A Irrigação no Brasil na mira do capital internacional (1964-1975)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.169914

Palavras-chave:

Irrigação, Revolução verde, Ditadura, Dependência, Capital

Resumo

Neste artigo analisamos formas de inserção do capital internacional no Brasil ditatorial com vistas à modernização agrícola. Para tanto, perscrutamos documentação legislativa, periódicos, boletins e livros de contratos que desvelam acordos celebrados entre o Estado e firmas nacionais e estrangeiras, bem como estratégias e formas de atuação que posicionam o território nacional estrategicamente na expansão da Revolução Verde. Demonstramos como o investimento no setor agrícola pôde estar relacionado ao endividamento externo, contribuindo para a condição subordinada e dependente do país em relação aos credores financeiros e especialistas sobre a temática da irrigação. Por fim, avaliamos como o empresariado nacional e alto escalão da política nacional se relacionaram no posicionamento diante dessas alterações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mário Martins Viaja Júnior, Universidade Federal do Ceará

Pós-doutor em História pela Universidade de Coimbra. É professor do Programa de Pós-Graduação em História e do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará – Fortaleza – Ceará – Brasil; e líder do Núcleo de Estudos sobre Memória e Conflitos Territoriais (COMTER). 

Referências

ABREU, Marcelo de Paiva et al. A Ordem do Progresso: cem anos de política econômica republicana (1889-1989). Rio de Janeiro: Editora Campus, 1995.

ALVARO-MOYA, Adoración. Los inicios de la internacionalización de la ingeniería española, 1950-1995. ICE: Revista de economía, nº 849, 2009 (Ejemplar dedicado a: La internacionalización de la empresa española en perspectiva histórica), pags. 97-112.

BARRETO, Vitor Julio Gomes. Da conquista da natureza à conquista da Terra: O imperialismo francês a partir da Geografia Humana de Paul Vidal de la Blache e Jean Brunhes. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2019.

BENAKOUCHE, Rabah. Bazar da dívida externa brasileira. São Paulo: Boitempo, 2013.

BEZERRA DE MELO, Demian. Ditadura “Civil-Militar”?: controvérsias historiográficas sobre o processo político brasileiro no pós-1964 e os desafios do tempo presente. Espaço Plural, vol. XIII, núm. 27, julio-diciembre, 2012.

BIN, Daniel. A superestrutura da dívida: financeirização, classes e democracia no Brasil neoliberal. São Paulo: Alameda, 2017.

BORDEVANE, Juan Días. Modernização da agricultura e cooperação internacional: 25 anos do IICA no Brasil. Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura, Escritório no Brasil, 1990.

BORDIGNON, Talita Francieli. As ações do Estado brasileiro para o desenvolvimento do ensino industrial no Brasil (1946-1971). Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas. SP, Campinas, 2012.

BRAGA, Ana Maria de Fátima Afonso. Tradição camponesa e modernização: experiências e memória dos colonos do perímetro irrigado de Morada Nova. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Ceará. CE, Fortaleza, 2003.

BURSZTYN, Marcel. O poder dos donos: planejamento, e clientelismo no Nordeste. Rio de Janeiro: Garamond; Fortaleza: BNB, 2008.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas Catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Niterói: UFF, 2014.

CHESNAIS, François (org.) A finança mundializada: raízes sociais e políticas, configuração, conseqüências. São Paulo: Boitempo, 2005.

COELHO NETO, Agripino Souza. Trajetórias e direcionamentos da política de irrigação no Brasil: as especificidades da região Nordeste e do Vale do São Francisco. Biblio 3W - REVISTA BIBLIOGRÁFICA DE GEOGRAFÍA Y CIENCIAS SOCIALES, Vol. XV, N. 876, 2010, p. 1-20.

COMPANHIA VALE DO RIO DOCE. A mineração no Brasil e a Companhia Vale do Rio Doce. Rio de Janeiro, 1992.

CRUZ, Paulo Davidoff. As origens da dívida. Lua Nova, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 41-46, set. 1984.

DELGADO, Guilherme Costa. Capital e política agrária no Brasil: 1930-1980. In: SZMRECSÁNYI, Tamás; SUZIGAN, Wilson (orgs.) História econômica do Brasil contemporâneo. São Paulo: Hucitec: Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica: Editora da Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial, 2002.

DÍAS-GEADA, Alba; TÁBOAS, Daniel Lanero. Modelos de modernización para el desarrollismo: el influjo de las propuestas estadounidenses en el Servicio de Extensión Agraria (1955-1975). Universidade de Santiago de Compostela, 2015.

ESTADOS UNIDOS. Relatório Final do Convênio: USAID/ UA/ SUDENE/ UFC. In: PRISCO, José Tarquínio. História, Fatos e reflexões: Depoimento de um professor, pesquisador e gestor universitário. Fortaleza: Fb Editora, 2014. p. 244.

FERREIRA, Carla; OSÓRIO, Jaime; LUCE, Mathias Seibe. Introdução. In: FERREIRA, C.; OSORIO, J.; LUCE, M. (Orgs.). Padrão de reprodução do capital: contribuições da teoria marxista da dependência. São Paulo: Boitempo, 2012, p. 9-20.

FERREIRA, Marcelo José Monteiro; VIANA JÚNIOR, Mário Martins. PONTES, Andrezza Graziella Veríssimo; RIGOTTO, Raquel Maria; ALMEIDA, Diego Gadelha de. Gestão e uso dos recursos hídricos e a expansão do agronegócio: água para quê e para quem? Ciência saúde coletiva [online], 2016, vol.21, n.3, pp.743-752.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital imperialismo: Teoria e história. Rio de Janeiro: EdUFRJ; Editora Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2010.

FREIRE, Dulce. Entre sequeiro e regadio. Políticas públicas e modernização da agricultura em Portugal (século XX). XIV Congresso de História Agrária (pp. 1-14). Badajoz: Universidad Badajoz/SEHA, 2013.

GINZBURG, Carlo. História Noturna: decifrando o sabá. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

GONÇALVES NETO, Wenceslau. Estado e agricultura no Brasil: Política agrícola e modernização econômica brasileira (1960-1980). São Paulo: HUCITEC, 1997.

GUICHARD, Edmond. Les sols du Bassin du Rio Jaguaribe (Brésil). Paris: ORSTOM, 1970.

LANERO, Daniel; FREIRE, Dulce (coords.). Agriculturas e innovación tecnológica en la Península Ibérica (1946-1975). Madrid: Ministerio de Medio Ambiente y Medio Rural Y Marino, 2011.

LIMA FILHO, Sebastião André Alves de. O Que a Escola Superior de Guerra (ESG) Ensinava. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, p. 288, 2011.

MARQUES, Luiz. Capitalismo e colapso ambiental. Campinas, Sp: Editora da Unicamp, 2015.

MENDONÇA, Sonia Regina de. Extensão Rural e hegemonia norte-americana no Brasil. História Unisinos, Vol. 14, N° 2, maio/agosto de 2010, p. 189-196.

MOLINA, Rodrigo Sarruge Molina. Ditadura, agricultura e educação: a ESALQ/USP e a modernização conservadora do campo brasileiro (1964 a 1985). Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. SP, Campinas, 2016.

MORAIS, Clodomir Santos de. História das Ligas Camponesas do Brasil (1969). In: STÉDILE, João Pedro. A Questão Agrária no Brasil: história e natureza das Ligas Camponesas (1954-1964). São Paulo: Expressão Popular, 2012.

MOREIRA, Sérvulo Vicente Moreira. O Sistema de Pesquisa e de Inovação na Alemanha. Radar, N° 42, dez. 2015, p. 39-49.

OLIVEIRA, Francisco de. Elegia para uma (re)ligião: Sudene, Nordeste, Planejamento e conflitos de classe. São Paulo: Boitempo, 2008.

PEREIRA, João Márcio Mendes. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro (1944-2008). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

SANTIAGO, Vandeck. Francisco Julião, as Ligas e o Golpe Militar de 1964 (2004). In: STÉDILE, João Pedro. A Questão Agrária no Brasil: história e natureza das Ligas Camponesas (1954-1964). São Paulo: Expressão Popular, 2012.

SANTOS, Theotonio dos. O nôvo caráter da dependência: grande empresa e capital estrangeiro na América Latina. In: PEREIRA, Luiz (org.). Perspectivas do Capitalismo Moderno: leituras de sociologia do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

SERVILHA, Valdemar. O financiamento da agricultura brasileira. Campinas, SP: [s.n.], 1994.

SILVA, César Roberto Leite da Silva; CARVALHO, Maria Auxiliadora de Carvalho. A Política Cambial Brasileira no Pós-Guerra. IEA, (1987): 31.

SOUSA, Elisângela Maria de Oliveira. O “Novo Modelo De Irrigação” e os Colonos de Morada Nova: Política Para Qual Público?.: Dissertação (Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade) – Universidade Estadual do Ceará. CE, Fortaleza 2005.

TOUSSAINT, Eric. A Bolsa ou a Vida: a dívida externa do Terceiro Mundo - as finanças contra os povos. São Paulo: Fundação Perseu Ramos, 2002.

UMAÑA, Wilson Picado. Breve história semántica de la Revolución Verde. In: LANERO, Daniel; FREIRE, Dulce (coords.). Agriculturas e innovación tecnológica en la Península Ibérica (1946-1975). Madrid: Ministerio de Medio Ambiente y Medio Rural Y Marino, 2011.

VIANA JÚNIOR, Mário Martins. Irrigando a Ditadura: facetas da modernização agrícola no Brasil (1964-1975). Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 30, e0209, maio/ago.2020.

WORSTER, Donald. Para fazer história ambiental. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, 1991.

Downloads

Publicado

2021-06-16

Edição

Seção

Artigos