O conceito de Bildung na Formação da literatura brasileira de Antonio Candido: intersecções

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.165665

Palavras-chave:

Bildung, Antonio Candido, Formação da literatura brasileira, Romantismo

Resumo

Pretende-se refletir sobre o conceito de Bildung, não do ponto de vista de uma determinada personagem romanesca, mas como projeto coletivo de construção de uma personalidade literária autêntica e autônoma e como Leitmotiv da história do Romantismo brasileiro escrita por Antonio Candido na Formação da literatura brasileira. Esquematicamente, nossa análise da Bildung concentra-se em: 1) formação do caráter nacional representada na literatura romântica brasileira; 2) historiografia crítica do período romântico brasileiro norteada pelo objetivo de esclarecimento dos elementos formativos; 3) impulso de formação de uma crítica literária moderna no Brasil.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elvis Paulo Couto, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP. Doutorando em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP/Araraquara.

Referências

BAPTISTA, Abel Barros. O livro agreste: ensaios de curso de literatura brasileira. Campinas: Ed. UNICAMP, 2005.

BENJAMIN, Walter. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. Trad. Márcio Seligmann-Silva. 3. ed. São Paulo: Iluminuras, 2002.

BRUFORD, Walter Horace. The German tradition of self-cultivation: Bildung from Humboldt to Thomas Mann. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.

CANDIDO, Antonio. Crítica e sociologia: tentativa de esclarecimento. In: CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. 4. ed. São Paulo: Nacional, 1975. p. 3-15.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos, 1750-1880. 11. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.

CANDIDO, Antonio. O método crítico de Sílvio Romero. 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CAMPOS, Haroldo de. O sequestro do barroco na formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Matos. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 1989.

COUTINHO, Afrânio. Conceito de literatura brasileira. Petrópolis: Vozes, 1981.

CARPEAUX, Otto Maria. História da literatura ocidental. 3. ed. Brasília: Senado Federal, 2008.

DEFOE, Daniel. Robinson Crusoé. Trad. Sergio Flaksman. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2011.

DIAS, Gonçalves. Poesias. 5. ed. Rio de Janeiro; Paris: Garnier; E. Belhatte, 1870a. (Tomo primeiro).

DIAS, Gonçalves. Poesias. 5. ed. Rio de Janeiro; Paris: Garnier; E. Belhatte, 1870b. (Tomo segundo).

FLAUBERT, Gustave. A educação sentimental: história de um moço. Trad. Adolfo Casais Monteiro. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1959.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. Trad. Nicolino Simone Neto. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 2009.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Originalidade literária. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. O espírito e a letra: estudos de crítica literária I, 1920-1947. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 35-41.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Trad. Paulo Quintela. Lisboa: Ed. 70, 2007.

KOSELLECK, Reinhart. Sobre la estructura antropológica y semántica de Bildung. In: KOSELLECK, Reinhart. Estudios sobre semántica y pragmática del lenguaje político y social. Trad. Luis Fernández Torres. Madrid: Trotta, 2012. p. 49-93.

LUKÁCS, György. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister como tentativa de uma síntese. In: LUKÁCS, György. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000. p. 138-150.

LUKÁCS, György. Posfácio. In: GOETHE, Johann Wolfgang von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. Trad. Nicolino Simone Neto. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 2009. p. 581-601.

MAAS, Wilma Patrícia Marzari Dinardo. O cânone mínimo: o Bildungsroman na história da literatura. São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

MERQUIOR, José Guilherme. O liberalismo: antigo e moderno. Trad. Henrique de Araújo Mesquita. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Garnier, 1903. (Tomo segundo).

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. Trad. Roberto Leal Ferreira. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

SCHLEGEL, August Wilhelm. Cours de littérature dramatique. Paris: J. J. Paschoud; A. Genève, 1814. (Tome premier).

STAËL, Madame de. De l’Allemagne. Paris: Firmin Didot Frères, Fils et Cie., 1864.

WELLEK, René. O conceito de romantismo em história literária. In: WELLEK, René. Conceitos de crítica. Trad. Oscar Mendes. São Paulo: Cultrix, [19--]. p. 118-176.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Couto, E. P. (2020). O conceito de Bildung na Formação da literatura brasileira de Antonio Candido: intersecções. Opiniães, (16), 189-208. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.165665