Aspectos do nacionalismo econômico brasileiro (V) (conclusão)

Autores

  • Nícia Vilela Luz

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.1959.107271

Resumo

(Primeiras linhas do texto)

"Pode-se distinguir na política industrial do Brasil, a partir da última década do regime imperial até a queda da primeira República, em 1930, cinco fases: a dos últimos gabinetes do Império, quando se esboçou uma política de amparo à produção nacional, visando, em particular, o aproveitamento dos recursos naturais do país; as experiências de Rui Barbosa, ao proclamar-se a República; o período de 1891 a 1898, caracterizado pelas tentativas de oposição ao industrialismo implantado pela República, pela resistência dêsse industrialismo e finalmente, pela sua derrota com a política financeira do govêrno Campos Sales; a vitória, durante a primeira década do século vinte, da política fiscal do govêrno, em relação à tarifa aduaneira, fazendo-se, entretanto, concessões à indústria, con-cessões que se consubstanciaram em duas medidas principais — a cobrança em ouro dos direitos de importação e a manutenção do câmbio em taxas relativamente baixas; e, por fim, a partir de 1909, uma fase caracterizada pelas tentativas de se inaugurar um novo industrialismo cujos alicerces deveriam repousar na existência de indústrias básicas, particularmente a siderurgia. São êsses diferen-tes períodos que passaremos a analisar sucessivamente. (...)"

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1959-03-29

Como Citar

LUZ, N. V. Aspectos do nacionalismo econômico brasileiro (V) (conclusão). Revista de História, [S. l.], v. 18, n. 37, p. 97-140, 1959. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.1959.107271. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/107271. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos