Aprendendo a voar: James Aggrey e os anos de formação de Kwame Nkrumah

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.138760

Palavras-chave:

Kwame Nkrumah, África, James Aggrey, Pan-africanismo, Gana

Resumo

A característica mais marcante do político e ideólogo ganês Kwame Nkrumah (1909-1972) é seu pan-africanismo radical. O significante África tinha para ele o sentido de nação a ser construída e reconquistada. Este ímpeto pan-africano foi fruto de um amadurecimento visível em sua trajetória. Nela, o educador ganês James Aggrey (1875-1927) desempenhou papel fundamental. Por meio de uma crítica da obra de Nkrumah e dos discursos e escritos de Aggrey abordamos neste artigo a relação intelectual entre ambos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Paiva, Universidade Federal Fluminense

Graduado em História pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestre em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF. Doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense. Professor substituto de História da África da Universidade de Brasília. Bolsista Capes-Proex. Pesquisador do Núcleo de Estudos Africanos da UFF (NEAF - UFF)

Referências

AGGREY, James. A águia que não queria voar. Tradução de Sergio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2012.

BAËTA, C. G. Missionary and humanitarian interests, 1914 to 1960. In: GANN, L. H. &

DUIGNAN, Peter (ed.). Colonialism in Africa (1870-1960), vol. II: The history and politics of colonialism (1914-1960). Nova York/Londres: Cambridge University Press, 1970.

BOFF, Leonardo. A águia e a galinha. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

FOSTER, Philip. Education and social change in Ghana. Chicago: University of Chicago Press, 1965, p. 166.

GARVEY, Marcus. A estrela preta. [S. l.]: Eu&Eu Realidade Rasta, 2013.

FYNN, J. K. Ghana – Asante (Ashanti). In: CROWDER, Michel (ed.). West African resistance: the military response to colonial occupation. Nova York: Hutchinson, 1972.

GOFF, Barbara. “Your secret language”: classics in the British colonies of West Africa. Londres/Nova York: Bloomsbury, 2014.

JOHNS, Sheridan W. Trade union, political pressure group, or mass movement? The industrial and commercial workers’ union of Africa. In: MAZRUI, Ali A. & ROTBERG, Robert (ed.). Protest and power in black Africa. Londres: Oxford University Press, 1970.

KILSON, Martin. The emergent elites of black Africa, 1900 to 1960. In: GANN, L. H. & DUIGNAN, Peter (ed.). Colonialism in Africa (1870-1960), vol. II: The history and politics of colonialism (1914-1960). Nova York/Londres: Cambridge University Press, 1970.

KIMBLE, David. A political history of Ghana: the rise of Gold Coast nationalism (1850-1928). Nova York/Londres: Oxford University Press, 1965.

NKRUMAH, Kwame. Un líder y un pueblo. Tradução de Enrique González Pedrero. México D. F: Fondo de Cultura Económica, 1962.

NKRUMAH, Kwame. The spectre of black power. Londres: Panaf, 1968.

NKRUMAH, Kwame. África debe unirse. Barcelona: Bellaterra, 2007.

OBICHERE, Boniface I. African critics of Victorian imperialism: an analysis. In: MADDOX, Gregory (ed.). Colonialism and nationalism in Africa, vol. I: Conquest and resistance to colonialism in Africa. Nova York/Londres: Garland, 1993

SMITH, Edwin W. Aggrey of Africa: a study in black and white. Nova York: Richard R. Smith – INC, 1930.

STEINER, George. Lecciones de los maestros. Madri: Siruela, 2016.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Edição

Seção

Democracia e ditadura: empresários, políticos e intelectuais