Piolin para além do modernismo: modernidade nas décadas 1920 e 1930

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.196187

Palavras-chave:

Palhaço Piolin, Modernidade, Modernismo, Balas Piolin, Desventuras do palhaço Piolin

Resumo

Partindo do anseio modernista por um elemento-síntese da identidade nacional, discutiremos não apenas a eleição do Palhaço Piolin como modelo de brasilidade, mas também como o personagem conseguiu ultrapassar as expectativas dos modernistas, para tornar-se porta-voz da identidade popular e de grupos marginalizados. Utilizando discursos dos modernistas, embalagens das Balas Piolin e histórias em quadrinhos do personagem publicadas na edição infantil de A Gazeta, apontaremos os caminhos pelos quais Piolin tornou-se, nas décadas de 1920 e 1930, símbolo dos modernistas e da modernidade, que marcava a vida cotidiana das cidades brasileiras com inúmeras inovações, como novas técnicas e tecnologias, que permitiram aos populares verem e serem vistos, saindo das margens e circulando, como produto cultural, pelos diferentes segmentos da sociedade.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Camila Jansen de Mello de Santana, Universidade Federal do Paraná

    Doutora em História pela Universidade Federal do Paraná, na Linha de Pesquisa Arte, Memória e Narrativa. Mestre e graduada em História pela UFPR, com pesquisas que se concentram em História do Brasil da primeira metade do século XX.

Referências

Fontes

As desventuras de Piolin. In: A Gazeta: Edição Infantil. São Paulo, n. 54, 11 set. 1930, p. 16.

ALMEIDA JUNIOR, José Ferraz. Caipira picando fumo, tela, 1893, Pinacoteca de SP. Disponível em: <https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Almeida_Júnior_-_Caipira_Cutting_Tobacco_-_Google_Art_Project.jpg>. Acesso em: 30 jun. 2019.

AMARAL, Tarsila do. A Negra. 1923, óleo sobre tela, 100x80 cm. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Disponível em: <https://www.masploja.org.br/poster-a-negra-tarsila>. Acesso em: 14 fev. 2019.

AMOLAÇÃO Interrompida. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra7974/amolacao-interrompida>. Acesso em: 30 jun. 2019. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7

ANDRADE, Joaquim Pedro de. Macunaíma. Produção e Direção de Joaquim Pedro de Andrade. Rio de Janeiro, Difilm, 1969. 1 VHS (108 min.), sonoro, color., 35 mm.

COIMBRA, Carlos. Iracema. Produção e Direção de Carlos Coimbra. Rio de Janeiro, 1979. 1 VHS (93 min.), sonoro, color.

DIÁRIO Oficial da União. 1927. Disponível em: <https://www.jusbrasil.com.br/diarios/2039612/pg-8-secao-1-diario-oficial-da-uniao-dou-de-02-11-1927>. Acesso em: 08 jan. 2016.

DI CAVALCANTI. Piolin visto por Di Cavalcanti. Aquarela, 1922. Coleção D. Lourdes Milliet, São Paulo.

FÁBRICA IRACEMA. Balas Piolin. São Paulo, [1927?]. 113 embalagens.

GOMES, Paulo Emílio Salles. Vontade de crônica sobre o Circo Piolim solidamente armado à Praça Marechal Deodoro. In: CALIL, Carlos Augusto; MACHADO, Maria Teresa (org.), Paulo Emílio: um intelectual na linha de frente. Brasiliense/Embrafilme, São Paulo, 1986.

HELIOS. Piolin comido e comidas para Piolin. São Paulo: Jornal Correio Paulistano. 27/03/1929. p. 7.

LOBATO, Monteiro. Ideias de Jeca Tatu. Disponível em: <http://www.monteirolobato.com/miscelania/jeca-tatuzinho/historia>. Acesso em: 30 jun. 2019.

LOPEZ, Telê Porto Ancona. Os modernistas de São Paulo e o circo. Artigo Suplemento Literário. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 26/04/1969, ano 13, nº 622, última página. apud: DANTAS, Arruda. Piolin. São Paulo: Editora Pannartz, 1980.

MANIFESTO Antropofágico. In: ENCICLOPEDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. São Paulo: Itaú Cultural, 2022. Disponível em: <https://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra35538/manifesto-antropofago>. Acesso em: 10 fev. 2022. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7.

O Estado de S. Paulo, São Paulo, 09/09/1973. Caderno 2, p. 4.

O Estado de S. Paulo, São Paulo, 26/05/1969, p. 24.

Piolin comprou um bonde. A Gazeta, Edição Infantil. São Paulo, 10/10/1929. p. 1.

Piolin desempregado. A Gazeta: Edição Infantil. São Paulo, 10/04/1930. Nº 32, p. 1.

Piolin Garçon... A GAZETA: Edição Infantil. São Paulo, 08/05/1930. p. 3.

PIOLIN: o corpo e a alma do circo. Direção e Roteiro: Walter de Sousa Junior. Produção Lumiar Multimídia. 2015, 59 min.

REIS JÚNIOR, José Maria dos. Retrato de Piolim. Óleo sobre tela, 107,00 cm x 87,00 cm. 1927. Disponível em: <https://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra4643/retrato-de-piolim>. Acesso em: 30 jun. 2019.

