A população do Reino de Angola durante a era do tráfico de escravos: Um exercício de estimativa e interpretação (c. 1700-1850)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.122490

Palavras-chave:

população, tráfico de escravos, Angola, Império português, Mapas populacionais

Resumo

O artigo discute a evolução da população sob o domínio português na região que era chamada “Reino de Angola” pelas autoridades coloniais, desde o século XVIII à primeira metade do século XIX. Nosso objetivo foi responder a uma pergunta simples: a população sob o domínio português teria aumentado ou diminuído neste período? Para isto, analisamos e criticamos um número razoável de mapas de população e outros dados quantitativos como os dízimos e a contagem dos sobas. O resultado a que chegamos é que existem indícios de crescimento pelo alargamento da fronteira durante o século XVIII e que, entre o final do século XVIII e o início do XIX, ocorreu um colapso demográfico que parece estar associado às secas e ao aumento da pressão escravizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maximiliano M. Menz, Universidade Federal de São Paulo

Possui graduação em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1998), Mestrado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2001) e Doutorado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (2006). Participou do projeto de Formação de Quadros do Cebrap (2006-2008). É professor de História Moderna da Universidade Federal de São Paulo, onde realizou projeto de Jovem Pesquisador (2009-2012) e atualmente desenvolve o projeto ?Uma história econômica do tráfico de escravos em Angola: financiamento, fiscalidade, transporte (c. 1730 - 1807)?, ambos com apoio da Fapesp. Atua ainda como professor do programa de pós-graduação em História Econômica da USP. É autor do livro ?Entre Impérios: Formação do Rio Grande na Crise do Sistema Colonial Português (1777-1822)? e de diversos artigos sobre a história econômica do Império Português

Gustavo Acioli Lopes, Universidade Federal Rural de Pernambuco

É graduado em História pela UPFE. Possui mestrado em História pela Universidade Federal de Pernambuco (2003), doutorado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (2008). Foi bolsista do Programa de Formação de Quadros do CEBRAP e bolsista da CAPES de pós-doutorado realizado na FFLCH/USP. É professor adjunto de História Econômica da Universidade Federal Rural de Pernambuco e membro do corpo docente do Programa de Pós-Graduação em História da UFPB, atuando principalmente nos seguintes temas: Brasil colônia, tráfico de escravos, economia atlântica moderna e economia colonial.

Referências

ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição do tráfico de escravos (1834-1851). Análise Social, vol. XXVI, n. 111, 1991 (2°), p. 293-333.

ARRUDA, José. Decadência ou crise do Império luso-brasileiro: o novo padrão de colonização do século XVIII. Revista USP, n. 46, São Paulo, jun./ago. 2000, p. 66-78.

BERBEL, Marcia; MARQUESE, Rafael; PARRON, Tamis. Escravidão e política, Brasil e Cuba, 1790-1850. São Paulo: Hucitec, 2010.

BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos no Brasil: a Grã-Bretanha, Brasil e a questão do tráfico de escravos, 1807-1869. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura; São Paulo: Edusp, 1976.

BIRMGHAM, David. Trade and conflict in Angola. The Mbundu and their neighbours under the influence of the Portuguese, 1483-1790. Oxford: Clarendon Press, 1966.

BOTELHO, Tarcísio R. A população da América portuguesa em finais do período colonial (1776–1822): fontes e estimativas globais. Anais de História de Além-Mar, vol. XVI, 2015, p. 79-106.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo. As estruturas do cotidiano, vol. 1. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

CANDIDO, Mariana. An African slaving port and the Atlantic world: Benguela and its hinterland. Nova York: Cambridge University Press, 2013.

CANDIDO, Mariana. Fronteras de la esclavización: Esclavitud, comercio, e identidad en Benguela, 1780-1850. México, D.F.: El Colegio de México, Centro de Estudios de Asia y África, 2011.

CARRARA, Ângelo. Minas e currais. Produção rural e mercado interno de Minas Gerais, 1674-1807. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2007.

CARREIRA, Antônio. Angola: da escravatura ao trabalho livre. Subsídios para a história demográfica do século XVI até a independência. Lisboa: Arcádia, 1977.

CONRAD, Robert. Tumbeiros: o tráfico escravista para o Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CURTO, José. The anatomy of a demographic explosion: Luanda, 1844-1850. The International Journal of African Historical Studies, vol. 32, n. 2/3, 1999, p. 381-405.

CURTO, José & GERVAIS, Raymond. A dinâmica demográfica de Luanda no contexto do tráfico de escravos do Atlântico Sul, 1781-1844. Topoi, n. 4, 2002, p. 85-138.

DELGADO, Ralph. História de Angola. 4 volumes. Benguela/Lobito: Edições do Banco de Angola, 1948-1955.

DIAS, Jill. Famine and disease in the history of Angola c. 1830–1930. The Journal of African History, n. 22, p. 349-378.

ELTIS, David. Economic growth and the ending of the transatlantic slave trade. Nova York: Oxford University Press, 1987.

ELTIS, David & RICHARDSON, David. A new assessment of the transatlantic slave trade. In: Idem (ed.). Extending the frontiers: essays in the new transatlantic slave trade. Yale, CT.: Yale University Press, 2008.

FAGE, John. African societies and the Atlantic slave trade. Past and Present, vol. 125, n. 1, 1989, p. 111-115.

FERREIRA, Roquinaldo. The suppression of the slave trade and slave departures from Angola, 1830s-1860s. História Unisinos, vol. 15, n. 1, jan./abr. 2011, p. 3-13.

FLORENTINO, Manolo. The slave trade, colonial markets, and slave families in Rio de Janeiro, Brazil, ca. 1790-ca. 1830. In: ELTIS, David & RICHARDSON, David (ed.). Extending the frontiers. Essays on the new transatlantic slave trade database. New Haven: Yale University, 2008.

GONÇALVES, Antônio. A história revistada do Kongo e de Angola. Lisboa: Estampa, 2005.

GREEN, Toby. The rise of the trans-Atlantic slave trade in Western Africa, 1300–1589. Nova York: Cambridge University Press, 2012.

HALL, Gwendolyn Midlo. Slavery and African ethnicities in the Americas: restoring the links. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2005.

HEINTZE, Beatrix. A política econômica e de colonização portuguesa em Angola de 1570 a 1607. In: Idem. Angola nos séculos XVI e XVII. Estudos sobre fontes, métodos e história. Luanda: Kilombelombe, 2007.

HEINTZE, Beatrix. As fontes da história pré-colonial de Angola ou a maravilhosa viagem dos jagas através dos séculos. In: Idem. Angola nos séculos XVI e XVII. Estudos sobre fontes, métodos e história. Luanda: Kilombembe, 2007.

HENRIQUES, Isabel de Castro. A organização afro-portuguesa do tráfico de escravos (séculos XVII-XIX). In: HENRIQUES, I. de C. & MEDINA, João. A rota dos escravos: Angola e a rede do comércio negreiro. Lisboa: Segia, 1996.

HEYWOOD, Linda. Slavery and its transformations in the Kingdom of Kongo: 1491-1800. The Journal of African History, n. 50, 2009, p. 1-22.

HEYWOOD, Linda & THORNTON, John. African fiscal systems as sources for demographic history: the case of central Angola, 1799-1920. The Journal of African History, vol. 29, n. 2, 1988.

KULA, Witold. Problemas y métodos de la história económica. 3ª edição. Madri: Ediciones Península, 1977.

LADURIE, Emmanuel. História dos camponeses franceses. 2 volumes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

LANDES, D. Las estadísticas como fuente para la historia de Europa Ocidental. In: LORWIN, Val & PRICE, Jacob (int.). Las dimensiones del pasado. Estudios de historia cuantitativa. Madri: Alianza Universidad, 1974.

LOPES, Gustavo Acioli & MENZ, Maximiliano M. Resgate e mercadorias: uma análise comparada do tráfico luso-brasileiro em Angola e na Costa da Mina (século XVIII). Afro-Ásia, nº 37, 2008.

LOVEJOY, Paul. The impact of the Atlantic slave trade on Africa: A review of the literature. The Journal of African History, vol. 30, n. 3, nov. 1989, p. 365-94.

LOVEJOY, Paul. A escravidão na África: uma história de suas transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

MANNING, Patrick. Escravidão e mudança social na África. Novos Estudos, n. 21, jul. 1988, p. 8-29.

MANNING, Patrick. Slavery and African life. Occidental, Oriental and African slave trade. Cambridge: CUP, 1995.

MARQUES, João Paulo. Os sons do silêncio: o Portugal de Oitocentos e a abolição do tráfico de escravos. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 1999.

MATOS, Paulo Teodoro de & VOS, Jelmer. Demografia e relações laborais em Angola, 1800: um ensaio metodológico. Diálogos – Revista do Departamento de História da Universidade Estadual de Maringá, vol. 17, nº 3, 2013, p. 807-834.

M’BOKOLO, Elikia. África negra: história e civilizações, vol. 1: O século XVIII. Lisboa: Colibri, 2007.

MENZ, M. Entre impérios: formação do Rio Grande na crise do sistema colonial português. São Paulo: Alameda, 2009.

MILLER, Joseph. The numbers, origins, and destinations of slaves in the eighteenth-century Angolan slave trade. In: INIKORI, Joseph E. & ENGERMAN, Stanley L. (ed.). The Atlantic slave trade: efects on economies, societies and peoples in Africa, the Americas and Europe. Durham, Londres: Duke University Press, 1992, p. 77-116.

