As origens do movimento negro em Portugal (1911-1933): uma geração pan-africanista e antirracista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159242

Palavras-chave:

movimento negro, pan-africanismo, antirracismo, imprensa negra, Primeira República

Resumo

Entre 1911 e 1933 surgiu um movimento negro em Portugal que estava integrado no pan-africanismo internacional da época, lutou contra o racismo e iniciou um processo embrionário e ambivalente de questionamento do colonialismo. Durante a Primeira República Portuguesa (1910) e a ditadura do Estado Novo (1933), esta geração fundou vários jornais e diversas organizações em Lisboa. No entanto, até hoje existe um enorme silêncio historiográfico acerca deste movimento. Neste artigo, buscar-se-á, de forma inédita, demonstrar a emergência de um movimento negro politicamente organizado em Portugal no início do século XX, fundamentalmente por meio da análise da sua imprensa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Varela, Universidade de Coimbra

Antropólogo, doutorando e investigador júnior do Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra.

José Augusto Pereira, Universidade Nova de Lisboa

Historiador, doutorando na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e investigador integrado do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa.

Referências

A COMUNA. A Voz D’Africa. Lisboa, n.º 9, 1/1/1913, p.6.

ADI, Hakim. Pan-Africanism: a History. London: Bloomsbury Academic, 2018.

AFONSO, Aniceto. Portugal e a guerra nas colônias. In:ROSAS, Fernando;ROLLO, Maria Fernanda (coord.). História da Primeira República Portuguesa. Lisboa: Tinta da China, 2009, p. 287-299.

AFRICANOS, organizai-vos! Voz d’Africa. Lisboa, n.º 7, 1/12/1912, p.1.

A JUNTA e a guerra. Portugal Novo. Lisboa, n.º 1, 15/1/1915, p.1.

ALVARADO, Guillermo António Navarro. África deve-se unir? A formação da teorética da Unidade e a Imaginação da África nos marcos epistêmicos Pan-negristas e Pan-africanos (Séculos XVIII-XX). Tese (Doutorado) ˗ Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH)/Universidade Federal da Bahia,[S. l.], 2018.

A MOCIDADE africana. A Mocidade Africana. Lisboa, n.º 6, 1/6/1930, p.1.

A MISÉRIA dos negros nos estados unidos. Africa Magazine. Lisboa, n.º 1, mar./1932, p.52.

ANDRADE, Mário Pinto de. As ordens do discurso do «Clamor Africano»: continuidade e ruptura na ideologia do nacionalismo unitário. Estudos Moçambicanos.[S.l.], n.º 7, 1990, p. 7-28.

ANDRADE, Mário Pinto de. Origens do Nacionalismo Africano: Continuidade e ruptura nos movimentos unitários emergentes da luta contra a dominação colonial portuguesa 1911-1961. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

A NOSSA orientação. O Negro. Lisboa, n.º 1, 9/3/1911, p.1.

A NOSSA posição no momento político presente. Africa. Lisboa, n.º 10, 21/7/1932, p.1.

A OPINIÃO africana: declarações do partido nacional africano. O Protesto Indígena. Lisboa, n.º1, 21/11/1921, p.1.

A PRIMEIRA assembleia geral. A Voz D’Africa. Lisboa, n.º 1, 1/9/1912, p.2.

ARAÚJO, Marta; MAESO, Silvia Rodríguez. Os Contornos do Eurocentrismo: Raça, História e Textos Políticos. Coimbra: Almedina, 2016.

A VOZ D’AFRICA. A Voz D’Africa. Lisboa, 8/7/1929, p.2.

AZEVEDO, João Fraga de. Prof. Dr. José António de Magalhães. Separata de: Anais do Instituto de Medicina Tropical. Lisboa: Instituto de Medicina Tropical, v.16, n.º 1-4, 1959.

BARBARIDADES. Tribuna D’Africa. Lisboa, n.º 6, 30/7/1931, p.4.

BLAKELY, Alisson. The Emergence of Afro-Europe. In: HINE, Darlene; KEATON, Trica; SMALL, Stephen (org.). Black Europe and The African Diaspora.Urbana and Chicago: Illionis Press, 2009, p.13-18.

BRITO-SEMEDO, Manuel. Cabo Verde: A construção da Identidade Nacional - Análise da Imprensa entre 1877 e 1975. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, v. 2, 2003.

CALDEIRA, Arlindo Manuel. Escravos em Portugal: Das origens ao século XIX. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2017.

CONGRESSO pan-africano. Correio de Africa. Lisboa, n.º 5, 7/7/1921, p.1.

CONGRESSO pan-africano. Correio de Africa. Lisboa, 22/9/1921, p.2.

