Uma “engraçada e redonda Anna”: a devoção a Santana e o modelo de feminilidade virtuosa nas Minas coloniais (1720-1820)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2023.200151

Palavras-chave:

Santa Ana, imaginária devocional, devoções femininas, Minas Gerais do século XVIII, sociedade patriarcal

Resumo

A observação da abundância de imagens esculpidas de Santa Ana em Minas Gerais datadas entre os séculos XVIII e XIX instigou a pesquisa da qual este artigo resulta e cujo objetivo inicial era identificar os agentes e os motivos da ampla difusão dessa devoção em terras mineiras. Partindo de uma perspectiva da História da Arte, um grupo de aproximadamente 200 imagens foi analisado em termos de fatura, tipologia e iconografia, e os resultados dessa análise foram confrontados com dados provenientes de diferentes áreas do conhecimento. Contra o pano de fundo patriarcal dominante, observou-se que as representações de Santa Ana se tornaram um modelo simbólico de feminilidade para uma burguesia que desejava construir sua imagem e legitimidade. Esse modelo, contudo, acabou por percorrer em profundidade os diferentes extratos sociais, que dele se apropriaram diferentemente.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Letícia Martins de Andrade, Universidade Federal de São João del-Rei

    Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), professora associada do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e coordenadora do Centro de Estudos e Pesquisas em História da Arte e Patrimônio (CEPHAP-UFSJ).

Referências

Fontes

AYALA, Juan Interián de. El pintor christiano y erudito, o tratado de los errores que suelen cometerse frequentemente en pintar y esculpir las imágenes sagradas, tomo II. Madri: Joachín Ibarra 1782. Disponível em: <https://www.cervantesvirtual.com/obra/el-pintor-christiano-y-erudito-o-tratado-de-los-errores-que-suelen-cometerse-frequentemente-en-pintar-y-esculpir-las-imagenes-sagradas--0/>. Acesso em 02 mar. 2023.

AZEVEDO, Sebastião. Ceo mystico. A gloriosíssima senhora S. Anna, mãy da mãy deos e avó de Christo. Lisboa: Antonio Pedrozo Galram, 1725. Disponível em: < https://books.google.com.br/books?id=LboUvwEACAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false>. Acesso em 02 mar. 2023.

BULHOENS. Frei Manoel da Madre de Deus. Sermões em varias solemnidades de Maria SS. Mãy de Deos e Senhora Nossa, pregados na cidade da Bahya. Lisboa,1737. Disponível em: <https://purl.pt/24633>. Acesso em: 02 mar. 2023.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida; CAMPOS, Maria Verônica (orgs.). Códice Costa Matoso. Coleção das notícias dos primeiros descobrimentos das minas na América que fez o doutor Caetano da Costa Matoso sendo ouvidor geral das do Ouro Preto, de que tomou posse em fevereiro de 1749. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro; Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1999. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.mg.gov.br/consulta/verDocumento.php?iCodigo=53683&codUsuario=0>. Acesso em: 02 mar. 2023.

GUSMÃO, Frei Alexandre de. Arte de crear bem os filhos na idade da puericia. Lisboa, 1685.

LANGSDORFF, George Heirtich von; SILVA, Danuzio Gil B. (org.). Os diários de Langsdorff. Vol. 1. Rio de Janeiro e Minas Gerais, 8 de maio de 1824 a 17 de fevereiro de 1825. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1997.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus. Tomo III. Fundações e entradas, sec. XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro; Lisboa: Livraria Portugália, 1945.

MOLANUS, Johannes. Traité des Saintes Images. Tomo I. Paris: Editions du Cerf, 1996 [1570].

PACHECO, Francisco. Arte de la pintura, su antiguedad, y grandezas. Sevilha, 1649. Disponível em: <https://digibug.ugr.es/handle/10481/12000>. Acesso em: 02 mar. 2023.

PAES LEME, Pedro Taques de Almeida Paes; TAUNAY, Afonso de Escragnolle. Nobiliarchia Paulistana histórica e genealógica. 3 vol. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1976. Disponível em: <https://bibliotecadigital.seade.gov.br/view/listarPublicacao.php?lista=0&opcao=5&busca=Nobiliarchia%20paulistana%20historica%20e%20genealogica&listarConteudo=T%C3%ADtulo%20%20%C2%BB%20Nobiliarchia%20paulistana%20historica%20e%20genealogica>. Acesso em: 02 mar. 2023.

POHL, Johann Emanuel. Reise im innern von Brasilien. Vol. 1. Viena: A. Strauss’s Sel. Witwe; J. B. Wallishausser, 1832. Disponível em: <https://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/17962>. Acesso em 05 mai. 2021.

