A Campanha Nacional de Alfabetização e a construção do Estado em Angola, 1975-1980

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.183713

Palavras-chave:

Angola, Política educacional, Alfabetização, Estado pós-colonial, Nacionalismo

Resumo

Este artigo busca examinar os processos de organização e a implementação da Campanha Nacional de Alfabetização promovida em Angola no período imediatamente posterior à independência, tomando-a como uma janela para investigar os dilemas e conflitos que marcaram o nascimento da nova nação e a consolidação do Estado, especialmente no espaço urbano, num contexto de legitimidade contestada e de proliferação de diferentes agendas políticas e interpretações sobre o significado da independência. Utilizando principalmente a cobertura da imprensa escrita e publicações oficiais, este artigo analisa a influência cubana na concepção organizacional e pedagógica da campanha, a fragilidade operacional do Estado em constituição, a atuação política autônoma dos estudantes das cidades – e os esforços do governo para enquadrar seu entusiasmo revolucionário – e a utilização da campanha como uma alavanca para a construção de um sistema universal de educação básica em Angola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Baqueiro Figueiredo, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Departamento de História e dos Programas de Pós-Graduação em História e em Estudos Étnicos e Africanos da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA.

Referências

Fontes

CENTRO NACIONAL DE ALFABETIZAÇÃO (CNA). A luta contra o analfabetismo na República Popular de Angola. Luanda: Ministério da Educação da República Popular de Angola, 1978.

Comunicação pessoal com Pepetela. Mensagem eletrônica enviada ao autor, 19 de setembro de 2012.

Diário de Luanda, Luanda, 1975. Consultado na Biblioteca Nacional de Angola.

Discurso proferido pelo Camarada Presidente Dr. António Agostinho Neto, aos Camaradas da TEXTANG, em 22 de Novembro de 1976, que originou o Dia do Educador. Lançamento da campanha de alfabetização. NOVACULTURA.info. Disponível em: <https://www.novacultura.info/post/2022/03/11/lancamento-da-campanha-de-alfabetizacao>. Acesso em: 10 jul. 2022.

Entrevista com Maria da Conceição Neto realizada em Luanda, em 22 de agosto de 2017.

Entrevista com Pepetela realizada em Lisboa, em 19 de junho de 2011.

Jornal de Angola, Luanda, 1975-1979. Consultado na Biblioteca Nacional de Angola.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DA REPÚBLICA POPULAR DE ANGOLA (MINED). A vitória é certa: a luta continua: manual de alfabetização. Luanda: Ministério da Educação de Angola, 1978.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DA REPÚBLICA POPULAR DE ANGOLA (MINED). Eu sei ler: livro de leitura para o segundo semestre da educação de adultos. Luanda: Ministério da Educação, 1977a.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DA REPÚBLICA POPULAR DE ANGOLA (MINED). Princípios de base para a reformulação do sistema da educação e ensino na República Popular de Angola. [Luanda]: Ministério da Educação, 1977b.

MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO DE ANGOLA (MPLA). Vitória ou morte! Manual de alfabetização (de experiência). [Argel]: MPLA, 1965.

MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO DE ANGOLA. DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA (DEC). A vitória é certa: manual de alfabetização. [Luanda]: MPLA, 1974.

MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO DE ANGOLA – PARTIDO DO TRABALHO (MPLA-PT). Teses e resoluções – 1o congresso. Luanda: INA, 1978.

MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO DE ANGOLA – PARTIDO DO TRABALHO (MPLA-PT). Orientações fundamentais para o desenvolvimento económico-social. Luanda: IN/UEE, 1981.

Referências bibliográficas

ANDRADE, Mário Pinto de. Origens do nacionalismo africano: continuidade e ruptura nos movimentos unitários emergentes da luta contra a dominação colonial portuguesa: 1911-1961. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

ARRUDA, Claudia Maria Calmon. Ensino de História e Política em Angola (1950-1978). Tese de doutorado em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: <http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/10301>. Acesso em: 30 mar. 2021.

BITTENCOURT, Marcelo. Dos jornais às armas: trajectórias da contestação angolana. Lisboa: Vega, 1999.

BITTENCOURT, Marcelo. Estamos juntos! O MPLA e a luta anticolonial (1961-1974). Luanda: Kilombelombe, 2008, 2v.