CONSIDERAÇÕES necessárias. O Protesto Indígena. Lisboa, n.º1, 21/11/1921, p. 2.

CONTANDO os fatos. A Tribuna D’Africa. Lisboa, n.º1 (12), 20/02/1913, p.1.

CORREIO DE AFRICA. Lisboa, n.º 13, 27/10/1921, p.1.

CORREIO DE AFRICA. Lisboa, n.º 14, 3/11/1921, p.1.

COSTA, Pedro Isaac da. Reclamações da Liga Guineense: A Guiné Portuguesa sujeita de violências e vexames. A Voz D’Africa. Lisboa, n.º 9, 1/1/1913, p.6.

DECLARAÇÃO. A Voz D’Africa. Lisboa, n.º 14,15/3/1913, p.1.

DECRAENE, Philippe. Le Panafricanisme. Paris: PressesUniversitaires de France (PUF), 1976.

DOMINGUES, Petrônio. Paladinos da Liberdade: A Experiência do Clube Negro de Cultura Social em São Paulo (1932-1938). Revista de História. São Paulo: 1.º/2004, n.º 150, p. 57-79, 2004. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br>.DOI disponível em:<https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i150p57-79>.

DOMINGUES, Petrônio.Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo[online]. v.12, n.º 23, p.100-122, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br>.DOI disponívelem: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-77042007000200007>.

DU BOIS, W.E.B. Pan-africa in Portugal. The Crisis. New York, v.27, n.º4, fev./1924, p. 169-170.

ELEIÇÕES: em S. Tomé os indígenas triunfam em toda a linha. Correio de Africa. Lisboa, n.º6, 7/8/1921, p.1.

Estatutos da Junta de Defesa dos Direitos de África. Lisboa: Centro Typographia Colonial, 1912.

FONSECA, Jorge. A historiografia sobre os escravos em Portugal. Cultura [online], v. 33, 2014. Disponível em: <http://cultura.revues.org/2422>.

GARCIA, José Luís. The First Stirrings of Anti-Colonial Discourse in the Portuguese Press. In:; KAUL, C.; SUBTIL, F.; SANTOS, A. (ed).Media and the Portuguese Empire Editors. [S. l.]: Palgrave Macmillan, 2018.

GILROY, Paul. The Black Atlantic: modernity and double consciousness. London: Verso, 1999.

GOLDBERG, David Theo.The Racial State. Malden, Oxford e Victoria: Blackwell Publishers, 2002.

GOLDBERG, David Theo. The Threat of Race: Reflections on Racial Neoliberalism. Massachusetts-Oxford: Blackwell Publishers, 2009.

GUIMARÃES, José Marques. A difusão do nativismo em África, Cabo Verde e Angola séculos XIX e XX. Lisboa: África Debate, 2006.

HAJA paz para todos os portugueses! Haja paz para todos os povos! (palavras do sr. Artur de Castro). Africa. Lisboa, n.º 11, 28/7/1932, p.1.

HENRIQUES, Isabel Castro. A herança africana em Portugal. Lisboa: Clube do colecionador dos correios, 2009.

HENRIQUES, Isabel Castro; LEITE, Pedro Pereira. Lisboa, cidade Africana. Percursos de Lugares de Memória da Presença Africana, Séculos XV-XXI. Lisboa/Ilha de Moçambique: Marca d’Água Publicações e Projetos, 2013.

HENRIQUES, Joana Gorjão. Racismo no País dos Brandos Costumes. Lisboa: Tinta da China, 2018.

HITLER — o “III Reich” — Portugal colonial. Africa. Lisboa, n.º 2, 21/5/1932, p.3.

INGLATERRA: os funerais da sufragista Miss Davisson. Tribuna D’Africa. Lisboa, n.º7 (18), 22/6/1913, p.3.

JERÓNIMO, Miguel Bandeira. Livros Brancos, Almas Negras. Lisboa: ICS, Imprensa de Ciências Sociais, 2010.

JORGE, José A. Pela união dos africanos de Lisboa e toda a África! Pela união de todos os portugueses! Africa. Lisboa, ano XXI, n.º 882-1.º, 11/11/1931, série VIII, p.2.

JOSE DO PATROCINIO. Correio de Africa. Lisboa, n.º 23, 5/1/1922, p.1.

KAGIBANGA, Victor. A questão da ruptura e da continuidade (proto)nacionalista na obra de Mário Pinto de Andrade: uma contribuição ao estudo sociológico do programa de pesquisa do 2.º volume da obra Origens do Nacionalismo Africano. África: Revista Centro de Estudos Africanos.São Paulo: USP, n.º 20-21, p. 285-303, 1998.

