Para além da fronteira: uma leitura do romance Estive em Lisboa e lembrei de você, de Luiz Ruffato, sob a ótica pós-modernista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.166002

Palavras-chave:

Pós-modernidade, Romance pós-moderno, Luiz Ruffato

Resumo

Resumo: Na pós-modernidade, a literatura, numa esfera global, tem passado por mudanças substanciais. Conforme explica Jean-François Lyotard (2002), o pós-moderno configura-se como o estado em que a cultura se encontra após as transformações que modificaram as regras dos jogos circunscritos à ciência, à literatura e às artes, a contar do século XIX. Nesse sentido, a lógica pós-moderna se insere sob um sistema diverso, multifacetado, promovendo, assim, a desestabilização do que Zygmunt Bauman (1998) nomina de “tempo-espaço” firme, durável. Partindo dessa acepção, este trabalho propõe uma análise de Estive em Lisboa e Lembrei de Você (2009), do escritor contemporâneo Luiz Ruffato, à luz de uma perspectiva pós-modernista. A prosa referida é narrada por Sérgio de Sousa Sampaio. Este, a partir de um discurso trivial, mas frenético, que, além do falar mineiro, subjaz à própria velocidade comum ao lócus urbano, conta as suas aventuras “arrivistas” (BAUMAN, 1998) em espaços demasiado díspares, a saber: Cataguases, Minas Gerais, e Lisboa, Portugal. A fim de sustentar os aspectos percebidos e evidenciados ao longo do estudo, as teorizações formuladas por Jean-François Lyotard (2002); Fredric Jameson (1982; 1984); Zygmunt Bauman (1998; 2005; 2008); David Harvey (1996); Leyla Perrone-Moisés (2016); entre outros, servem como base de fundamentação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keiliane da Silva Araújo Carvalho, Universidade Estadual do Piauí

Mestranda em Literatura pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Graduada em Letras/Português pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

Referências

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Trad. Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Amor Líquido – Sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Trad.: José Gradel. Rio de janeiro, 2008.

DEBORD, G. A Sociedade do Espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, Gillis. & GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Vol. 5. São Paulo: Editora 34, 1997.

EAGLETON, T. As Ilusões do Pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. [tradução Salma Tannus Muchail]. São Paulo: n-1 Edições, 2013a.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 1992.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

JAMESSON, Fredric. Pós-Modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1984.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Tradução de Ricardo Corrêa Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas: escolha e valor na obra crítica de escritores modernos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

PINTO, Manuel da Costa. Literatura brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2004.

PRETI, Dino. A linguagem literária contemporânea no Brasil: a elaboração da oralidade. FronteiraZ – Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária, São Paulo, n. 2, p. 1-7, 2008. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/fronteiraz/article/view/12591>. Data de acesso: 23 jul. 2019.

RAMOS, Tânia Regina Oliveira; CADORE, Amanda. Desamores expressos – Estive em Lisboa e lembrei de você. Navegações, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 149-153, jul./dez. 2010. Disponível em: <https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/navegacoes/article/view/8434>. Data de acesso: 25 ago. 2019.

RUFFATO, Luiz. Eles eram muitos cavalos. São Paulo: Boitempo, 2001.

RUFFATO, Luiz. Estive em Lisboa e lembrei de você. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Carvalho, K. da S. A. (2020). Para além da fronteira: uma leitura do romance Estive em Lisboa e lembrei de você, de Luiz Ruffato, sob a ótica pós-modernista. Opiniães, (16), 302-320. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.166002