SANTÍSSIMA TRINDADE, Frei Dom José; POLITO, Ronald. Visitas Pastorais de Frei Dom José da Santíssima Trindade – 1821-1825. Belo Horizonte Fundação João Pinheiro; IEPHA, 1998. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.mg.gov.br/consulta/consultaDetalheDocumento.php?iCodDocumento=49459>. Acesso em: 02 mar. 2023.

TRINDADE, Cônego Raimundo. Instituições de igrejas no Bispado de Mariana. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1945. Disponível em: <https://ia804509.us.archive.org/33/items/instituicoesdeig00trin/instituicoesdeig00trin.pdf >. Acesso em: 02 mar. 2023.

TRITHEMIUS, Johannes. De laudibus venerabilis & beatissimae matris Dei genitricis Annae. In: Paralipomena opusculorum Petri Blesensis, et Ioannis Trithem. Colônia, 1624, p. 621-685. [1494-1498]. Disponível em: <https://books.google.be/books?id=agxcAAAAQAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 02 mar. 2023.

SOARES, João Alvares. Sermão da Gloriosa Santa Anna Mãy de Maria SS. Senhora Nossa, na festa que lhe consagrão os Moedeiros na Cathedral da Cidade da Bahia. Lisboa, 1733. Disponível em: <https://purl.pt/28733/4/1674974_PDF/1674974_PDF_24-C-R0150/1674974_0000_capa-capa_t24-C-R0150.pdf >. Acesso em: 23 abr. 2021.

SOUSA, Antonio Caetano de. Agiologio Lusitano, dos santos, e varões ilustres em virtude do Reino de Portugal e suas conquistas. Tomo IV. Lisboa: Regia Officina Sylviana, 1744. Disponível em: <https://bdlb.bn.gov.br/acervo/handle/20.500.12156.3/661>. Acesso em: 02 mar. 2023.

VIVES, Juan Luis; FANTAZZI, Charles. The Education of a Christian Woman: a Sixteenth Century Manual. Chicago; Londres: University of Chicago Press, 2000.

Bibliografia

ABREU, Jean Luiz Neves. As tábuas votivas e a religiosidade popular nas Minas do século XVIII. História Social, Campinas, n. 11, p. 193-210, 2005.

ALGRANTI, Leila Mezan. Educação de meninas na América portuguesa: das instituições de reclusão à vida em sociedade (séc. XVIII e início do XIX). Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 19, n. 2, p. 282-297, 2014. Disponível em: <https://revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/view/7190>. Acesso em 19 set. 2021.

ALGRANTI, Leila Mezan. Escrever, ler e rezar. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 48, n. 1, p. 22-35, 2012. Disponível em: <http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/acervo/rapm_pdf/2013D02.pdf>. Acesso em: 10 abr.

ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da colônia: condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudeste do Brasil, 1750-1822. Brasília, DF: Editora da UnB, 1993.

ALMEIDA, Lilian Pestre de. A presença da Grande Mãe no imaginário brasileiro (formas e motivos barrocos). Organon, Porto Alegre, v. 16, n. 16, p. 172-181, 1989. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/organon/article/view/39500>. Acesso em: 02 mar. 2023. doi: <https://doi.org/10.22456/2238-8915.39500>.

ALVES, Célio Macedo. Quantidade de imagens por invocação. In: COELHO, Beatriz (org.). Devoção e arte. Imaginária religiosa em Minas Gerais. São Paulo: Edusp, 2005.

ANDERSON, Michael Alan. St. Anne in Renaissance Music. Devotion and Politics. Nova York: Cambridge University Press, 2014.

ANDRADE, Francisco Eduardo de. A conversão do sertão. Capelas e a governamentalidade nas Minas Gerais. Varia História. Belo Horizonte, v. 23, nº 37, 2007, p.151-166. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/vh/a/xXGjqWCwXMz8QsxrdDhD6TM/?lang=pt>. Acesso em: 02 mar. 2023. doi: <https://doi.org/10.1590/S0104-87752007000100009>.

ANDRADE, Letícia Martins de. O Trinubium Annae: uma santa, três casamentos, muitas polêmicas. Roda da Fortuna, 11, n. 1, p. 10-52, 2022. Disponível em: <https://www.revistarodadafortuna.com/_files/ugd/3fdd18_e179318bbb8c4eccb16492ad3fb3eb58.pdf>. Acesso em: 01 dez. 2022.

ÁVILA, Affonso. Barroco 16: Minas Gerais: monumentos históricos e artísticos: Circuito do Diamante. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1994.

BARBOSA, Waldemar de Almeida. Dicionário histórico-geográfico de Minas Gerais. Belo Horizonte: Saterb, 1971.

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil: contribuição a uma sociologia das interpenetrações de civilizações, v. 2. São Paulo: Pioneira, 1971 [1960].

BERGMANN, Emilie Louise. A Maternal Genealogy of Wisdom: The Education of the Virgin in Early Modern Spanish Iconography. Confluencia, vol. 24, n° 1, 2008, p.154-160. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/27923327>. Acesso em 02 mar. 2023.

BERGMANN, Emilie Louise. Learning at her mother’s knee? Saint Anne, the Virgin Mary, and the Iconography of women’s literacy. In: CRUZ, Anne & HERNÁNDEZ, Rosilie (ed.). Women’s literacy in early Modern Spain and the New World. Farnham: Ashgate, 2011, p. 243-261.

BOESPFLUG, François. La Sainte Anne des peintres et des sculpteurs. Poitiers: Institut Géopolitique et Culturel Jacques Cartier, 2013. Disponível em: <https://www.institut-jacquescartier.fr/2013/01/la-sainte-anne-des-peintres-et-des-sculpteurs/>. Acesso em: 20 jul. 2018.

BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Minas patriarcal: família e sociedade (São João del Rei, séculos XVIII e XIX). São Paulo: Annablume, 2007.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CARVALHO, Ana Paula Mendes Alves de. Hagiotoponímia em Minas Gerais. Tese de Doutorado em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014. Disponível em: <https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MGSS-9PMR2U>. Acesso em: 31 ago. 2020.

CHARLAND, Paul. Le culte de Sainte Anne en Occident : seconde période : de 1400 (environs) à nos jours. Québec: Imprimerie Franciscaine Missionaire, 1921. Disponível em: <https://archive.org/details/lecultedesaintea00charuoft>. Acesso em: 02 mar. 2023.

COELHO, Beatriz; QUITES, Maria Regina Emery. Tesouro das Minas: análise da Santana Mestra de Sabará. Boletim do CEIB, Belo Horizonte, v. 18, n. 57, p. 1-6, 2014. Disponível em: <https://www.eba.ufmg.br/boletimceib/index.php/boletimdoceib/article/view/7>. Acesso em: 02 mar. 2023.

DEL PRIORE, Mary. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Edunesp, 2009.

DIAS, Paulo. A outra festa negra. In: JANCSO, István; KANTOR, Íris (org.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa, v. 2. São Paulo: Hucitec, 2001, p. 859-890.

ESPÍRITO SANTO, Moisés. Origens orientais da religião popular portuguesa seguido por ensaio sobre toponímia antiga. Lisboa: Assírio e Alvim, 1988.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida. Barrocas famílias: vida familiar em Minas Gerais no século XVIII. São Paulo: Hucitec, 1997.

FURTADO, Júnia Ferreira. Transitoriedade da vida, eternidade da morte: ritos fúnebres de forros e livres nas Minas setecentistas. In: JANCSO, István; KANTOR, Íris (org.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Hucitec, 2001, v. 1, p. 397-416.

FURTADO, Júnia Ferreira. As mulheres nas Minas do ouro e dos diamantes. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas, v. 2. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007, p. 481-504.

GOVONI, Ilario. Gabriel Malagrida: cartas e escritos. Belém: Paka-Tatu, 2012.

GUÉRIOS, Rosario Mansur. Dicionário etimológico de nomes e sobrenomes. São Paulo: Ave Maria, 1973.

GUTIERREZ, Angela (org.). Museu de Sant’Ana: catálogo. Belo Horizonte: Instituto Cultural Flávio Gutierrez, 2014.

HERSTAL, Stanislaw. Imagens religiosas do Brasil. São Paulo: [s. n.], 1956.

HOORNAERT, Eduardo. História da Igreja no Brasil: primeira época: período colonial, v. 2. Petrópolis: Vozes, 2008.

LAMONTAGNE, Denise. Le culte à Sainte Anne en Acadie : étude éthno-historique. Tese de Doutorado em Estudos Quebequenses, Université du Quebec à Trois Rivières, 2002. Disponível em: <https://depot-e.uqtr.ca/id/eprint/6663/>. Acesso em: 02 mar. 2023.

