Nestas costas tão largas: O tráfico transatlântico de escravizados e a dinamização de economias regionais no Brasil (c. 1831 - c. 1850)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.140743

Palavras-chave:

tráfico de escravizados, economia, contrabando, Brasil, século XIX

Resumo

Após 1831, para que o tráfico transatlântico continuasse sendo realizado, os negociantes empregaram diversas estratégias, entre elas o estabelecimento de novos portos de desembarque de cativos. Este redirecionamento provocou alterações nas áreas onde as atividades de recepção de escravizados passaram a ocorrer, através principalmente da oferta de mão de obra e de capitais provenientes do comércio negreiro. Nesse artigo, discutimos a dinamização das economias regionais nas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia durante o período de ilegalidade do tráfico transatlântico entre as décadas de 1830 e 1850. Procuramos demonstrar que houve uma íntima relação entre estes processos de dinamização e o tráfico ilícito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Andrade dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em História no Instituto de História da Universidade Federal Fluminense e bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq.

Referências

ALMADA, Vilma Paraíso Ferreira de. Escravismo e transição: o Espírito Santo, 1850-1888. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

ALVARENGA, Thiago. Ato de poupar dos escravos: poupanças de escravos no Rio de Janeiro ao longo do século XIX. Dissertação de mestrado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2016.

BARROSO, Daniel & LAURINDO JUNIOR, Luiz Carlos. À margem da segunda escravidão? A dinâmica da escravidão no vale amazônico nos quadros da economia-mundo capitalista. Revista Tempo, vol. 23, nº 3. Niterói, set.-dez. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/tem-1980-542x2017v230309.

BEZERRA, Nielson Rosa. Mosaicos da escravidão: identidades africanas e conexões atlânticas no Recôncavo da Guanabara (1780-1840). Tese de doutorado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2010.

BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos no Brasil: a Grã-Bretanha, o Brasil e a questão do tráfico de escravos, 1807-1869. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1976.

CAMPOS, Thiago. O comércio negreiro na clandestinidade: As fazendas de recepção de africanos da família Souza Breves e seus cativos. Afro-Ásia, n. 47, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0002-05912013000100002.

CAMPOS, Thiago. A indiscrição como ofício: o complexo cafeeiro revisitado (Rio de Janeiro, c. 1830-c. 1888). Tese de doutorado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro2015.

CARVALHO, Marcus. O desembarque nas praias: o funcionamento do tráfico de escravos depois de 1831. Revista de História, nº 167, São Paulo, jul.-dez. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i167p223-260.

CARVALHO, Marcus. O desembarque do menino conguês Camilo em Pernambuco ou o comércio transatlântico de crianças escravizadas depois de 1831. In: 8º ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL. Anais. Porto Alegre, 2017. Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/8encontro/Textos8/marcusjoaquimmacieldecarvalho.pdf. Acesso em: 26 mar. 2018.

CRUZ, Ronaldo Lima. Tráfico clandestino de escravos: a atuação do juiz de Direito de Ilhéus na apreensão dos africanos desembarcados na praia de Mamoam. Documentação e Memória, r. 2, n. 3. Recife, TJPE, jan./dez. 2010, p. 119-134.

CONRAD, Robert. Os últimos anos da escravatura no Brasil: 1850-1888. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

CONRAD, Robert. Tumbeiros: o tráfico de escravos para o Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DIAS, Marcelo Henrique. Economia, sociedade e paisagens da capitania e comarca de Ilhéus no período colonial. Tese de doutorado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2007.

EL-KAREH, Almir Chaiban. Filha branca de mãe preta: a Companhia da Estrada de Ferro D. Pedro II (1855-1865). Petrópolis: Vozes, 1982.

FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro: séculos XVIII e XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

FREITAS, Antônio Fernando Guerreiro & PARAÍSO, Maria Hilda Baqueiro. Caminhos ao encontro do mundo: a capitania, os frutos de ouro e a princesa do sul, Ilhéus: 1534-1940. Ilhéus: Editus, 2001.

