Um útero como máquina performática: uma leitura de Um útero é do tamanho de um punho no mundo

Autores

  • Juliana de Assis Beraldo Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.165812

Palavras-chave:

Angélica Freitas, Máquina performática, Literatura, Mundo, Mulher, Poesia contemporânea brasileira

Resumo

Um útero é do tamanho de um punho (2012), de Angélica Freitas, apresenta lugares comuns do discurso sobre mulheres usando diferentes procedimentos. O livro obteve uma recepção significativa e a partir dele se articularam leituras que focalizaram tanto aspectos poéticos como políticos. Este artigo possui como interesse central o mapeamento de alguns dos desdobramentos e modos de funcionamentos deste livro em diferentes esferas: desde o contexto de sua própria produção e inquietações primeiras, até a percepção de como estabelece relações com outras produções contemporâneas. A proposta é refletir sobre o livro como uma máquina performática, seguindo as discussões de Aguilar e Cámara (2017). Trata-se de uma abordagem que pretende analisar os mais diversos signos que compõem o campo dos poemas permitindo por em discussão noções de literário, estético e político. Assim, este trabalho deseja impulsionar estudos sobre as políticas da poesia e da crítica, entendendo a literatura como campo expandido (KRAUSS, 1979) e buscando possibilidades e experimentações no método de crítica por meio de uma experiência de desierarquização dos signos. Portanto, incentiva-se a refletir sobre a forma com que os poemas circulam e impactam a sociedade promovendo outras configurações políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana de Assis Beraldo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduada em Letras Português-Inglês pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura (UFRJ).

Referências

AGUILAR, Gonzalo; CÁMARA, Mario. A máquina performática: a literatura no campo experimental, Tradução: Gênese Andrade, Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

AUSTIN, John Langshaw. Quando Dizer é Fazer. Trad. Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Maria Ermantina Galvão; rev. trad. Marina Appenzeller. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BENJAMIN, Walter. “O autor como produtor”. In: Estética e sociologia da arte. Edição e tradução João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BRIN, Sergey; PAGE, Lawrence. “The anatomy of a large-scale hyper textual Web search engine”, In: Computer networks and ISDN systems, vol. 30, p. 107-117, published by Elsevier Science B. V., 1998.

BUTLER, Judith. Bodies that matter: on the discursive limits of “sex”. New York: Routledge, 1993.

CÁMARA, Mario; KLINGER, Diana; PEDROSA, Celia; WOLFF, Jorge (org.). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG, 2018.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. vol. 1. São Paulo: Editora34, 1996.

ESTRATÉGIAS NARRATIVAS. Angélica Freitas, suas publicações e o feminismo. 2017. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=DDgloKrGbrE>. Último acesso em 14/07/2018.

ESTRATÉGIAS NARRATIVAS. As influências e as alegrias da escrita. 2017. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=3V16R6wfxS4&t=88s>. Último acesso em 14/07/2018.

FREITAS, Angélica. Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

FREITAS, Angélica. “A mulher é: uma googlagem”. In: Elyra, Revista da Rede Internacional Lyracompoetics, vol. 7, 2016. Disponível em: <http://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/130>. Último acesso em 17 de jan. de 2020.

IVÁNOVA, Adelaide. "Como age, pensa e o que é uma mulher?”. In: Suplemento Pernambuco. Ed. 139. Setembro, 2017. Disponível em: <https://suplementopernambuco.com.br/edi%C3%A7%C3%B5es-anteriores/77-capa/1943-como-age,-pensa-e-o-que-%C3%A9-uma-mulher.html>. Último acesso em 17 de jan. de 2020.

KOSBY, Marília Floôr. Mugido ou diários de uma doula. 1ª edição. Rio de Janeiro: edições garupa, 2017.

KRAUSS, Rosalind. "A Escultura no Campo Ampliado". In: Gávea, nº1, Rio de Janeiro: PUC, 1984.

LIMA, Juliana Domingos de. "O livro que deputados querem tirar do vestibular da UFSC". In: Nexo. 23 de set de 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/09/23/O-livro-que-deputados-querem-tirar-do-vestibular-da-UFSC>. Último acesso em 17 de jan. de 2020.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: N1 edições, 2014.

ZUMTHOR, Paul. Performance, Recepção, Leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Ubu, 2018.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Beraldo, J. de A. (2020). Um útero como máquina performática: uma leitura de Um útero é do tamanho de um punho no mundo. Opiniães, (16), 89-105. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.165812

Edição

Seção

Performatividade e Campo expandido na Literatura brasileira