LAHON, Didier. O Negro no Coração do Império. Uma memória a resgatar – Séculos XV a XIX. Lisboa: Ministério da Educação, 1999.

LAHON, Didier. O escravo africano na vida económica e social portuguesa do antigo regime. Africana Studia.[S. l]: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, n.º7, 2004, p.76-100.

LAHON, Didier. Da redução da alteridade à consagração da diferença: as irmandades negras em Portugal (séculos XVI-XVIII). São Paulo: Projeto História, n.º 44, jun./2012, p. 5-83.

LEADERS do movimento africano. A Voz D’Africa. Lisboa, 1/7/1930, p.1.

LEGUM, Colin. Pan-Africanism: a short political guide. New York: Frederick A. Praeger, 1965.

LENTIN, Alana. Racism and Anti-racism in Europe. London: Pluto Press, 2004.

LIGA africana: relatório da gerência do conselho director central. Correio de Africa. Lisboa, n.º 1, 22/5/1921, p.3.

MAGALHÃES, José. O movimento pan-africano: Em 1923-1924. Correio de Africa. Lisboa, n.º1, 10/9/1924, p.1.

MARQUES, João Pedro. Sá da Bandeira e o Fim da Escravidão: Vitória da moral, desforra do interesse. Lisboa: ICS, 2008.

MARQUES, João Pedro. Sá da Bandeira e as cortes: o intricado caminho para a abolição da escravidão. In: JERÓNIMO, Miguel Bandeira; MONTEIRO, José Pedro (coord.). O Direito Sobre Si Mesmo: 150 anos da abolição da escravatura no império português. Assembleia da República, 2019.

MATA, Inocência; PADILHA, Laura. (org.). Mário Pinto de Andrade: um intelectual na política. Lisboa: Colibri, 2000.

MENESES, Ayres. Péssimo Caminho. Correio de Africa. Lisboa, n.º29,16/2/1922, p.1.

MENESES, Filipe Ribeiro de. Intervencionistas e anti-intervencionistas. In: ROSAS, Fernando; ROLLO, Maria Fernanda (coord.). História da Primeira República Portuguesa. Lisboa: Tinta da China, 2009, p. 267-276.

MENESES, Filipe Ribeiro de. Sá da Bandeira e as cortes: o intricado caminho para a abolição da escravidão. In: JERÓNIMO, Miguel Bandeira; MONTEIRO, José Pedro (coord.). O Direito Sobre Si Mesmo: 150 anos da abolição da escravatura no império português. [S.l.]:Assembleia da República, 2019.

MUNDO negro: a frente brasileira. A Mocidade Africana. Lisboa, n.º 27, mar/1932, p.1.

NEVES, Olga Maria Lopes Serrão Iglésias. Em defesa da causa africana. Intervenção do grêmio Africano na sociedade de Lourenço Marques. 1908-1938. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 1990.

NO BRAZIL. O Negro. Lisboa, n.º 1, 9/3/1911, p.1.

NOTAS soltas: as mulheres e o voto. Tribuna D’Africa. Lisboa, n.º 7 (18), 22/6/1913, p.1.

OLIVEIRA, Pedro Aires. Portugal’s Empire in the Wake of WWI. e-journal of Portuguese History. vol. 15, n.º 1, jun./2017, p. 129-152.

O MOVIMENTO em prol da independência da india assume aspectos de extrema gravidade. A Voz D’Africa, Lisboa, 1/7/1930, p.5.

O MOVIMENTO nacionalista e o partido nacional africano defendem a raça negra. Africa. Lisboa, n.º 1, 14/5/1932, p.7.

O MOMENTO político. Africa. Lisboa, n.º 11, 28/7/1932, p.1.

O NEGRO. Lisboa, n.º 1, 9/3/1911, p.2-3.

PADMORE, George. Panafricanisme ou Communisme? La prochaine lute pourl’Afrique. Paris: PrésenceAfricaine, 1960.

PARCIALIDADES. O Negro. Lisboa, n.º 1, 9/3/1911, p.2.

PEREIRA, Aristides. O meu testemunho — uma luta, um partido, dois países. Lisboa: Editorial Notícias, 2003.

PEREIRA, Amílcar Araújo. “O Mundo Negro”: a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil(1970-1995). Tese (Doutorado). Universidade Federal Fluminense. [S.l.], 2010.

PEREIRA, José; VARELA, Pedro. A história silenciada do movimento negro em Portugal (1911-1933). Le Monde Diplomatique – versão portuguesa. out./2019, p.38-39.

