"O homem, em toda parte é a riqueza da nação": o discurso eugênico na Sociedade de Medicina de Porto Alegre nas décadas de 1920 e 1930

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.167671

Palavras-chave:

Eugenia, Medicina, doenças, venenos raciais, nação

Resumo

A Eugenia, desde seu desenvolvimento como teoria científica por Francis Galton, teve grande difusão por diversos países durante a primeira metade do século XX. Advinda de um período de intensa discussão sobre hereditariedade, influência do meio ambiente e degeneração, a Eugenia assumiu diferentes referenciais na composição de suas propostas, resultando em um corpo teórico bastante heterogêneo e multifacetado. Esse artigo tem por objetivo analisar a difusão do ideário eugênico nos discursos da Sociedade de Medicina de Porto Alegre. Tendo como objeto de estudo o periódico da instituição, o Archivos Rio Grandenses de Medicina, buscamos entender como a ciência eugênica moldou a visão de determinados médicos não só sobre doenças venéreas e patologias infectocontagiosas, mas também sobre temas como reprodução, maternidade, primeira infância, vícios e mortalidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geandra Denardi Munareto, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS. 

Referências

Fontes

ARCHIVOS RIO-GRANDENSES DE MEDICINA. Porto Alegre: ano I – XXI, 1920-1943.

Referências bibliográficas

APPELBAUM, Nancy et all. Race & Nation in Modern Latin America. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2003.

BACUR, Maria. Eugenics. Eugenics in Eastern Europe, 1870s-1945. In: BASHFORD, Alison; LEVINE, Phillipa (Org.). The Oxford Handbook of the History of Eugenics. New York: Oxford University Press, 2010, p. 398-412.

BERTOLLI FILHO, Claudio. História social da tuberculose e do tuberculoso: 1900-1950. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2001.

CABRAL, Dilma. Lepra, medicina e políticas de saúde no Brasil (1894-1934). Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013.

CADAVIZ, Aline Kassick; ABRÃO, Janete Silveira. Pela ordem e progresso da Nação: teoria da degenerescência, estigma e políticas higienistas em uma abordagem sobre a tuberculose e a sífilis. In: GUILHERMANO, Luiz Gustavo et al (Orgs.). Páginas da História da Medicina. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010, p. 275-276.

CARRARA, Sérgio. Tributo a vênus: a luta contra a sífilis no Brasil, da passagem do século aos anos 40. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1996.

CHUNG, Yuehtsen Juliette. Eugenics in China and Hong Kong: Nationalism and Colonialism, 1890s-1940s. In: BASHFORD, Alison; LEVINE, Phillipa (Org.). The Oxford Handbook of the History of Eugenics. New York: Oxford University Press, 2010, p. 258-274.

GRIFFIN, Roger. Modernism and Fascism: The Sense of a Beginning under Mussolini and Hitler. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2007.

LEVINE, Philippa. Eugenics: A Very Short Introduction. New York: Oxford University Press, 2017.

LIMA, Nísia Trindade; HOCHMAN, Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela medicina. O Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da Primeira República. In: MAIO, Marcos Chor (Org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, 1996, p. 23-40.

MELONI, Maurizio. Political Biology - Science and Social Values in Human Heredity from Eugenics to Epigenetics. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2016.

PEARSON, Karl. The Academic Aspect of the Science of National Eugenics. London: Dulau, 1911.

PHILIPTSCHENKO, Iurii Aleksandrovich. The Norwegian eugenic programme (Discussed at meetings of the eugenic society of Leningrad). In: The Eugenics Review. London, vol. 19, n.4, 1928, p. 294–298.

SANTOS, Ricardo Augusto. Pau que nasce torto, nunca se endireita! E quem é bom, já nasce feito? Esterilização, Saneamento e Educação: uma leitura do Eugenismo em Renato Kehl (1917-37). Niterói: UFF, 2008. 257f. Tese de doutorado em História, Departamento de História, Universidade Federal Fluminense, 2008.

SANTOS, Vicente Saul Moreira dos. Filantropia, poder público e combate à lepra (1920-1945). História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, supl. 1, dez. 2011, p.253-274. ISSN: 0104-5970.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Renato Kehl e a eugenia no Brasil: ciência, raça e nação no período entreguerras. Guarapuava: Editora Unicentro, 2019.

STEPAN, Nancy Leys. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005.

TUCKER, William H. The Cattell Controversy - Race, Science and Ideology. Chicago: University of Illinois Press, 2009.

TURDA, Marius. Modernism and Eugenics. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2010.

TURDA, Marius (Ed.). Crafting Humans: From Genesis to Eugenics and Beyond. Göttingen: V&R unipress, 2013.

TURDA, Marius. Eugenics and Nation in Early 20th Century Hungary. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2014.

TURDA, Marius; GILLETTE, Aaron. Latin Eugenics in Comparative Perspective. London: Bloomsbury Academic, 2014.

VIEIRA, Felipe de Almeida. “Fazer a classe”: identidade, representação e memória na luta do sindicato médico do Rio Grande do Sul pela regulamentação profissional (1931-1943). Porto Alegre: UFRGS, 2009. 261f. Dissertação de mestrado em História, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

WEGNER, Robert; SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Eugenia ‘negativa’, psiquiatria e catolicismo: embates em torno da esterilização eugênica no Brasil. In: História, Ciências, Saúde – Manguinhos. Rio de Janeiro, vol.20, n.1, 2013, p.263-288. ISSN 0104-5970. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-59702013005000001.

WEINDLING, Paul. Conceptualising Eugenics and Racial Hygiene as Public Health Theory and Practice. In: Kananen, Johannes; Bergenheim, Sophy; Wessel, Merle (Eds.). Conceptualising Public Health: Historical and Contemporary Struggles over Key Concepts. Abingdon: Routledge, 2018.

Downloads

Publicado

2021-04-13

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento