Espaços barrocos: da arquitetura irrompe a carne

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173747

Palavras-chave:

Lúcio Cardoso, Adriana Varejão, Crônica da casa assassinada, Barroco

Resumo

Pretendemos, nesse texto, esboçar uma leitura da plasticidade, dos tecidos do texto, do corpo e da escultura/arquitetura presentes em Crônica da casa assassinada (1959) e em trabalhos de Adriana Varejão. Entendendo-as como impasses frente à dicotomia alma-corpo e, então, a narrativas morais fundada em um sistema colonial-cristão de dominação, sugerimos que suas propostas estéticas operam de forma a tensionar essa divisão por meio de uma beleza convulsiva da linguagem na qual violência e resistência, repulsa e atração procuram uma conciliação impossível. O efeito desse confronto, assim, nos permite adentrar em um campo no qual o barroco surge, seguindo considerações de Schollhammer ([2007] 2016), como gesto sensível sobre o leitor, promovendo a desestabilização tanto de seus conceitos quanto de sua subjetividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Freitas Figueiredo, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Bruna Freitas Figueiredo é mestranda em Estudos de Literatura pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

BUCK-MORSS, Susan. Estética e anestética: uma reconsideração de A obra de arte de Walter Benjamin. In: BENJAMIN, Walter et al. Benjamin e a obra de arte: técnica, imagem, percepção. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012, pp. 173-222.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1979.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

CHIAMPI, Irlemar. Barroco e Modernidade. São Paulo: Perspectiva, 1998.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o barroco. Trad. Luiz B. L. Orlandi. Campinas: Papirus, 1991.

FAUSTO, Carlos. A antropologia xamanística de Michael Taussig e as Desventuras da Etnografía. Anuário Antropológico (UnB), Brasília, v. 11, n. 1, pp.183-198, 1987. Disponível em:

https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6382. Acesso em 19 nov. 2020.

HERKENHOFF, Paulo. Pintura/sutura. In: Adriana Varejão. São Paulo: Galeria Camargo Vilaça, 1996; reeditado em Imagens de Troca, Lisboa: Instituto de Arte Contemporânea, 1998. Disponível em:

http://www.adrianavarejao.net/br/textos/detalhe/3/herkenhoff-paulo-pinturasutura-in-adriana-varejao-sao-paulo-galeria-camargo-vilaca-1996-reeditado-em-imagens-de-troca-lisboa-instituto-de-arte-contemporanea-1998. Acesso em: 31 jul. 2020.

LEZAMA LIMA, J. Ensayos barrocos. Buenos Aires: Colihue, 2014.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

OLIVEIRA, Frederico van Erven Cabala. Lúcio Cardoso e Nelson Rodrigues: arquitetos da decadência. 2019. 127 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Literatura) – Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, 2019.

PEDROSA, Adriano. Museu de Arte Moderna de São Paulo. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Adriana Varejão: histórias às margens [at the margins]. São Paulo: Museu de Arte Moderna, 2013.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. Revista del Instituto Indigenista Peruano, Lima, v. 13, n. 29, p. 11-20, 1992.

SARDUY, Severo. Escrito sobre um corpo. Tradução de Lígia Chiappini Moraes Leite e Lúcia Teixeira Wisnik. São Paulo: Perspectiva, 1979.

SARDUY, Severo. Ensayos generales sobre el Barroco. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1987.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Além do visível: o olhar da literatura. Rio de Janeiro: 7 letras, 2016.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; VAREJÃO, Adriana. Pérola Imperfeita: a história e as histórias na obra de Adriana Varejão. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos CES (UC), Coimbra, v. 18, p. 106-131, 2012. DOI: 10.4000/eces.1533. Disponível em: https://journals.openedition.org/eces/1533. Acesso em 19 nov. 2020.

VAREJÃO, Adriana. Chambre d’échos / Câmara de Ecos. Entrevista com Hélène Kelmachter, 2004. In: VAREJÃO, Adriana. Adriana Varejão. Chambre d’échos / Câmara de Ecos. Fondation Cartier pour l’art contemporain: Actes Sud, 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Figueiredo, B. F. (2020). Espaços barrocos: da arquitetura irrompe a carne. Opiniães, (17), 410-435. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173747