DULLEY, Iracema. Deus é feiticeiro: prática e disputa nas missões católicas em Angola colonial. São Paulo: Annablume, 2010.

DULLEY, Iracema; SAMPAIO, Luísa Tui. Accusation and legitimacy in the Civil War in Angola. Vibrant: Virtual Brazilian Anthropology, Brasília, v. 17, p. 1-20, 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/vb/a/qBLBGQV3NwfWtpTFtTxvtHL>. Acesso em: 30 mar. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1809-43412020v17a355.

FIGUEIREDO, Fábio Baqueiro. Entre raças, tribos e nações: os intelectuais do centro de estudos angolanos, 1960-1980. Tese de doutorado em Estudos Étnicos e Africanos, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/handle/ri/17799>. Acesso em: 30 mar. 2021.

FIGUEIREDO, Fábio Baqueiro. Batalhas da cultura: cinema e música em Luanda nos dias da independência. In: FURTADO, Claudio Alves; SANSONE, Livio (org.). Lutas pela memória em África. Salvador: EdUFBA, 2019, p. 93-124. Disponível em: <http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31849>. Acesso em: 30 mar. 2021.

FIGUEIREDO, Fábio Baqueiro. Doenças e desvios na independência angolana: higienismo, liamba, kaporroto e kazukuta. In: SANSONE, Livio et al. (org.). Pandemias e utopias: agendas políticas e possibilidades emergentes. Salvador: Cogito, 2021a, p. 97-128. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/handle/ri/33935>. Acesso em: 30 mar. 2021.

FIGUEIREDO, Fábio Baqueiro. Emancipação feminina em questão: tensões e disputas simbólicas na independência angolana. AbeÁfrica: Revista da Associação Brasileira de Estudos Africanos, Rio de Janeiro, v. 6, n. 6, p. 45-80, 2021b. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/abeafrica/article/view/48178>. Acesso em: 30 mar. 2021.

FIGUEIREDO, Leonor. Sita Valles: revolucionária, comunista até à morte (1951-1977). Lisboa: Alêtheia, 2010.

FIGUEIREDO, Leonor. O movimento estudantil em Angola nos anos da descolonização (1974-1975). Dissertação de mestrado em História Contemporânea, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2011. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10362/6995>. Acesso em: 30 mar. 2021.

FIGUEIREDO, Leonor. O fim da extrema-esquerda em Angola: como o MPLA dizimou os comités Amílcar Cabral e a OCA (1974-1980). Lisboa: Guerra & Paz, 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1992.

FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. A África ensinando a gente: Angola, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe. 2. ed. São Paulo: Paz & Terra, 2011.

GLEIJESES, Piero. Conflicting missions: Havana, Washington, and Africa, 1959-1976. Chapel Hill: University of North Carolina, 2002.

HATZKY, Christine. Cubans in Angola: South-South cooperation and transfer of knowledge, 1976-1991. Madison: University of Wisconsin Press, 2015.

HERMAN, Rebecca. An army of educators: gender, revolution and the Cuban literacy campaign of 1961. Gender & History, New Jersey, v. 24, n. 1, p. 93-111, 2012. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1468-0424.2011.01670.x>. Acesso em: 30 mar. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-0424.2011.01670.x.

KEBANGUILAKO, Dinis. A educação em Angola: sistema educativo, políticas públicas e os processos de hegemonização e homogeneização política na primeira república: 1975-1992. Tese de doutorado em Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/handle/ri/20719>. Acesso em: 30 mar. 2021.

LIBERATO, Ermelinda. Avanços e retrocessos da educação em Angola. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 59, p. 1003-1031, 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Dn4CYmKD5W5dw4ygQLBCxzN>. Acesso em: 30 mar. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782014000900010.

MATA, Inocência. Da língua à cultura: alguns aspectos da problemática linguística nos cinco (Angola, Cabo Verde, Moçambique, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe). Quo vadis, Romania? Zeitschrift für eine aktuelle Romanistik, Viena, n. 27, p. 38-45, 2006. Disponível em: <http://www.univie.ac.at/QVR-Romanistik/wp-content/uploads/2018/11/QVR-27-2006.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2021.

MESSIANT, Christine. Luanda (1945-1961): colonisés, société coloniale et engagement nationaliste. In: CAHEN, Michel (org.). “Vilas” et “cidades”: bourgs et villes en Afrique lusophone. Paris: L’Harmattan, 1989, p. 125-199.