MAGALHÃES, Beatriz R.; SANTOS, Raphael Freitas. Vestígios de formas elementares da instrução em uma comarca mineira setecentista: o ler, escrever e contar. Anais do II Congresso de Pesquisa e Ensino em História da Educação em Minas Gerais (COPEHE). Uberlândia, 2003, p. 1-13. CD-ROM.

MÂLE, Emile. L’Art religieux de la fin du XVIe siècle, du XVIIe siècle e du XVIII siècle : étude sur l’iconographie après le Concilie de Trente. Paris: Armand Colin, 1951.

MARKALE, Jean. Les saints fondateurs de Bretagne et des pays celtes. Paris: Pygmalion; Gérard Watelet, 2002.

MATA, Sérgio da. Chão de Deus: catolicismo popular, espaço e proto-urbanização em Minas Gerais, Brasil: séculos XVIII e XIX. Berlin: Vissenschaftlicher, 2002.

MOTT, Luiz. Rosa Egipcíaca: uma santa africana no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

NACIF, Paulo Cezar Miranda. Diante da pia batismal: as alianças de compadrio em Minas Gerais durante o período colonial. Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014. Disponível em: <https://app.uff.br/riuff;/handle/1/14910>. Acesso em: 02 mar. 2023.

NEMER, José Alberto. A mão devota: santeiros populares das Minas Gerais nos séculos 18 e 19. Rio de Janeiro: Bem-Te-Vi, 2008.

NIERO, Lidiane Almeida. Santos e devoções nas Minas setecentistas: feições da religiosidade católica na comarca do Rio das Mortes (1730-1800). Dissertação de Mestrado em História da Religião, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014. Disponível em: <https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/497>. Acesso em: 02 mar. 2023.

NIXON, Virginia. Mary’s mother: Saint Anne in Late Medieval Europe. University Park: Pennsylvania State University Press, 2004.

OLIVEIRA, Marcelo Almeida. Igreja de N. Senhora das Mercês e Misericórdia em Ouro Preto: religiosidade e rivalidade nas Minas setecentistas. In: FERREIRA-ALVES, Natália Marinho (coord.). A Misericórdia de Vila Real e as misericórdias no mundo de expressão portuguesa. Porto: Cepese, 2010. p. 421-440. Disponível em: <https://www.cepese.pt/portal/pt/publicacoes/obras/a-misericordia-de-vila-real-e-as-misericordias-no-mundo-de-expressao-portuguesa/igreja-de-nossa-senhora-das-merces-e-misericordia-em-ouro-preto-religiosidade-e-rivalidade-nas-minas-setecentistas>. Acesso em: 02 mar. 2023.

OLIVEIRA, Myriam Andrade Ribeiro de. Sant’Ana na imaginária sacra brasileira. In: GUTIERREZ, Angela (org.). O Livro de Sant’Ana. Belo Horizonte: Instituto Cultural Flávio Gutierrez, 2001, p. 8-19.

OLIVEIRA, Myriam Andrade Ribeiro de; CAMPOS, Adalgisa Arantes. Barroco e Rococó nas igrejas de Ouro Preto e Mariana, 2 v. Brasília, DF: IPHAN, Programa Monumenta, 2010.

PANOFSKY, Erwin. Estudos de iconologia: temas humanísticos na arte do Renascimento. Lisboa: Estampa, 1986 [1939].

QUÉRÉ, France. Évangiles apocryphes. Paris: Seuil, 1983, p. 67-85.

RAMOS, Donald. Do Minho a Minas. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 44, n. 1, p. 133-153, 2008. Disponível em: <http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/acervo/rapm_pdf/RAPM%2006%202008_do%20minho%20a%20minas.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2023.

RIBEIRO, Arilda Inês Miranda. Vestígios da educação feminina no século XVIII em Portugal. São Paulo: Arte & Ciência, 2002.

RODRIGUES, Leda Maria. A instrução feminina em São Paulo. São Paulo: Faculdade de Filosofia Sedes Sapientiae, 1962.

RODRIGUES, Lucas. As formas do perene: os oratórios domésticos em Minas Gerais e seus antecedentes europeus: estudo histórico, estilístico e iconográfico (Séc. XVIII-XIX). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2020. Disponível em: <https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/pghis/DissertacaoLucasRodrigues.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2023.

RODRIGUES, Weslley Fernandes. A história em ponto pequeno: prática votiva e culto santoral nas Minas (séculos XVIII e XIX). Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Minas Gerais, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/VGRO-92MGRU>. Acesso em: 02 mar. 2023.

RODRIGUES, Weslley Fernandes. Fragmentos de um quadro ou o que as migalhas do cotidiano nos contam: prática votiva no mundo luso-brasileiro (séculos XVIII e XIX). Tese de Doutorado em História, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: <https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-B94M6K>. Acesso em: 02 mar. 2023.