PESSÁNT, Phélix. Ainda Existirá Escravatura no Século XX. Mocidade Africana. Lisboa, n.º 24, dez./1931, p.4.

PIMENTA, Fernando Tavares. Portugal e o século XX Estado-Império e descolonização (1890-1975). Porto: Edições Afrontamento, 2010.

PIMENTEL, Maria do Rosário. Sá da Bandeira e o estatuto do liberto; dos ideais ao pragmatismo político. In: MONTEIRO, Maria do Rosário; PIMENTEL, Maria do Rosário; LOURENÇO, Vítor Marçal. Marquês de Sá da Bandeira e o seu tempo.Academia Militar – Centro de História da Cultura, 2013, p.51-68.

POLITICA da liga africana. Correio de Africa. Lisboa, n.º3, 22/6/1921, p.1.

PRETOS e brancos. F. M. A Mocidade Africana. Lisboa, n.º 2, 1/2/1930, p.2.

PROENÇA, Maria Cândida. A questão Colonial. In: ROSAS, Fernando; ROLLO, Maria Fernanda (coord.). História da Primeira República Portuguesa. Lisboa: Tinta da China, 2009, p. 205-228.

RAMOS, Joaquim. Os africanos residentes na Metrópole vão às urnas eleitorais? Tribuna D’Africa. Lisboa, n.º 10,11,12,13, out./1932, p.4.

REFLICTAMOS. O Negro. Lisboa, n.º1, 9/3/1911, p.1.

REGINALDO, Luciene. África em Portugal: devoções, irmandades e escravidão no Reino de Portugal, século XVIII. História [online]. São Paulo, n.º 28 (1), 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br>.DOI disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0101-90742009000100011>.

REVOLTA de Bissau: uma violência sem nome. A Nova Pátria. Lisboa, n.º 2, 22/1/1916, p.1.

RIBEIRO, Amancio da Silva. Desmascarando os que atraiçoam a maioria dos membros da Liga Africana de Lisboa. O Protesto Indigena. Lisboa, n.º 1, 21/11/1921, p. 1.

RODRIGUES, Anabela; et al. A urgência de um combate real às desigualdades étnico-raciais e ao racismo. Le Monde Diplomatique – versão portuguesa, fev./2017, p.6-7.

ROLDÃO, Cristina. Feminismo negro em Portugal: falta contar-nos. Jornal Público. 18/1/2019. Disponível em: <https://www.publico.pt/2019/01/18/culturaipsilon/noticia/feminismo-negro-portugal-falta-contarnos-1857501>.

ROSAS, Fernando; ROLLO, Maria Fernanda. Introdução. In: ROSAS, Fernando; ROLLO, Maria Fernanda (orgs). História da Primeira República Portuguesa. Lisboa: Tinta da China, 2009.

SANTOS, Eduardo Manuel Cardoso dos. Pan-africanismo: de ontem e de hoje. Lisboa: Edição do autor, 1969.

SERRA, João B. A evolução política (1910-1917). In: ROSAS, Fernando; ROLLO, Maria Fernanda (org). História da Primeira República Portuguesa. Lisboa: Tinta da China, 2009.

SIM, p’ra frente! Tribuna D’Africa. Lisboa, n.º 1 (12), 20/2/1913, p.1.

THOMPSON, Vincent Bakpetu. Africa and unity: the evolution of Pan-Africanism. London: Longman, 1973.

TINHORÃO, José Ramos. Os Negros em Portugal: Uma Presença Silenciosa. Lisboa: Caminho, 1988.

VARELA, Pedro; PEREIRA, José. As origens do movimento negro e da luta antirracista em Portugal. Buala. 8/1/2019. Disponível em: <https://www.buala.org/pt/mukanda/as-origens-do-movimento-negro-e-da-luta-antirracista-em-portugal-no-seculo-xx-a-geracao-de-1>.

VASCONCELOS, José Leite de. Espécime português de raça negra. Boletim de etnografia, Museu Etnológico Português. Lisboa: Imprensa Nacional, 1920.

VAZ, Rodrigues. Mário Domingues: Santomense filho de angolana foi escritor mais fecundo da Língua Portuguesa. Cultura: Jornal Angolano de Artes e Letras. Luanda, 12/6/2012. Disponível em:<http://jornalcultura.sapo.ao/dialogo-intercultural/mario-domingues-santomense-filho-de-angolana-foi-o-escritor-mais-fecundo-da-lingua-portuguesa/fotos>.

VERDE, Monte. Ódio de raça!... Tribuna D’Africa. Lisboa, n.º 10(21), 1/10/1913, p.3.

Downloads

Publicado

2020-09-14

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento