Da paixão à insolvência ou a arquitetônica de um romance: Crônica da casa assassinada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173737

Palavras-chave:

Literatura brasileira, Lúcio Cardoso, Crônica da casa assassinada, Romance, Páthos

Resumo

Crônica da casa assassinada, publicado em 1959, constitui um marco definitivo do romance brasileiro de cariz introspectivo das décadas de 1930-1940, e o corolário da obra de Lúcio Cardoso (1912-1968). A sondagem interior metaforizada em uma arquitetônica narrativa polifônica epistolar orquestra os matizes do páthos que marca o estilo de cada voz diegética. Este artigo aventa uma sondagem das modulações do páthos narrativo, a partir de expedientes estéticos, narratológicos e estilísticos, que, acredita-se, agenciam produções de sentido à obra, a partir de uma incursão pelos diários de Lúcio Cardoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Adriano da Silva, Universidade Estadual do Paraná - Unespar

Doutorando em Literatura (UFSC), na obra poética de Dora Ferreira da Silva. Professor do curso de Letras da Universidade Estadual do Paraná (Unespar).

Referências

AGAMBEN. Giorgio. O autor como gesto. In: Profanações. Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007, p. 55-64.

ALBERGARIA, Consuelo. Espaço e transgressão. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 681-688.

ALMEIDA, Teresa de. Marcas do texto: Julien Green e outros. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 697-710.

ATHAYDE, Tristão. Meio século de presença literária. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 771-776.

AYALA, Walmir. Então eu vi de perto o príncipe da noite. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 798-800.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: Os gêneros do discurso. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BARTHES, Roland. Prefácio. In: Sade, Fourier, Loyola. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2005, p. ix-xix.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. Tradução de Lisboa: Edições 70, 2015.

BARTHES, Roland. Roland Barthes por Roland Barthes. Tradução de Julieta Sucre. Caracas, Venezuela: Monte Avila Editores C. A., 1977.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução de J. Ginzburg. São Paulo: Perspectiva, 2015. (Elos; 2).

BOSI, Alfredo. A interpretação da obra literária. In: Céu, inferno. 2. ed. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2003, p. 461-480.

BRADBURY, Malcolm.; McFARLANE, James. Modernismo: guia geral. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BRAIT, Beth. Estilo. In: Bakhtin: conceitos-chave. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2014, p. 79-102.

BRANDÃO, Junito de Souza. Dicionário mítico-etimológico da mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 2014.

BRAYNER, Sônia. A construção narrativa: uma gigantesca espiral colorida. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 717-729.

CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: A educação pela noite e outros ensaios. 3. ed. São Paulo: Ática, 2003, p. 199-215.

CARDOSO, Lúcio. Carta de Lúcio Cardoso a Daniel Pereira. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 755-756.

CARDOSO, Lúcio. Diários. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CARELLI, Mario. Crônica da casa assassinada: a consumação romanesca. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 625-639.

CARELLI, Mario. Corcel de fogo: vida e obra de Lúcio Cardoso (1912-1968). Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1988.

EAGLETON, Terry. Como ler literatura. Tradução de Denise Bottmann. Porto Alegre, RS: L&PM, 2019.

FARIA, Octávio de. Lúcio Cardoso. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 659-680.

HOUAISS ELETRÔNICO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Gesto. F.L. Software. Gama designer Ltda.

LEITE, José Florentino Marques; JORDÃO, Antônio José Novaes. Dicionário latino-vernáculo. 2. ed. Rio de Janeiro: Lux, 1956.

HUTCHEON. Linda. Uma teoria da paródia. Lisboa: Edições 70, 1989.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha; Maria Inês Coimbra Guedes. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MARTINS, W. Um romance brasileiro. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição crítica. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José de Costa Rica; Santiago de Chile: ALLCA XX, 1997, p. 793-800.

PROUST, Marcel. Sobre a leitura seguido do depoimento de Céleste Albaret a Sonia Nolasco-Ferreira. Tradução de Julia da Rosa Simões. Porto Alegre: L&PM, 2016.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina. Dicionário de termos da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

RIBEIRO, Ésio Macedo. Apresentação. In: CARDOSO, Lúcio. Diários. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012, p. 9-20.

ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. In: Texto/contexto: ensaios. 2. ed. São Paulo: Perspectiva; Brasília, INL, 1973, p. 75-98.

RUFFATO, Luiz. Eles eram muitos cavalos. 11. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

SEGOLIN, Fernando. Personagem e antipersonagem. São Paulo: Cortez & Moraes, 1978.

WOOD, James. Como funciona a ficção. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Sesi-SP, 2017.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Silva, S. A. da. (2020). Da paixão à insolvência ou a arquitetônica de um romance: Crônica da casa assassinada. Opiniães, (17), 177-200. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173737