ROWLAND, Robert. Práticas de nomeação em Portugal durante a Época Moderna: ensaio de aproximação. Etnográfica, Lisboa, v. 12, n. 1, p. 17-43, 2008. Disponível em: <https://journals.openedition.org/etnografica/1590>. Acesso em: 02 mar. 2023.

RUIZ-CALVEZ, Estrella. Religion de ma mère ; religion des mères Sainte-Anne éducatrice : les images de la mère selon l’iconographie de Sainte-Anne : XVe-XVIIe siècles. In: DELUMEAU, Jean (org.). La religion de la mère. Les rôles des femmes dans la transmission de la foi. Paris: Editions du Cerf, 1992, p. 123-155.

SALLES, Fritz Teixeira de. Associações religiosas no ciclo do ouro. São Paulo: Perspectiva, 2007 [1963].

SCHAPIRO, Meyer. “Muscipula diaboli”: the Symbolism of the Mérode Altarpiece. The Art Bulletin, New York, v. 27, n. 3, p. 182-187, 1945.

SCHMITT, Jean-Claude. O corpo das imagens: ensaios sobre a cultura visual na Idade Média. Tradução de José Rivair Macedo. Bauru: Edusc, 2007.

SHEINGORN, Pamela. “The Wise Mother”: the image of St. Anne teaching the Virgin Mary. Gesta, Chicago, v. 32, n. 1, p. 69-80, 1993. Disponível em: <https://www.journals.uchicago.edu/doi/10.2307/767018>. Acesso em: 02 mar. 2023. doi: <https://doi.org/10.2307/767018>.

SOARES, Ernesto. Inventário da colecção de registos de santos. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1955. Disponível em: <https://purl.pt/700>. Acesso em: 02 mar. 2023.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

SOUZA, Maria Beatriz de Mello e. Mãe, mestra e guia: uma análise da iconografia de Sant’Anna. Topoi, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 223-250, 2002. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/topoi/a/rqK4SbNnNLBt5yyN6hkcC6k/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 02 mar 2023.

VALENTE, Waldemar. Sincretismo religioso afro-brasileiro. São Paulo: Companhia Nacional, 1955.

VARTULI, Silvia Maria Amâncio Rachi. Senhoras da Colônia: cultura escrita e inserção feminina em Minas Gerais (1784-1822). Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 13, n. 18, p. 32-63, 2012. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/1861>. Acesso em: 10 abr. 2023. doi: <https://doi.org/10.5752/P.2237-8871.2012v13n18p32>.

VASCONCELLOS, José Leite de. Antroponímia portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1928.

VASCONCELLOS, José Leite de. Tradições populares de Portugal colligidas e annotadas. Porto: Livraria Portuense de Clavel & C. Editores, 1882. Disponível em: <https://archive.org/details/tradicoespopular00vasc>. Acesso em: 09 nov. 2021.

VASCONCELLOS, Salomão de. Mariana e seus templos (era colonial): 1703-1797. Belo Horizonte: Queiroz Breyner, 1938.

VILLALTA, Luiz Carlos. Educação: nascimento, “haveres” e gêneros. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas, v. 2. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007, p. 253-287.

VILLASEÑOR-BLACK, Charlene. St. Anne imagery and maternal archetypes in Spain and Mexico. In: GREER, Alan; BILINKOFF, Jodi (ed.). Colonial Saints: discovering the holy in Americas, 1500-1800. London: Routledge, 2003, p. 3-29.

VOLPE, Maria Alice. Irmandades e ritual em Minas Gerais sob o período colonial: o Triunfo Eucarístico de 1733. Música, São Paulo, v. 8, n. 1-2, p. 6-55, 1997. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/revistamusica/article/view/59977>. Acesso em: 02 mar. 2023. doi: <https://doi.org/10.11606/rm.v8i1/2.59977>.

WELSH, Jennifer. The cult of St. Anne in Medieval and early Modern Europe. London: Routledge, 2017.

WIRTH, Jean. Sainte Anne est une sorcière et autres essais. Genebra: Librairie Droz, 2003.

Downloads

Publicado

2023-12-01

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

ANDRADE, Letícia Martins de. Uma “engraçada e redonda Anna”: a devoção a Santana e o modelo de feminilidade virtuosa nas Minas coloniais (1720-1820). Revista de História, São Paulo, n. 182, p. 1–39, 2023. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2023.200151. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/200151.. Acesso em: 28 maio. 2024.