O JB é que era jornal de verdade

jornalismo, memórias e nostalgia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i3p257-276

Palavras-chave:

Jornalismo, Memória, Nostalgia, Identidade Profissional, Jornal do Brasil

Resumo

O artigo analisa depoimentos sobre o Jornal do Brasil e seu suplemento cultural, o “Caderno B”, produzidos e reproduzidos em diferentes circunstâncias ao longo de décadas. Para isso, mobilizamos o conceito de nostalgia. Trata-se de um tipo específico de memória, caracterizado por certa maneira de apropriação do passado. Esta memória nostálgica dos profissionais de imprensa que lembram nos diz do presente, do contexto atual da lembrança, do momento que vive o jornalismo brasileiro. E nos diz também do lugar ocupado pelo JB como instituição na história da imprensa, como movimento de valorização e idealização do passado, que sustenta a áurea mítica e a importância do diário para muitos profissionais que nele trabalharam. A análise aponta que o que se valoriza no passado é um modo de fazer jornalismo, ancorado numa série de preceitos e valores hoje postos em xeque.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Goulart Ribeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola de Comunicação

Mestra (1995) e doutora (2000) em Comunicação e Cultura na Universidade Federal do Rio de Janeiro, é professora da Escola de Comunicação da UFRJ, onde coordenou o curso de jornalismo (2004-2007) e o Programa de Pós-Graduação (2013-2014). É autora do livro "Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 50". Organizou diversas coletâneas, como "Mídia e Memória" (com Lúcia Ferreira), "Comunicação e História" (com Micael Herschmann), "Mikhail Bakhtin: linguagem, cultura e mídia" (com Igor Sacramento) e "História da Televisão no Brasil" (com Igor Sacramento e Marco Roxo). Coordena o projeto Memória do Jornalismo Brasileiro e desenvolve as pesquisas "História da mídia e itinerância das imagens" (Capes) e "Mídia, Memória e Amnésia: o jornalismo e a cultura da nostalgia no mundo contemporâneo" (CNPq).

O ‘JB’ é que era jornal de verdade: jornalismo, memórias e nostalgia

Itala Maduell Vieira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professora de Jornalismo no Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio; mestra em Comunicação e Cultura pela UFRJ, com dissertação defendida em 2016 (bolsa CNPq); e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio. Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Projetos em Comunicação (Nepcom) da UFRJ, atuando no projeto Memória do Jornalismo Brasileiro, e do grupo Imprensa e Circulação de Ideias: o papel dos periódicos nos séculos XIX e XX, da Fundação Casa de Rui Barbosa.

Referências

BEAIL, L.; GOREN, L. J. (Eds.). Mad men and politics: nostalgia and the rema¬king of modern America. New York: Bloomsbury, 2015.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, M.; AMADO, J. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996. p. 183-191.

COLASANTI, M. Como quem volta à casa antiga. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p. 3, 1º maio 2005.

CROSS, G. Consumed nostalgia: memory in the age of fast capitalism. New York: Columbia University Press, 2015.

DAPIEVE, A. Jornalismo cultural. In: CALDAS, Álvaro (Org.). Deu no jornal: o jor-nalismo impresso na era da internet. São Paulo: Loyola; Editora PUC-Rio, 2002.

DAVIS, F. Yearning for yesterday: a sociology of nostalgia. New York: Free Press, 1979.

FREUD, S. Sobre a transitoriedade. In: FREUD, S. 1914-1916, Rio de Janeiro: Imago. (Coleção Obras Completas, 12). Disponível em: <https://bit.ly/2D3Iy93>. Acesso em: 2 jan. 2018.

GULLAR, F. Entrevista a Bárbara Carvalho, Monique Bittencourt, Roberta Pantoja e Talita Duvanel em jun. 2007. Memória do Jornalismo Brasileiro. Disponível em <http://bit.ly/2R6lGdj>. Acesso em: 27 dez. 2016.

GULLAR, F. Entrevista a Carla Siqueira e Caio Barretto Briso em 14 jan. 2009. Centro de Cultura e Memória do Jornalismo. Disponível em: <http://bit.ly/2r14NoL>. Acesso em: 22 nov. 2018.

HELLER, A. Uma teoria da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993.

HERKENHOFF, A. Jornal do Brasil: memórias de um secretário – pautas e fontes. Rio de Janeiro: Edição do autor, 2010.

JB 113 anos. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 12, 6 abr. 2004.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos histó¬ricos. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2006.

LE GOFF, J. Documento-monumento. In: LE GOFF, J. História e memória. Trad. Bernardo Leitão; et al. Campinas: Editora da Unicamp, 1990. (Coleção Repertórios)

LEITÃO, M. Memória Globo. Jul. 20, 2017. Disponível em: <https://glo.bo/2J¬M8JlZ>. Acesso em: Nov. 7, 2018.

LOPES, F. L. Ser jornalista no Brasil: identidade profissional e formação acadê¬mica. São Paulo: Paulus, 2013.

MEDEIROS, L. Final do terceiro dia: perguntas e debate. Jornalismo Cultural em Passo Fundo, 28 ago. 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2JIXSco>. Acesso em: 7 fev. 2016.

NAMER, G. Mémoire et societé. Paris: Meridiens Klincksieck, 1987.

NATALI, M. P. A política da nostalgia: um estudo das formas do passado. São Paulo, Nankin, 2006.

NIEMEYER, K. Media and nostalgia: yearning for the past, present and future. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2014.

PINTO, Z. A. B. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p. 1, 1º maio 2005.

POLLAK, M. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992. Disponível em: < http://bit.ly/2R6PAhg>. Acesso em: 22 nov. 2018.

RIBEIRO, A. P. G. Imprensa e história do Rio de Janeiro dos anos 50. Rio de Janeiro: E-Papers, 2007.

RIBEIRO, A. P. G. Memória de jornalista: um estudo sobre o conceito de obje¬tividade nos relatos dos homens de imprensa dos anos 50. ENCONTRO COMPÓS, 11., Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: UFRJ, 2002.

RIBEIRO, B. Jornal do Brasil, história e memória: os bastidores das edições mais marcantes de um veículo inesquecível. Rio de Janeiro: Record: 2015.

RITO, L. Enfim, um caderno balzaquiano. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p. 8, 15 set. 1990.

SALLES, C.; et al. Um jornal que nunca mais será escrito. Tributo ao JB, 1 dez. 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2F3tbQo>. Acesso em: 27 dez. 2016.

SANDRA Moreyra. Memória Globo. 19 set. 2014. Disponível em: <https://glo.bo/2queQ5o>. Acesso em: 6 nov. 2018.

SANTOS, J. F. 25 anos de B. Jornal do Brasil, Caderno B, p. 4, 22 set. 1985.

SANTOS, J. F. Entrevista ao Projeto Memória do Jornalismo Brasileiro. Rio de Janeiro, s./d. Disponível em: <http://bit.ly/2Af7c3p>. Acesso em: 27 dez. 2016.

TANURE, N. S. O conceito de um ícone carioca. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p. 5, 1 maio 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2SPHScP>. Acesso em: 24 jul. 2015.

TRADIÇÃO de pioneirismo: JB inaugura nas suas páginas impressão offset, fruto de parceria com O Dia, e reencontra sua origem inovadora. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 12 dez. 1999.

VIEIRA, I. M. O Caderno B do JB como modelo e mito no jornalismo cultural bra¬sileiro. 2016. 205 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Ribeiro, A. P. G., & Vieira, I. M. (2018). O JB é que era jornal de verdade: jornalismo, memórias e nostalgia. MATRIZes, 12(3), 257-276. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i3p257-276

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda