Brasil: políticas de transição e de reconciliação, estratégia de Guerra Fria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.167231

Palavras-chave:

Transição, reconciliação, redes intelectuais, ditadura, Latin American Program

Resumo

Esse artigo analisa a criação e o papel que o Latin American Program of the Woodrow Wilson International Center for Scholars, criado em 1979, ganhou na discussão e na organização de encontros científicos, seminários e congressos sobre as questões da transição e da reconciliação como estratégias de superação das ditaduras, especificamente da brasileira, durante a Guerra Fria. Partimos da constatação de que as atividades do Programa de América Latina do Woodrow Wilson Center for Scholars estabeleceu parâmetros de discussão e estratégias políticas seminais para a legitimaçãodas políticas de alianças ao final da ditadura brasileira na Guerra Fria. Centradas na reconciliação, estas estratégias explicitamente não só visaram salvaguardar a coalizão entre liberais e grupos de direita que sustentava a ditadura como trataram de barrar o avanço de correntes de esquerda ao poder. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizabeth Cancelli, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de História

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas; Livre-docente pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de História e do programa de Pós-graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 

Referências

ALTMAN, David. From Fukuoka to Santiago: Institutionalization of Political Science in Latin America. Political Science and Politics, 39, no 1, 2006.

AMORIM, Felipe Colla. Institucionalização da Ciência Política no Brasil: o Iuperj e a Fundação Ford. USP, mimeo, 2017.

ARAUJO, Maria Paula Nascimento. A luta democrática contra o regime militar na década de 1970. In: REIS, Daniel Aarão; et al. (Org.). O golpe e a ditadura militar: quarenta anos depois (1964-2004). São Paulo: Edusc, 2004.

AVRITZER, Leonardo. Cultura política, atores sociais e democratização. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Belo Horizonte, v. 10, n. 28. 1995.

AVRIZER, Leonardo. Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

AVRITZER, Leonardo, MILANI, Carlos; BRAGA, Maria do Socorro. A Ciência Política no Brasil: 1960-2015. Rio de Janeiro: Editora FGV/ABCP, 2016

BERMEO, Nancy. Rethinking Regime Change. In: Comparative Politics, v. 22, n. 3, 1990, p. 359-377.

BLANCO, Alejandro. Ciências Sociais no Cone Sul e a gênese de uma elite intelectual (1940-1965). Tempo soc. [online]. 2007, vol.19, n.1, pp. 89-114.

BRZEZINSKI, Zbigniew. America in the Technetronic Age New Questions of Our Time”. Encounter, January 1968, pp. 16-26.

BRZEZINSKI, Zbigniew. Entre duas eras: América, laboratório do mundo. Rio de Janeiro: Artenova, 1971.

BUNCE, Valerie. 1995. Should transitologists be grounded? In: Slavic Review, v. 54, n. 1, p. 111-127.

CANCELLI, Elizabeth. O Brasil na Guerra Fria Cultural: O pós-guerra em releitura. São Paulo: entre[História]/ Intermeios, 2017.

CARDOSO, Fernando Henrique. Autoritarismo e democratização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

CHAVES, Wanderson da Silva; CATTAI, Júlio Barnes P.. “Transição política” e ditadura no Brasil: os anos 1970 e seus agendamentos políticos e intelectuais. In: revista Brasileira de História, São Paulo, v. 39- n 82, set/dez. 2009, pp. 199- 219.

COCHRANE, James D.. U.S. Policy Toward Recognition of Governments and Promotion of Democracy in Latin America since 1963. In: Journal of Latin American Studies, Cambridge University Press, Vol. 4, No. 2 (Nov., 1972), pp. 275-291.

CODATO, Adriano Nervo (ed.). 2006. A political history of the Brazilian transition from military dictatorship to democracy. Rev. Sociol. Polit. vol.2 no.se Curitiba 2006.

D’ARAÚJO, Maria Celina; SOARES, Gláucio Ary Odilon e Castro, Celso – A volta aos quartéis: a memória política sobre a abertura. Rio de Janeiro, Relume-Dumará, 1995.

DICIONÁRIO HOUAIS DA LÍNGUA PORTUGUESA. Rio de Janeiro: Objetiva: 2001.

FISHMAN, Robert. Rethinking State and Regime: Southern Europe’s Transition to Democracy. In: World Politics 42, abril de 1990, 422–40.

FORJAZ, Maria Cecília Spina. A emergência da Ciência Política acadêmica no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 12, n 35, 1997.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. O preço de uma reconciliação extorquida. In: TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir. O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

GUILHOT, Nicolas. The Democracy Markers: Human Rights and The Politics of Global order. NY: Columbia University Press, 2005.

HAGOPIAN, Frances. After Regime Change: Authoritarian Legacies, and the Democratic Future of South America. In: World Politics. Vol. 45, No. 3 (Apr., 1993), pp. 464-500.

HERZ, Mônica. Política cultural externa e atores transnacionais: o caso da Fundação Ford no Brasil. Rio de Janeiro, Iuperj, dissertação (Mestrado), 1989.

HUNTINGTON, Samuel. Democracy’s Third Wave. Journal of Democracy, Vol.2. No.2 Spring 1991.

JUNG, Courtney; SHAPIRO, Ian. South Africa’s Negotiated Transition: Democracy, Opposition, and the New Constitutional Order. Politics & Society, vol. 23, No 3, Sep. 1995, 269-308.

KEINERT, Fábio Cardoso e SILVA, Dimitri Pinheiro. A Gênese da Ciência Política brasileira. Tempo Social, 22, n. 1, 2010.

KRISCHKE, Paulo José Durval da Silva. (Org.) – “Brasil: do ‘milagre’ à ‘abertura’”. São Paulo, Cortez, 1982.

LEMOS, Renato Luís do Couto Neto e. Ditadura, Anistia e Transição Política no Brasil (1964-1979). Rio de Janeiro: Consequência, 2018

LINZ, Juan & STEPAN, Alfred. Problems of Domestic Transition and Consolidation: Southern Europe, South America, and Postcommunist Europe. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1996.

LOWENTHAL, Abraham F. Palabras Preliminares. In: O’Donnell, G., SCHMITTER, P. C., WHITEHEAD, L. . Transiciones desde um gobierno autoritário: perspectivas comparadas – 3. Buenos Aires: Paidós, 1988.

LOWENTHAL, Abraham F. & BITAR, Sérgio. Do regime autoritário à governança democrática: aprender com os líderes políticos para construir o futuro. In: BITAR, Sérgio & LOWENTHAL, Abraham F.. Transições democráticas: ensinamentos dos líderes políticos. São Paulo: Contexto, 2019.

MACIEL, David. Argamassa da Ordem: da ditadura militar à Nova República (1974 – 1985). São Paulo: Xamã, 2004.

MANKE, Albert; BREZINOVÁ, Katerina; BLECHA, Laurin. Leituras conceituais na Guerra Fria: rumo a abordagens transnacionais a partir da perspectiva dos estudos latino-americanos na Europa Oriental e Ocidental. Estudos Históricos, vol.30 no.60. Rio de Janeiro Jan./Apr. 2017.

MARTINS, Roberto Ribeiro - “Liberdade para os brasileiros ; anistia ontem e hoje.” Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2ª ed., 1978.

MOISÉS, José Álvaro. “A transição política ou o longo percurso dentro do túnel”. Anpocs – 8° Encontro Anual, Águas de São Pedro, 1984, 49p. (D); também publicado em Ciências Sociais Hoje, 1985. São Paulo: Cortez/Anpocs, 1985, pp. 8-35 (Anuário de Antropologia, Política e Sociologia).

O’DONNEL, Guillermo e SCHMITTER, Philippe. Transições do regime autoritário: Primeiras conclusões. São Paulo: Vértice, 1988.

O’DONNELL, Guillermo; SCHMITTER, Philippe & WHITEHEAD, Laurence (orgs.). Transiciones desde un gobierno autoritário: perspectivas comparadas -3. Buenos Aires: Paidós, 1988.

O’DONNELL, Guillermo. On the State, Democratization and Some Conceptual Problems. In: World Development 21, 1993, 1355–69;

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Autoritarismo e Transição. São Paulo, Revista da USP, - Dossiê Violência, nº 9, março/maio de 1991.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

REMMER, Karen. “New Wine or Old Bottlenecks? The Study of Latin American Politics,” Comparative Politics, 23 (July 1991).

SCHMITTER, Philippe. Dangers and Dilemmas of Democracy. In: Journal of Democracy, abril 1994, 57–74.

SCOTT-SMITH, Giles; BAUMGÄRTEL, Moriz. New Paradigms, Old Hierarchies? Problems and Possibilities of US Supremacy in a Networked World. International Politics, vol. 48, 2/3, 271-289, 2011.

SEYMOUR, Martin Lipset & SOLARI, Aldo. Elites in Latin America: Oxford University Press, 1967

SMITH, Peter Hopkinson. “Crisis and Democracy in Latin America,” World Politics, 43 (July 1991).

SNYDER, Sarah. Human Rights Activism and the End of The Cold War: a Transnational History of The Helsinki Network. London: University College, 2013.

SOUZA, Maria do Carmo Campello de.. A nova república brasileira: sob a espada de Dâmocles. In: STE+PAN, Alfred. Democratizando o Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

TELES, Edson. Políticas do silêncio e interditos da memória na transição do consenso. In: SANTOS, Cecília Macdowell; TELES, Edson, TELES, Janaina de Almeida. (Orgs.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Aderaldo Hothschild, 2009. p. 578-592. (v. pública. Campinas, v. 21, n. 1, p. 157-187, abr. 2015.

TOLEDO, Caio Navarro de. 1964: o golpe contra as reformas e a democracia. In. REIS FILHO, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). O Golpe e a Ditadura Militar. 40 anos depois (1964-2004). Bauru: Ed. da USC, 2004, p. 67-68;

WEFFORT, Francisco. Por que democracia? In: STEPAN, Alfred. Democratizando o Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

WESTAD, Odd Arne. The Global Cold War: Third World Interventions and the Making of Our Times. New York: Cambridge University Press, 2005.

WHITEHEAD, Laurence. Aspectos internacionales de la democratizacíón. In: O’DONNEL, G., SCHMITTER, P. C., WHITEHEAD, L. . Transiciones desde um gobierno autoritário: perpectivas comparadas – 3. Buenos Aires: Paidós, 1988.

YASHAR, Deborah Jane. Democracy, Indigenous Movements, and the Postliberal Challenge in Latin America. In: World Politics, 52. October 1999.

Downloads

Publicado

2021-03-25

Edição

Seção

DOSSIÊ: Direitas nos Estados Unidos e Brasil durante a Guerra Fria