MILLER, Joseph. Way of death. Merchant capitalism and the Angolan slave trade, 1780-1830. Madison, Wisconsin: University of Wisconsin, 1988.

MILLER, Joseph. The significance of drought, disease and famine in the agriculturally marginal zones of West-Central Africa. The Journal of African History, vol. 23, n. 1, jan. 1982.

PARREIRA, Antonio. Economia e sociedade em Angola. Na época da rainha Jinga. Lisboa: Editorial Estampa, 1990.

RODNEY, Walter. A history of the upper Guinea coast, 1545-1800. Nova York: Monthly Review, 1980.

RODRIGUES, Jaime. O fim do tráfico transatlântico de escravos para o Brasil: paradigmas em questão. In: GRINBERG, K. & SALLES, R. O Brasil imperial, vol. II, 1831-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SILVA, Daniel Domingues da. The Atlantic slave trade from West Central Africa, 1780-1867. Nova York: Cambridge UP, 2017.

SILVA, Daniel Domingues da. The early population charts of Portuguese Angola, 1776-1830: a preliminary assessment. Anais de História do Além-Mar, vol. XVI, 2015, p. 107-24.

SILVA, Filipa Ribeiro da & SOMMERDYK, Stacey. Reexamining the geography and merchants of the West Central African slave trade: looking behind the numbers. African Economic History, vol. 38, 2010, p. 77-105.

SMALLWOOD, Stephanie E. Saltwater slavery: a middle passage from Africa to American diaspora. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2007.

SPARKS, Randy. Where the Negroes are masters. An African port in the era of the slave trade. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2014.

THORNTON, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico: 1400-1800. Rio de Janeiro: Campus, 2004,

THORNTON, John. Early Kongo Portuguese relations: a new interpretation. History in Africa, vol. 8, 1981, p. 183-204.

THORNTON, John. The slave trade in eighteenth century Angola: effects on demographic structures. Canadian Journal of African Studies, vol. 14, n. 3, 1980.

TOMICH, Dale. Pelo prisma da escravidão. São Paulo: Edusp, 2013.

VANSINA, Jan. Kingdoms of the Savanna. Madisson: University of Wisconsin Press, 1966.

VENÂNCIO, João Carlos. A economia de Luanda e hinterland no século XVIII. Lisboa: Editorial Estampa, 1996.

VRIES, Jan de. A economia da Europa numa época de crise. Lisboa: Dom Quixote, 1983.

WRIGLEY, Edward Anthony. Historia y poblacion: introducción a la demografia histórica. 2ª edição. Barcelona: Critica, 1985.

Fontes

FONSECA, André Velho da. Relatório de todos os gastos que se fazem nos reinos de Angola e de Congo, assim de justiça e governo como da igreja e guerra (1612). Arquivos de Angola, vol. III, abril a junho de 1937, p. 19-21.

SILVA, Luís Lobo; SOUZA, João da Silva de; CABRAL, Hierônimo da Veiga. Relação por maior do Estado em que acha o Reino de Angola, suas províncias e conquistas, do número de gente de guerra e moradores e residentes desta cidade e seus presídios (...), 20/11/1684. AHU, Avulsos, Angola, cx. 13, doc. 1575.

CORRÊA. História de Angola, vol. 1 e 2. Lisboa: Editorial Ática Ltda, 1937 (1792).

TORRES, João C. F. Memórias contendo a biographia do vice-almirante Luiz da Motta Feo e Torres em A história dos governadores e capitães gerais de Angola, desde 1575 até 1825 e a Descripção geographica e política dos reinos de Angola e Benguela. Paris: Fantin Livreiro, 1825.

LIMA, José Joaquim Lopes de. Ensaios sobre a statistica das possessões portuguezas no Ultramar, livro III, de Angola e Benguella e suas dependências. Lisboa: Imprensa Nacional, 1846.

Arquivo Histórico Ultramarino (AHU). Documentos avulsos de Angola, diversas caixas e documentos.

Arquivo Histórico do Tribunal de Contas (AHTC). Erário Régio (ER), cód. 4192.

Sites com bancos de dados consultados

ELTIS, David et al. Voyages: the trans-Atlantic slave trade database. Disponível em: http://slavevoyages.org/. Acesso em: 12/11/2012.

MATOS, Paulo et alli. Counting colonial populations. Disponível em: http://colonialpopulations.fcsh.unl.pt/. Acesso em: 14/04/2016.

Downloads

Publicado

2018-05-22

Como Citar

MENZ, M. M.; LOPES, G. A. A população do Reino de Angola durante a era do tráfico de escravos: Um exercício de estimativa e interpretação (c. 1700-1850). Revista de História, [S. l.], n. 177, p. 01-35, 2018. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.122490. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/122490. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Trabalho forçado e economias trans-imperiais: impactos recíprocos