GRINBERG, Keila & MAMIGONIAN, Beatriz (org). Dossiê – “Para inglês ver?”: revisitando a Lei de 1831. Estudos Afro-Asiáticos, nos 1/2/3, ano 29, jan.-dez. 2007.

GOULARTE, Rodrigo da Silva. Portos e sertões: a província do Espírito Santo e a emancipação da América portuguesa (1815-1825). Tese de doutorado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2015.

MAHONY, Mary Ann. “Instrumentos necessários”: a escravidão e posse de escravos no sul da Bahia no século XIX, 1822-1899. Afro-Ásia, n. 25, 2001, p. 95-139. Disponível em: http://www.afroasia.ufba.br/pdf/afroasia_n25_26_p95.pdf. Acesso em: 11 mai. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1981-1411aa.v0i25-26.21010.

MAMIGONIAN, Beatriz. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MARQUES, Leonardo. The United States and the transatlantic slave trade to the Americas, 1776-1867. New Haven: Yale University Prees, 2016.

MARQUESE, Rafael & SALLES, Ricardo (org.). Escravidão e capitalismo histórico no século XIX: Cuba, Brasil e Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo Saquarema. São Paulo: Hucitec; Brasília: INL, 1987.

OLIVEIRA, Edgar Otacílio da Silva. Valença: dos primórdios a contemporaneidade. 2ª edição. Valença/ BA: Face, 2009.

OLIVEIRA, Waldir Freitas. A industrial cidade de Valença: um surto de industrialização na Bahia no século XIX. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 1985.

PARRON, Tâmis. Política do tráfico negreiro: o parlamento imperial e a reabertura do comércio de escravos na década de 1830. Estudos Afro-Asiáticos, nos 1/2/3, ano 29, jan.-dez. 2007.

PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Dissertação de mestrado em História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

PEREIRA, Walter. José Gonçalves da Silva: traficante e tráfico de escravos no litoral norte da província do Rio de Janeiro, depois da lei de 1850. Revista Tempo, vol. 16, n. 31, 2011. Disponível em: http://www.historia.uff.br /tempo/site/wp-content/uploads/2011/12 /v16n31a12.pdf. Acesso em: 17 abr. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-77042011000200012.

PEREIRA, Walter. Corredor infame: tráfico e traficantes de africanos em praias fluminenses e capixabas, depois de 1850. In: GUIMARÃES, Carlos Gabriel et al. (org.). Ensaios de história econômico-social: séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: EdUFF, 2012.

PEREIRA, Walter. A trama do tráfico ilegal de africanos na província do Espírito Santo (1850/1860). In: XI CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA ECONÔMICA & 12ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE HISTÓRIA DAS EMPRESAS. Anais. Universidade Federal do Espírito Santo, 2015. Disponível em: <http://www.abphe.org.br/arquivos/2015_walter_luiz_carneiro_mattos _ pereira _a-trama-do-trafico-ilegal-de-africanos-na-provincia-do-espirito-santo-1850 _ 1860.pdf> Acesso em: 16 abr. 2017.

RIBEIRO, Alexandre. O tráfico atlântico de escravos e a praça mercantil de Salvador (c. 1678-c. 1830). Dissertação de mestrado em História, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

RIBEIRO, Alexandre. A cidade de Salvador: estrutura econômica, comércio de escravos e grupo mercantil (c. 1750-c. 1800). Tese de doutorado em História, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

RODRIGUES, Jaime. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, Cecult, 2000.

RODRIGUES, Jaime. “De farinha, bendito seja Deus, estamos por agora muito bem”: uma história da mandioca em perspectiva atlântica. Revista Brasileira de História, vol. 37, nº 75, 2017, p. 69-95. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbh/v37n75/1806-9347-rbh-2017v37n7503.pdf>. Acesso em: 26 mar. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1806-93472017v37n75-03.

