Um “porto maldito”: epidemias, cotidiano e medo - Santos (1880-1900)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.181578

Palavras-chave:

Epidemias, Medo, Porto, Biopoderes, Higienismo

Resumo

Estes escritos priorizam a análise das epidemias que atingiram Santos entre 1880-1900 num contexto de intensas transformações desta cidade-porto e da difusão das epidemias (febre amarela, varíola, peste bubônica, entre outras) cuja intensidade gerou a alcunha de “porto maldito”. Nesse contexto, discute-se as sensibilidades emergentes diante das vivências cotidianas dos surtos epidêmicos, tais como o medo — aqui observado como sentimento multifacetado, que durante a vigência das epidemias se tornou onipresente atingindo a todos pelo espectro da contaminação e da morte. A investigação encontra-se sedimentada numa ampla e diversificada documentação que inclui manuscritos do Arquivo Público de Santos, relatos de viajantes, imprensa local, nacional e internacional.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Bruno Bortoloto do Carmo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

    Doutor pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), bolsa - Coordenação de Pessoal de Nível Superior/ Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições de Ensino Particulares -CAPES/ PROSUP, nº processo 88887.163171/2018-00. Pesquisador do Museu do Café (Santos-SP) desde 2011.

  • Maria Izilda Santos de Matos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

    Doutora em História pelo Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (1991), onde também se graduou (em 1978). Livre Docente pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP, 2016) e Pós-doutora pela Université Lumiere Lyon 2/França (1997). Professora Titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP e Pesquisadora 1 A do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq

Referências

ÁLVARO, Guilherme. A Campanha sanitária de Santos suas causas e seus efeitos. São Paulo: Edição do Serviço Sanitário do Estado de São Paulo/Casa Duprat, 1919.

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SANTOS. Boletins anuais da ACS. Santos: ACS, 1889.

BERNARDEZ, Manuel. El Brasil, su vida su trabajo, su futuro: itinerario periodístico. Buenos Aires: Ortega y Radaelli, 1908.

BRITO, Saturnino. Saneamento de Santos: projetos e relatórios, v. 7. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943.

BUCCELLI, Vittorio. Libro D’oro Dello Stato di S.Paolo. Roma: Incisión e Stampa dello Stabilimento Fratelli Capaccini, 1910.

BURTON, Richard Francis Explorations of the highlands of the Brazil, publicado em Londres, 1869. Viagens aos planaltos do Brasil, 1941.

CHRONICA da semana. Santos Commercial, Santos, 28/07/1895, Chronica da Semana, p. 1.

EPIDEMICS IN BRAZIL. The Rio News, Rio de Janeiro, 30/07/1895, Local notes, p. 6.

ESPAÇO ESPECIAL do Diario de Noticias: Santos, 95. Diario de Noticias, Rio de Janeiro, 26/03/1889, Telegrammas, p. 1.

ESTADO sanitário de S. Paulo. O Commercio de São Paulo, São Paulo, 17/08/1893, Estado sanitário de S. Paulo, p. 1.

FEBRE AMARELLA. Commercio de Portugal, Lisboa, 03/01/1892, Secção Telegraphica, p. 1.

FEBRE amarela em Santos. Correio da Manhã, Lisboa, 21/07/1893, Telegrammas, p. 2.

O QUE inglez vê. Gazeta de Noticias, Rio de Janeiro, 07/06/1892, p. 1.

MASEFIELD, John. Fever Ship. In: Salt-Water Poems and Ballads. London: Grant Richards, 1902.

MENDONÇA, Carvalho. Chronica. Indicador Santista, Santos, v. 4, p. 16-30, 1887.

MOVIMENTO da barra de Lisboa: Entradas em 19. Commercio de Portugal, Lisboa, 22/03/1892, Secção Maritima, p. 3.

NOTICIAS FALSAS. Correio da Manhã, Lisboa, 31/07/1893, Diario do Brazil, p. 2.

SANTOS. Atas da Intendência Municipal, 21ª Sessão. 17 jun. 1890, p. 114-118. Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos.

SANTOS. Atas da Intendência Municipal. 21ª Sessão. 16 fev. 1893, p. 49-52. Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos.

SANTOS. Atas da Intendência Municipal. Sessão Extraordinaria. 29 jul. 1893, p. 126A-129A. Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos.

SANTOS. Atas da Intendência Municipal. 15ª Sessão. 10 abr. 1890, p. 76-84. Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos.

SANTOS. Atas da Intendência Municipal. 20ª Sessão. 7 fev. 1893, p. 46-48A. Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos.

SANTOS. Câmara Municipal. Livro de Registro de Ofícios, p. 186 e 186A e p. 177A, 178 e 178A. (Fundação Arquivo e Memória). 1876.

SANTOS. Câmara Municipal. Série 6.1.1 Ofícios solicitando execução de medida sanitária, doc. 0037. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). mar. 1876.

SANTOS. Câmara Municipal. Série 6.1.1 Ofícios solicitando execução de medida sanitária, doc. não numerado. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 22 mai. 1889.

SANTOS. Câmara Municipal. Série 6.4.1 Pareceres Apresentados e Emitidos pela Comissão de Higiene e Saúde, doc. não numerado. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 1889.

SANTOS. Correio Paulistano, São Paulo, 10/01/1892, Correio Paulistano, p. 1.

SANTOS. Intendência Municipal. Livro de Atas ordinárias e extraordinárias, p. 1-4A. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 11 nov. 1896.

SANTOS. Intendência Municipal. Livro de Atas ordinárias e extraordinárias, p. 59-63. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 20 mar. 1890.

SANTOS. Intendência Municipal. Livro de Atas ordinárias e extraordinárias, p. 76-84. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 10 abr. 1890.

