O discurso da interdição em Crônica da casa assassinada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.169443

Palavras-chave:

Crônica da casa assassinada, Discurso da interdição, Espacialização, Segregação

Resumo

Neste artigo, discute-se como se manifesta o discurso da interdição no romance Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso. A partir da oposição fundamental natureza vs. cultura, procura-se demonstrar que as relações não-prescritas são sancionadas pragmaticamente com a segregação dos atores a determinados espaços. Instauram-se, portanto, na narrativa duas ordens de espaço: o das relações prescritas e o das não-prescritas. No romance, as relações não-prescritas são as homossexuais e o incesto, sendo este considerado interdito. Os espaços de segregação, levando-se em conta a categoria verticalidade, correspondem ao baixo. Na articulação alto vs. baixo, o primeiro é o espaço da cultura, das coerções sociais, das relações prescritas; o segundo é o espaço da natureza, das pulsões individuais, das relações não-prescritas. A fundamentação teórica é a Semiótica de linha francesa e a metodologia consistiu num recorte do romance em que se selecionaram sujeitos que, em seus percursos narrativos, buscam entrar em conjunção com objetos-valor, considerados interditos pelo destinador social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ernani Terra, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Doutor em Língua Portuguesa e pesquisador pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de Antonio Pádua Danesi. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

BORBA, Francisco S. Dicionário de usos do português do Brasil. São Paulo: Ática, 2002.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2013.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Tradução de Rogério Fernandes. 3. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. 2. ed. São Paulo: Ática, 2001.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 34. ed. Petrópolis, RJ, 2007.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Tradução de Mariano Ferreira. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

SARAIVA, Francisco Rodrigues dos Santos. Novíssimo dicionário latino-português. 12. ed. Rio de Janeiro Garnier, 2006.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. Tradução de Haiganuch Sairan. São Paulo: Difusão Europeia do Livro; Editora da Universidade de São Paulo, 1973.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Terra, E. (2020). O discurso da interdição em Crônica da casa assassinada. Opiniães, (17), 365-385. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.169443