SALLES, Ricardo. E o vale era escravo: Vassouras, século XIX, senhores e escravos no coração do Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

SANTOS, Silvana Andrade dos. Nos terrenos arenosos e no infame comércio: os desdobramentos do fim do tráfico transatlântico em Valença (Bahia, 1831-1866). Dissertação de mestrado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2016.

SANTOS, Silvana Andrade dos. Rumo ao sul: considerações sobre os locais de desembarques do tráfico transatlântico de escravizados na Bahia após 1831. In: 8º ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL. Anais. Porto Alegre, 2017. Disponível em: <http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/8encontro/Textos8/silvanaandradedossantos.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2017.

SARAIVA, Luiz Fernando. O império das Minas Gerais: café e poder na Zona da Mata mineira, 1853-1893. Tese de doutorado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2008.

SARAIVA, Luiz Fernando & ALMICO, Rita. Raízes escravas da modernização capitalista no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA ECONÔMICA E CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE HISTÓRIA DE EMPRESAS, 8/13. Anais. Niterói, 2017. Disponível em: <http://www.abphe.org.br/uploads/ABPHE%202017/34%20Raizes%20escravas%20da%20modernizacao%20capitalista%20no%20Brasil.pdf>. Acesso em: 30 out. 2017.

SILVA, Elisiane da; NEVES, Gervásio Rodrigues; MARTINS, Liana Bach (org.). Mauá: o desafio inovador numa sociedade arcaica. Brasília: Fundação Ulysses Guimarães, 2001.

SILVA, Ricardo Tadeu Caíres. Memória do tráfico ilegal de escravos nas ações de liberdade: Bahia, 1885-188. Afro-Ásia, n. 35, 2007, p. 37-82. Disponível em: http://www.afroasia.ufba.br/pdf/afroasia35_pp37_82_Tadeu.pdf. Acesso em: 24 out. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1981-1411aa.v0i35.21126

SOARES, Luiz Carlos. A indústria na sociedade escravista: um estudo das fábricas têxteis na região fluminense (1840-1880). In: XVI ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA DA ANPUH-RIO. Anais. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: <http://encontro2014.rj.anpuh.org/resources/anais/28/1399333448_ARQUIVO_ManufaturasTexteisnoRiodeJaneiro-ANPUH-Rio.pdf>. Acesso em: 19 set. 2016.

SPIX Johann Baptiste von & MARTIUS, Carl Friedrich Philipp von. Viagem pelo Brasil, 1817-1820. vol. 2. 3ª edição. São Paulo: Melhoramentos, 1976.

STEIN, Stanley J. A grandeza e decadência do café. São Paulo: Brasiliense, 1983.

STEIN, Stanley J. Origens e evolução da indústria têxtil no Brasil – 1850-1950. Rio de Janeiro: Campus, 1979.

SUZIGAN, Wilson. Indústria brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Hucitec/Ed. Unicamp, 2000.

TOMICH, Dale. Pelo prisma da escravidão: trabalho, capital e economia mundial. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

VALENCIA VILLA, Carlos & FLORENTINO, Manolo. Abolicionismo inglês e tráfico de crianças escravizadas para o Brasil, 1810-1850. Revista de História, vol. 35, e. 78, 2016, p. 1-20. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/his/v35/1980-4369-his-35-e78.pdf. Acesso em: 26 mar. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-436920160000000078.

VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o golfo de Benim e a Bahia de Todos os Santos: dos séculos XVII a XIX. 4ª edição revista. Salvador: Corrupio, 2002.

VILHENA, Luís dos Santos. A Bahia no século XVIII, vol. 2. Salvador: Itapuã, 1969.

XIMENES, Cristiana. Bahia e Angola: redes comerciais e o tráfico de escravos (1750-1808). Tese de doutorado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2012.

Downloads

Publicado

2018-12-14

Edição

Seção

Trabalho forçado e economias trans-imperiais: impactos recíprocos