Entre os salões e a institucionalização da arte

Autores

  • Graziela Naclério Forte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i162p271-284

Palavras-chave:

Clube de Artistas Modernos, salões culturais, institucionalização do Estado, modernismo, mecenas

Resumo

Este artigo discute os motivos que levaram Flávio de Carvalho, Di Cavalcanti, Antônio Gomide e Carlos Prado a criarem, em novembro de 1932, na cidade de São Paulo, o Clube de Artistas Modernos (CAM), uma agremiação cultural favorável à promoção da arte moderna, sem depender da ajuda financeira dos mecenas. Esta associação apareceu entre a fase final dos salões culturais promovidos pela elite e o início da institucionalização do Estado, da consolidação de um mercado para as artes e do incentivo dado à indústria de massa. Estas mudanças foram fundamentais porque determinaram as novas possibilidades de acesso às oportunidades de trabalho para os artistas.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

2010-06-30

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

FORTE, Graziela Naclério. Entre os salões e a institucionalização da arte . Revista de História, São Paulo, n. 162, p. 271–284, 2010. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.v0i162p271-284. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/19159.. Acesso em: 19 jun. 2024.