetto e diritto come dimensioni dell’interazione verbale. In: GALIMBERTI, C. (a cura di). La conversazione. Prospettive sull’interazione psicosociale. Milano: Angelo Guerini e Associati, 1992, pp. 185-203.

SERENI, V. Poesie. Ed. critica a cura di D. Isella. Milano: Mondadori, 1995.

SPITZER, L. Lingua italiana del dialogo Trad. it. L. Tonelli. Milano: il Saggiatore, 2007.

STATI, S. Il dialogo. Considerazioni di linguistica pragmatica. Napoli: Liguori, 1982.

VAN DIJK, T. A. Testo e contesto. Studi di semantica e pragmatica del discorso. Trad. it. G. Collura. Bologna: il Mulino, 1980. VIVIANI, C. Poesie 1967-2002. Milano: Mondadori, 2003.

ZANZOTTO, A. Tutte le poesie. Milano: Mondadori, 2011.

Publicado

2023-12-22

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

Martini, G. (2023). A função antidialógica. Condições de incongruência nos diálogos da poesia italiana do século XX. Revista De Italianística, 48, 176-193. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i48p176-193