Naidna de Souza: a palavra des-a-linha, atravessa a margem e brinca sobre a encruzilhada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.180184

Palavras-chave:

Naidna de Souza, Poesia, Saúde mental antimanicomial, Reexistência, Encruzilhada

Resumo

Através do poema “Linhas”, de Naidna de Souza (2015), nossa leitura é guiada para pensarmos na sua poesia e produção de discurso, interseccionada por exclusões de gênero, raça, classe, e, sobretudo, pela experiência de sofrimento mental. Naidna é poeta, performer e pintora, frequenta o dispositivo Centro de Convivência da Rede de Saúde Mental, substitutiva aos manicômios, que se estabelece enquanto política pública no município de Belo Horizonte/ MG. Mesmo depois da Lei da Reforma Psiquiátrica e da consolidação do Movimento Nacional da Luta Antimanicomial, retrocessos importantes têm se imposto às garantias de direitos nacionais no campo da saúde mental. Pensamos na poesia como produção de devir, enquanto agenciamento de vidas (DELEUZE, 1977) e narrativas que se vulnerabilizam historicamente a partir da ideologia eugênica, da necropolítica (MBEMBE, 2016) e dos biopoderes (FOUCAULT, 1979), que se reorganizam sistemicamente como projeto de Estado. A vivência da arte e linguagem se fazem na tentativa de rasurar as violências e violações. A poesia de Naidna de Souza se estabelece enquanto portal de enunciação, que opera através da reexistência (SOUZA, 2009), no sentido discursivo coletivo e comunitário, afirmando a vida de um grupo narrativo que se encontra na ressignificação da encruzilhada (PONTES, 2019).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Pedrosa Pontes, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutoranda em Literatura e Cultura pelo PPGLitCult/UFBA, mestra em Estudo de Linguagens pelo PPGEL/UNEB e graduada em Artes Plásticas pela Escola Guignard/UEMG.

Referências

A CLÍNICA ampliada da “coisa mental”: desinstitucionalização e subjetividade. Palestra: Marcus Vinícius Oliveira. 2014. Vídeo (47 min). 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RXoYLOS7RlI. Acesso em 5 jun. 2017.

AKOTIRENE, Carla. O que é intersecccionalidade? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ARBEX, Daniela. Holocausto brasileiro- vida, genocídio e 60 mil mortes no maior hospício do Brasil. São Paulo: Geração Editorial, 2013.

AUDRE Lorde: The Berlin Years 1984 to 1992. Direção: Dagmar Schultz. 2011. (76 min)

BRASIL. LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001. IPI Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF, abr 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10216.htm. Acesso em 07 fev. 2019.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em Educação, na área de Filosofia da Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

COSTA, Jurandir Freire. História da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, p.171-189, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-026X2002000100011&lng=es&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 16 nov. 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka- Por uma literatura menor. Trad. Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Imago Editora LTDA, 1977.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: Representações performáticas brasileiras: teóricas, práticas e suas interfaces. Marcos Antônio Alexandre (Org). Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007. p. 16-21.

FOUCAULT, Michel. História da loucura. Tradução de José Teixeira Coelho. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje. (Anpocs), pp. 223-244, 1984. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4584956/mod_resource/content/1/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf. Acesso em 16 nov. 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. Trad. Eduardo Brandão. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LORDE, Audre. Irmã Outsider: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. Arte & Ensaio, Rio de Janeiro, n. 32, pp. 122-151, 2006. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169. Acesso em: 28 jul. 2021.

MERHY, Emerson Elias; FRANCO, Túlio B. Por uma Composição Técnica do Trabalho em Saúde centrada no campo relacional e nas tecnologias leves. Apontando mudanças para os modelos tecnoassistenciais. Saúde em Debate (CEBES), São Paulo, v. 1, 2003.

MUNANGA, Kabengele. Palestra proferida no 4º Fórum de direitos humanos e sáude mental: racismos, desigualdades e injustiças sociais (UFBA), Salvador, 2019.

NUNES, Mônica de Oliveira. Interseções antropológicas na saúde mental: dos regimes de verdade naturalistas à espessura biopsicossociocultural do adoecimento mental. Interface: Comunicação, saúde e educação, v. 16, n. 43., pp. 903-9015, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832012005000045&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 10 fev. 2020.

PATROCÍNIO, Stela. Reino dos bichos e dos animais é o meu nome. Viviane Mosé (Org.). Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2009.

POESIA é a nossa estrutura. Direção: Ana Carolina Pedrosa Pontes. 2015. (22 min).

PONTES, Ana Carolina Pedrosa. Metodologia da Encruzilhada: O encontro descolonial da literatura com a Saúde Mental. In: Direitos humanos, leitura, literatura: criar, existir e resistir. Elizabeth Gonzaga de Lima; Luciana Sacramento Moreno Gonçalves; Maximiano Martins de Meireles (Orgs). Rio de Janeiro: Bonecker, 2019. p. 350-360.

PONTES, Ana Carolina Pedrosa. Poesia é a nossa estrutura: árvore, luta e artevida. Dissertação (Mestrado em Estudo de Linguagens) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2020.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

ROTELLI, Franco. A Instituição Inventada. Trad. Maria Fernando de Silvio. Santos: Casa de Saúde Anchieta. 1988.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

RUFINO, Luiz. Pedagogia de encruzilhada: sobre conhecimentos, educações e pós-colonialismo. VIII Seminário Internacional As Redes educativas e as tecnologias: movimentos sociais e educação, Rio de Janeiro, 2015.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de Reexistência: Culturas e Identidades no movimento Hip-Hop. (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

SOUZA, Naidna de. “Linhas”. In: Poesia é a nossa estrutura. Ana Carolina Pedrosa Pontes (Org.). Belo Horizonte: edição independente, 2015.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulard Almeida. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

Downloads

Publicado

2021-07-31

Como Citar

Pontes, A. C. P. (2021). Naidna de Souza: a palavra des-a-linha, atravessa a margem e brinca sobre a encruzilhada. Opiniães, (18), 430-447. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.180184