Entre os salões e a institucionalização da arte

Autores

  • Graziela Naclério Forte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i162p271-284

Palavras-chave:

Clube de Artistas Modernos, salões culturais, institucionalização do Estado, modernismo, mecenas

Resumo

Este artigo discute os motivos que levaram Flávio de Carvalho, Di Cavalcanti, Antônio Gomide e Carlos Prado a criarem, em novembro de 1932, na cidade de São Paulo, o Clube de Artistas Modernos (CAM), uma agremiação cultural favorável à promoção da arte moderna, sem depender da ajuda financeira dos mecenas. Esta associação apareceu entre a fase final dos salões culturais promovidos pela elite e o início da institucionalização do Estado, da consolidação de um mercado para as artes e do incentivo dado à indústria de massa. Estas mudanças foram fundamentais porque determinaram as novas possibilidades de acesso às oportunidades de trabalho para os artistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-06-30

Edição

Seção

Artigos