ROSA, Maria B. Keller. Adeus, Piolim! Crônica “Cruzeiro do Sul”. Nº 19.845, ano LXX – Sorocaba – Estado de São Paulo. Domingo, 09/09/1973. Caderno 2 – 4.ª página. Cruzeiro Literário.

Referências Bibliográficas

AUMONT. Jacques. A Imagem. Campinas, São Paulo: Papirus, 2012 [1977].

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Tradução Marijane Lisboa. In: CAPISTRANO, Tadeu (org.). Benjamin e a obra de arte: técnica, imagem, percepção. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012 [2012].

BOLOGNESI, Mario Fernando. Palhaços. São Paulo: UNESP, 2003 [2003].

CARDOSO, Rafael (org.). Impresso no Brasil, 1808-1930: Destaques da história gráfica no acervo da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Verso Brasil, 2009 [2009].

CARVALHO SANTOS, Sérgio Ricardo de. O drama impossível: Teatro modernista de Alcântara Machado, Oswald de Andrade e Mário de Andrade. Tese. Programa de Pós Graduação em Literatura Brasileira, do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Doutorado. São Paulo, 2002. [2002] 234 fl.

CASTRO, Lili. Palhaços: multiplicidade, performance e hibridismo. 1ª ed. Rio de Janeiro: Mórula, 2019 [2019].

COSTA, Eliene. Estudo das peças teatrais do palhaço Piolin, entre 1927 e 1967. Salvador: UFBA. VI Reunião Científica da ABRACE – Porto Alegre, 2011. ISSN 2176-9516. Disponível em: <https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/abrace/article/view/2921/3063>. Acesso em: 28 ago. 2022.

DANTAS, Arruda. PIOLIN. São Paulo: Editora Pannartz, 1980 [1980].

GOMBRICH, Ernst Hans. Arte e Ilusão: um estudo da psicologia da representação pictórica. Tradução: Raul de Sá Barbosa. Revisão da tradução: Mônica Stahel. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007 [1959].

GOULART, Paulo Cezar Alves. Álbum de figurinhas: configurações e história. Dissertação (Mestrado em Jornalismo). Escola de Comunicações da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1989 [1989].

KAMINSKI, Rosane. Gosto Brejeiro: as revistas ilustradas e a formação de juízos estéticos em Curitiba (1900-1920). In: BREPHOL, Marion, CAPRARO, André Mendes e GARRAFONI, Renata (org.). Sentimentos na história: linguagens, práticas, emoções. Curitiba: Ed. UFPR, 2012 [2012].

LOBATO, José Bento Renato de Monteiro. Urupês. Obras Completas, 1. São Paulo: Brasiliense, 1918 [1918], p. 277-292.

NUNES, Clarice. (Des)encantos da modernidade pedagógica. In: LOPES, Eliana Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive (org.). 500 anos de educação no Brasil. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000 [2000], p. 606.

OLIVEN, Ruben George. Cultura e Identidade Nacional e Regional. In: MARTINS Carlos Benedito e DUARTE, Luiz Fernando Dias (org.). Horizontes das Ciências Sociais - Antropologia. 1ª ed. São Paulo: Discurso Editorial Bacarolla, 2010 [2010], v. 1, p. 407-430.

PESAVENTO. Sandra Jatahy. Uma outra cidade: o mundo dos excluídos no final do século XIX. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2001 [2001].

QUELUZ. Marilda. Traços urbanos: a caricatura em Curitiba no início do século XX. São Paulo: 2002 [2002]. Tese de Doutorado em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP.

SANTOS, Roberto Elísio dos. Produção editorial de quadrinhos no Brasil: do surgimento ao Gibi. In: SANTOS, Roberto Elísio dos; VERGUEIRO, Waldomiro; RAMOS, Paulo; CHINEN, Nobuyoshi. Gibi: A revista sinônimo de quadrinhos. São Paulo: Via Lettera, 2012 [2012].

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nasce um império nos trópicos. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998 [1998]. p. 49-61.

SILVA, Ermínia. O circo era uma escola única e permanente. 2009 [2009]. Disponível em: <https://www.circonteudo.com/o-circo-era-uma-escola-unica-e-permanente-2/>. Acesso em: 27 ago. 2022.

SILVA, Marcos Antonio da. Caricata República: Zé Povo e o Brasil. Editora Marco Zero: São Paulo, 1990 [1990].

SOUSA JÚNIOR, Walter. As farsas de Piolin: entre o grotesco e a contemporaneidade. In: Repertório Teatro e Dança, UFBA, v. 15, n 2, julho 2010, p. 74-82. Disponível em: <https://periodicos.ufba.br/index.php/revteatro/article/view/5214>, Acesso em 12/03/2022. doi: https://doi.org/10.9771/r.v0i15.5214.

SOUSA JÚNIOR, Walter. Entre o contemporâneo e o grotesco: Piolin e as comédias de picadeiro encenadas entre 1933 e 1960. Relatório científico de pós-doutorado. Universidade de São Paulo – Escola de Comunicações e Artes. 2012 [2012].

Downloads

Publicado

2022-11-04

Edição

Seção

Dossiê 1922/2022: o século da Semana – balanços e perspectivas

Como Citar

SANTANA, Camila Jansen de Mello de. Piolin para além do modernismo: modernidade nas décadas 1920 e 1930. Revista de História, São Paulo, n. 181, p. 1–38, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2022.196187. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/196187.. Acesso em: 15 abr. 2024.

Dados de financiamento