A modernização da permanência e as mudanças na agropecuária latino-americana durante a Guerra Fria: um estudo a partir da ação dos EUA na organização da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (1973-1979)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.188503

Palavras-chave:

Revolução Verde, Agricultura, Século XX, Brasil, EMBRAPA

Resumo

 

A pesquisa agrícola passa a ser vista ao longo do século XX como fundamental para o desenvolvimento da América Latina. Para atender a demanda, desenvolvem-se institutos de pesquisa agropecuária, visando conceder a essa área o respaldo científico para a empreitada. Nos anos de 1940, há uma intensificação desse processo, visto o papel desempenhado pela ciência na Segunda Guerra Mundial. Em relação ao Brasil, podemos observar a sua materialização através da formação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) nos anos de 1970. Destarte, este artigo tem como objetivo geral analisar a criação dessa instituição no contexto de transformação da produção agrícola mundial, mediante modificações promovidas pela ciência e tecnologia que caracterizaram a Revolução Verde, buscando compreender e analisar a intervenção dos EUA no processo de constituição institucional.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Jefferson Sanches, Universidade Estadual de Campinas

    Doutor em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas, área de História Social da Ciência e Tecnologia. Professor de História no ensino básico público, privado e curso pré-vestibular.

  • Cristina de Campos, Universidade Estadual de Campinas

    Professora colaboradora junto ao Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas. Professora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo da Universidade São Judas Tadeu.

Referências

ADAMS, Dale W. Relatório da Agency for International Development, Washington D.C., Estados Unidos da América. Agricultural development strategies in Brazil (1950-1970).

AGUIAR, Ronaldo Conde. Abrindo o pacote tecnológico: Estado e pesquisa agropecuária no Brasil. São Paulo: Polis/CNPq, 1986.

ALVES, Elizeu. As unidades de difusão de tecnologia da Embrapa. Brasília, 1975. In: COLETÂNEA DE TRABALHOS SOBRE A EMBRAPA. Brasília: 1977.

BUSH, Vannevar. Science, the endless frontier. Washington D.C.: National Science Foundation, 1945.

CABRAL, J. Irineu. Sol da manhã: memória da Embrapa. Brasília: UNESCO, 2005.

CASTRO, Ana C. Ciência e tecnologia para a agricultura: uma análise dos planos de CLEAVER JR., Harry M. The contradictions of Green Revolution. In: The American Economic Review. Pittsburgh, vol. 62, nº. ½, 1972, p. 177-186.

CULLATHER, Nick. Miracles of modernization: the Green Revolution and the apotheosis of technology. In: DIPLOMATIC HISTORY. Oxford, vol. 28, n. 2, 2004, p. 227-254.

DAHLBERG, Kenneth A. Beyond the Green Revolution: the ecology and politics of global agricultural development. Plenum Press, Nova Iorque e Londres, 1979.

DIAS, Rafael de Brito. Sessenta anos de política científica e tecnológica no Brasil. Campinas: Ed. Unicamp, 2012.

FICO, Carlos. O grande irmão da Operação Brother Sam aos anos de chumbo: o governo dos Estados Unidos e a ditadura militar brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

FITZGERALD, Deborah. Exporting american agriculture: The Rockefeller Foundation in Mexico (1943-1953). Social Studies of Science. v. 16, nº. 3, ago.1986, p. 457-483.

FITZGERALD, Deborah. Exporting american agriculture: The Rockefeller Foundation in Mexico (1943-1953). In: CUETO, Marcos. Missionaries of Science: the Rockefeller Foundation and the Latin America. Bloomington: Indiana University Press, 1994.

FUCK, Marcos Paulo. A coevolução tecnológica e institucional na organização da pesquisa agrícola no Brasil e na Argentina. Tese de doutorado, Política Científica e Tecnológica, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

GLAESER, Bernhard. Agriculture between the Green Revolution and ecodevelopment: which way to go? In: GLAESER, Bernhard. The Green Revolution revisited: critique and alternatives. Nova Iorque: Routledge, 2011.

HARRINGTON, Jerome F. SORENSEN, Bill W. O desenvolvimento das terras de Cerrado no Brasil: a experiência do IRI. São Paulo: Ceres, 2004.

HAYAMI, Yujiro; RUTTAN, Vernon W. Desenvolvimento agrícola: teoria e experiências internacionais. Brasília: EMBRAPA- DPU, 1988.

HIRST, Monica. Brasil-Estados Unidos: desencontros e afinidades. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

INTERNATIONAL BANK FOR RECONSTRUCTION AND DEVELOPMENT (IBRD). Loan agreement (Agricultural Research Project) between Federative Republic of Brazil and International Bank for Reconstruction and Development. Washington D.C., 1976.

MENDONÇA, Sonia Regina de. Entidades patronais agroindustriais e a política de pesquisa agropecuária no Brasil (1963- 2003). In: Raízes, v. 32, n. 2. Campinas, 2012.

MENGEL, Alex A. Modernização da agricultura brasileira e pesquisa no Brasil: a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa. 2015. 187 p. Tese de doutorado, Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2015.

MENGEL, Alex Alexandre. A Embrapa e a formação de seus pesquisadores: objetivo, processo e perfil alcançado. In: Desenvolvimento em debate. v.8, nº1, p.65-89. Rio de Janeiro, 2020.

MOORE JR., Barrington. As origens sociais da ditadura e da democracia: senhores e camponeses na construção do mundo moderno. Lisboa: Cosmos, 1967.

MOTOYAMA, Shozo; QUEIROZ, Francisco de Assis; VARGAS, Milton. 1964-1985: sob o signo do desenvolvimento. In: MOTOYAMA, Shozo. Prelúdio para uma história: ciência e tecnologia no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2004.

NEHRING, Ryan. Yield of dreams: marching West and the politics of scientific knowledge in the Brazilian agriculture research corporation (Embrapa). In: Geoforum. Vol. 77, p. 206-217, dez/ 2016.

NETO, Wesceslau Gonçalves. Estado e agricultura no Brasil: política agrícola e modernização econômica brasileira (1960-1980). São Paulo: Hucitec, 1997.

NORTH AMERICAN CONGRESS ON LATIN AMERICA (NACLA). Ciencia y Neocolonialismo. Buenos Aires: Ediciones Periferia, 1971.

OASA, Edmund K. The political economy of international agricultural research: a review of CGIARS response to criticism of the ‘Green Revolution. In: GLAESER, Bernhard. The Green Revolution revisited: critique and alternatives. Nova Iorque: Routledge, 2011.

OASA, Edmund K; JENNINGS, Bruce W. La naturaleza de la investigación social en la agricultura internacional: la experiencia norteamericana, el IRRI y el CIMMYT. In: El Trimestre Económico. Ciudad de Mexico, vol. 49, nº 196, p. 975-1012, out-dez/ 1982.

PERKINS, John. Geopolitics and the Green Revolution: wheat, genes, and the Cold War. Nova Iorque: Oxford University Press, 1997.

RODRIGUES, Cyro Mascarenhas. A pesquisa agropecuária no período do pós-guerra. In: Caderno Difusão Tecnológica. Brasília, v 4, nº 3, p. 205-254, set/dez/ 1987.

SCHOULTZ, Lars. Estados Unidos: poder e submissão. Bauru: EDUSC, 2000.

SERAFIM, Milena P. Agricultura familiar: uma “análise política” das políticas e instituições. Tese de doutorado, Política Científica e Tecnológica Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica, Universidade Estadual de Campinas, 2011.

SHIVA, Vandana. The violence of Green Revolution: Third World agriculture, ecology and politics. Londres: Zed Books, 1993.

TOTA, Antonio Pedro. O imperialismo sedutor: a americanização do Brasil na época da Segunda Guerra. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Edição

Seção

Ciência, Economia e Trabalho

Como Citar

SANCHES, Jefferson; CAMPOS, Cristina de. A modernização da permanência e as mudanças na agropecuária latino-americana durante a Guerra Fria: um estudo a partir da ação dos EUA na organização da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (1973-1979). Revista de História, São Paulo, n. 181, p. 1–35, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.188503. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/188503.. Acesso em: 23 maio. 2024.

Dados de financiamento