MESSIANT, Christine. “Em Angola, até o passado é imprevisível”: a experiência de uma investigação sobre o nacionalismo angolano, em particular, o MPLA: fontes, crítica, necessidades actuais da investigação. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE A HISTÓRIA DE ANGOLA, 2., 1997, Luanda. Atas. Construindo o passado angolano: as fontes e sua interpretação. Lisboa: CNCDP, 1997, p. 803-859.

MESSIANT, Christine. 1961: l’Angola colonial, histoire et société – les premisses du mouvement nationaliste. Basel: P. Schlettwein, 2006.

MOORMAN, Marissa J. Intonations: a social history of music and nation in Luanda, Angola, from 1945 to recent times. Athens: Ohio University Press, 2008.

MOORMAN, Marissa J. Powerful frequencies: radio, State power, and the Cold War in Angola, 1931-2002. Athens: Ohio University Press, 2019.

NETO, Manuel Brito. História e educação em Angola: do colonialismo ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). Tese de doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/362636>. Acesso em: 30 mar. 2021.

PAWSON, Lara. Em nome do povo: o massacre que Angola silenciou. Lisboa: Tinta-da-China, 2014.

PEARCE, Justin. A guerra civil em Angola: 1975-2002. Lisboa: Tinta-da-China, 2017.

PÉCLARD, Didier. Les incertitudes de la nation en Angola: aux racines sociales de l’Unita. Paris: Karthala, 2015.

PÉREZ-CRUZ, Felipe de Jesús. La campaña nacional de alfabetización en Cuba. Varona, La Habana, n. 53, p. 10-23, 2011. Disponível em: <https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=360635575003>. Acesso em: 30 mar. 2021.

PETERS, Christabelle. Cuban identity and the Angolan experience. Basingstoke: Palgrave MacMillan, 2012.

PETERS, Christabelle. Cruzando o Atlântico negro: os cubanos na guerra de Angola. Via Atlântica, São Paulo, v. 1, n. 25, p. 231-251, 2014. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/69819>. Acesso em: 30 mar. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.11606/va.v0i25.69819.

PIMENTA, Fernando Tavares. Angola no percurso de um nacionalista: conversas com Adolfo Maria. Porto: Afrontamento, 2006.

PINTO, Alberto Oliveira. História de Angola: da Pré-História ao início do século XXI. 2. ed. Lisboa: Mercado de Letras, 2017.

SANTAMARTA LUENGOS, Juan Ignacio. La campaña de alfabetización en Cuba (primera parte). Tabanque: Revista pedagógica, Madrid, n. 5, p. 201-216, 1989. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2255885>. Acesso em: 30 mar. 2021.

SANTAMARTA LUENGOS, Juan Ignacio. La campaña de alfabetización en Cuba (segunda parte). Tabanque: Revista pedagógica, Madrid, n. 6, p. 149-159, 1990. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2255798>. Acesso em: 30 mar. 2021.

SUPKO, Ruth A. Perspectives on the Cuban national literacy campaign. Prepared for delivery at the 1998 meeting of the Latin American Studies Association, Palmer House Hilton Hotel, Chicago, Illinois, September 24-26, 1998. Não publicado. Disponível em: <http://biblioteca.clacso.edu.ar/ar/libros/lasa98/Supko.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2021.

TALI, Jean-Michel Mabeko. Dissidências e poder de Estado: o MPLA perante si próprio. Luanda: Nzila, 2001, 2v.

VIEIRA, Laurindo. Angola: a dimensão ideológica da educação, 1975-1992. Luanda: Nzila, 2007.

WHEELER, Douglas L.; PÉLISSIER, René. História de Angola. Lisboa: Tinta-da-China, 2011.

ZAU, Filipe. Educação em Angola: novos trilhos para o desenvolvimento. Luanda: Movilivros, 2009.

Downloads

Publicado

2022-07-18

Como Citar

BAQUEIRO FIGUEIREDO, F. A Campanha Nacional de Alfabetização e a construção do Estado em Angola, 1975-1980. Revista de História, [S. l.], n. 181, p. 1-34, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.183713. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/183713. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

Política, Imprensa e Movimentos Sociais

Dados de financiamento