SANTOS. Intendência Municipal. Livro de Atas ordinárias e extraordinárias, p. 114-118. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 17 jun. 1890.

SANTOS. Intendência Municipal. Livro de Atas ordinárias e extraordinárias, p. 46-48A. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 7 fev. 1893.

SANTOS. Intendência Municipal. Livro de Atas ordinárias e extraordinárias, p.126A-129A. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 29 jul. 1893.

SANTOS. Intendência Municipal. Livro de Atas ordinárias e extraordinárias, p.49-52. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 16 fev. 1893.

SANTOS. Prefeitura Municipal. Recenseamento da cidade e município de Santos. (Fundação Arquivo e Memória de Santos, Santos/SP). 31 dez. 1913.

S. PAULO. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 09/05/1893, Telegrammas, p. 1.

THE RIO News (RJ), p.3. (Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro-RJ). 21 mar. 1893.

Bibliografia

ANDRADE, Carlos Roberto Monteiro. Peste e o plano: o urbanismo sanitarista do engenheiro Saturnino de Brito. Dissertação de Mestrado em História, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

AMORIM, Pietro Marchesini. A medicina social e as medidas sanitárias em Santos (1870-1889). Trabalho de Conclusão de Curso em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

ATANES, Alessandro. O Horror vem pelo Porto. In: Esquinas do Mundo: ensaios sobre história e literatura a partir do porto de Santos. São Paulo: Dobra Universitária, 2011.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Dos Micróbios aos Mosquitos: Febre amarela e a revolução pasteuriana no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1999.

BERNARDINI, Sidney Piochi. Os planos da cidade: as políticas de intervenção urbana em Santos de Estevan Fuertes a Saturnino de Brito (1892-1910). São Carlos: Rima, 2006.

BLUME, Luiz Henrique dos Santos. Moradia da população pobre no final do século XIX. Mestrado em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.

CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril: Cortiços e Epidemias na corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CORBIN, Alain. O território do Vazio: a praia e o imaginário ocidental. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

CRUZ, Maria Cecília Velasco e. O porto do Rio de Janeiro no século XIX: Uma realidade de muitas faces. Tempo, Rio de Janeiro, v. 8, p. 1-18, 1999.

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente (1300-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do Estado e civilização, v. 2. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o cuidado de si, v. 3. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FOUCAULT, Michel. O nascimento do Hospital. In: Microfisíca do poder. Rio de Janeiro: Editora Graal, 2013.

FRANCO, Jaime. A Beneficência. São Paulo: Gráfica da Revista dos Tribunais Ltda. 1951.

GAMBETA, Wilson Roberto. Soldados da Saúde: A formação dos serviços de saúde pública em São Paulo (1889-1918). Dissertação de Mestrado em História, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

GITHAY, Lúcia Caira. Ventos do Mar: trabalhadores do Porto, movimento operário e cultura urbana em Santos, 1889-1914. São Paulo: Editora Unesp, 1992, p. 41-42.

HONORATO, Cezar. O polvo e o porto: a Companhia Docas de Santos (1888-1914). São Paulo: Hucitec, 1996.

LANNA, Ana Lúcia Duarte. Uma cidade na transição: Santos 1870-1930. São Paulo: Hucitec, 1996.

LOPES, Betralda. O porto de Santos e a febre amarela. Dissertação de Mestrado em História, Universidade de São Paulo, 1974.

MATOS, Maria Izilda Santos de & CARMO, Bruno Bortoloto do. Do porto febril à cidade saneada: Ações, representações e narrativas. In: FARIA, Luiz Henrique Portela & PEREIRA, Maria Aparecia Franco (org.). Santos na modernidade capitalista (1870-1930): novas abordagens e releituras de velhas fontes. São Paulo: E-Manuscrito, 2019, p. 67-98.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Espelhos da alma: fisiognomonia, emoções e sensibilidades. Revista Brasileira de História das Religiões, Curitiba, v. 5, n. 14, p. 16-34, 2012.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo et. al. O indivíduo, a sociedade e a doença: contexto, representação social e alguns debates na história das doenças. Khronos. Revista de História da Ciência, Rio de Janeiro, n. 6, p. 31-47, 2018.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo & GOUVÊA, George. O signo da culpa na História das Doenças. In: USOS DO PASSADO: XII ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 12, 2006, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Aperj, 2014, p. 1-7.

PEREIRA, Maria Aparecida Franco. O Comissário de Café no Porto de Santos, 1870-1920. Dissertação de Mestrado em História, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1980.

RIBEIRO, Julio. A Carne. São Paulo: Martin Claret, 1999.

REBELO, Fernanda et.al. O princípio do fim: o “torna-viagem”, a imigração e a saúde pública no Porto do Rio de Janeiro em tempos de cólera. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 47, p. 69-87, 2011.

TELAROLLI JUNIOR, Rodolpho. Poder e Saúde: As epidemias e a formação dos serviços de saúde em São Paulo. São Paulo: EdUNESP, 1996.

VIEIRA, Marina Tucunduva Bittencourt Porto. O Asilo de Órfãos de Santos na engrenagem da cidade. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

VIGARELLO, Georges. Le propre et le sale: L’hygiene du corps depuis la Moyen Age. Paris: Seuil, 2009.

Downloads

Publicado

2022-07-06

Edição

Seção

Ciência, Economia e Trabalho

Como Citar

CARMO, Bruno Bortoloto do; MATOS, Maria Izilda Santos de. Um “porto maldito”: epidemias, cotidiano e medo - Santos (1880-1900). Revista de História, São Paulo, n. 181, p. 1–31, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.181578. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/181578.. Acesso em: 14 abr. 2024.

Dados de financiamento