Violência, crueldade e desigualdade social na literatura brasileira contemporânea: De gados e homens, de Ana Paula Maia, e O matador, de Patrícia Melo

  • Jéssica Casarin Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI
Palavras-chave: Literatura brasileira, Violência, Ana Paula Maia, Patrícia Melo

Resumo

Desde o período colonial, a violência é constitutiva da cultura brasileira, sendo atrelada à sociedade sob diferentes formas. Diante disso, entende-se que a literatura pode ser uma ferramenta importante para a reflexão acerca dessa realidade, na medida em que reflete contextos de sofrimento e pode problematizá-los. Este artigo objetiva analisar os romances contemporâneos O matador, de Patrícia Melo (1995), e De gados e homens, de Ana Paula Maia (2013), buscando compreender como a crueldade e a desigualdade social são abordadas na constituição das narrativas, bem como a ocorrência de uma construção formal articulada ao conteúdo social representado. Para este fim, os trabalhos teórico-críticos de autores como Calegari, Ginzburg, Adorno e Arendt foram importantes para abordar a literatura contemporânea, a violência e sua relação. Com base na análise, verifica-se que as obras são relevantes para problematizar situações reais de violência, revelando uma face cruel, desigual e egoísta dos sujeitos, relacionados não só à figura do assassino, mas também a toda sociedade responsável pela formação da conduta humana. Isso se reflete também na linguagem, em que se revela uma escrita ora fragmentada entre fala de personagem e pensamentos, como no primeiro texto, ora rápida e relacionada com narrativas cinematográficas, como no segundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéssica Casarin, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI

Mestranda em Letras - Literatura Comparada na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI - Campus de Frederico Westphalen. Participou, como bolsista de iniciação científica, do Projeto de Pesquisa “Narrativas da violência na cultura brasileira contemporânea: literatura, cinema e televisão’, fomentado pela FAPERGS e orientado pela Profª. Drª. Luana Teixeira Porto. Atualmente desenvolve pesquisas sobre Literatura contemporânea e violência.

Referências

ADORNO, Theodor W. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: BENJMAMIN, Walter; HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor W.; HABERMAS, Jürgen. Textos escolhidos. Traduções de José Lino Grünnewald... [et al.]. 2. ed São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 269-273.

BARTHES, Roland. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: BARTHES, Roland... [et al]. Análise estrutural da narrativa. Tradução de Maria Zélia Barbosa. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p. 19-62

______. O rumor da língua. Tradução de Mario Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense,1994. p. 197-221.

CALEGARI, Lizandro Carlos. Uma estética fragmentária: a perspectiva crítica em "Zero" e a organização da linguagem literária. Interdisciplinar: Revista de Estudos em Língua e Literatura , v. 13, p. 165-175, 2011.

______ . A história como trauma: representação de guerra em "A rosa do povo", de Carlos Drummond de Andrade. In: IV Seminário Roa Bastos de Literatura, 2009, Florianópolis. IV Seminário Roa Bastos de Literatura. UFSC: UFSC, 2009.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 8. ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000.

CHAUÍ, Marilena. Ética e violência. Teoria e Debate, 39 ed., 1998. Disponível em: <http://www.teoriaedebate.org.br/index.php?q=materias/sociedade/etica-e-violencia&page=0,0>. Acesso em: 29 jul. 2017

FARACO, Carlos Alberto. O matador de Patrícia Melo: uma abordagem bakhtiniana. Itinerários, Araraquara, n. 12, p. 21-31, 1998.

GARBERO, Maria Fernanda. A brutalidade como lugar: os bastardos de Ana Paula Maia. LL Journal, Nova Iorque, n. 10, v. 2, 2015.

GINZBURG, Jaime. A violência constitutiva: notas sobre autoritarismo e literatura no Brasil. Letras, Santa Maria, n. 18/19, p. 121-144, jan./dez., 1999.

______. O narrador na literatura brasileira contemporânea. Tintas: Quaderni di letterature iberiche e iberoamericane, Milão, n. 2, p. 199-221, 2012.

MAIA, Ana Paula. De gados e homens. Rio de Janeiro: Record, 2013.

MELO, Cimara Valim de. O lugar do romance na literatura contemporânea. 2010. 278 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2010.

MELO, Patrícia. O Matador. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

PELLEGRINI, Tânia. No fio da navalha: literatura e violência no Brasil de hoje. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 24, p. 15-34, julho/dez., 2004.

PEREIRA, Olga Arantes. Cinema e Literatura: dois sistemas semióticos distintos. Kalíope, São Paulo, ano 5, n. 10, p. 42-69, ago./dez., 2009.

SCHOLLHAMMER, Karl. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

Publicado
2017-12-29
Como Citar
Casarin, J. (2017). Violência, crueldade e desigualdade social na literatura brasileira contemporânea: De gados e homens, de Ana Paula Maia, e O matador, de Patrícia Melo. Opiniães, (11), 78-90. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2017.137787