Paisagens sonoras: memórias de uma cidade fabril (Rio Grande, RS - 1950-1970)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2023.200732

Palavras-chave:

Paisagem sonora, Memória soora, Passado fabril, Fábrica Rheigantz, Fábrica Ítalo-brasileira

Resumo

O artigo aborda a constituição da paisagem sonora industrial da cidade do Rio Grande, Rio Grande do Sul, partir de duas fábricas têxteis: Rheingantz e Ítalo-brasileira (1950-1970). O texto analisa como esta paisagem é evocada por antigos trabalhadores e moradores, partindo de sinais sonoros como o apito da fábrica e outros que remetem ao universo fabril. O artigo se sustenta no conceito de paisagem sonora – soundscape –, de Raymond Murray Schafer, se aproximando do que o autor traduz como “comunidade acústica”. Metodologicamente o artigo se baseia no campo da história das sensibilidades e na importância do regime sensorial para as relações sociais. Os resultados do artigo apontam para um inventário sonoro, para a diversidade de emoções e percepções envolvidas e destacam o papel que os sons desempenham na construção memorial e identitária.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Maria Leticia Mazzucchi Ferreira, Universidade Federal de Pelotas

    Professora titular aposentada e docente permanente no Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural da UFPel. Coordenou, pelo lado brasileiro, o projeto de cooperação com o Laboratoire d’Anthropologie et de Psychologie Cognitives et Sociales, da Universidade de Nice, França, participando de projeto de investigação internacional financiado pela ANR (Agence Nationale de la Recherche) coordenado pelo antropólogo Joël Candau. Possui Pós-Doutorado na Universidade Paris IV, entre 2018-2019 e no Laboratoire d’Anthropologie et d’Histoire de l’Institution de la Culture d’École des Hautes Études en Sciences Sociales (LAHIC-EHESS), entre 2009-2010, ambos na França.

  • Olivia Silva Nery, Universidade Federal de Pelotas

    Doutora em História pela PUC-RS, mestra em Memória Social e Patrimônio Cultural (UFPel) e bacharel em História (FURG). Possui Pós-Doutorado em Memória Social e Patrimônio Cultural e, atualmente, se encontra vinculada ao mesmo Programa em estágio pós-doutoral.

Referências

AUGOYARD, Jean-François. Un instrumentarium urbain. Urbanités Sonores, Paris, p. 13, 1989. Disponível em: <https://hal.science/hal-02104257>. Acesso em: 10 abr. 2023.

ALMEIDA, Fábio Chang de. O historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da internet como fonte primária para pesquisas históricas. Aedos, Porto Alegre, v. 3, n. 8, p. 9-30, 2011. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/aedos/article/view/16776>. Acesso em: 10 abr. 2023.

AMPHOUX, Pascal. L’ecoute paysagere des representations du paysage sonore. In: CHENET, Françoise (org.). Le paysage et ses grilles: actes du Colloque de Cerisy-la-Salle : Paysages? Paysage? Paris: L’Harmattan, 1996.

BATTESTI, Vincent. “L’ambiance est bonne” ou l’évanescent rapport aux paysages sonores au Caire : invitation à une écoute participante et proposition d’une grille d’analyse. In: LE GONIDEC, Marie-Barbara & CANDAU, Joël (org.). Paysages sensoriels : essai d’anthropologie de la construction et de la perception de l’environnement sonore. Aubervilliers: Éditions du CTHS, 2013, p. 70-95.

BODIOU, Lydie Bodiou & MEHL, Véronique. Rouge sang : crimes et sentiments en Grèce et à Rome: précédé d’un entretien avec Françoise Héritier. Paris: Les Belles Lettres, 2015.

CANDAU, Joël. Intersensorialité humaine et cognition sociale. Communications, Paris, v. 86, n. 1, p. 25-36, 2010.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. Tradução de Maria Leticia Ferreira. São Paulo: Contexto, 2011.

CEZARINHO, Filipe Arnaldo. História e fontes da internet: refletindo sobre espaço e autoria. In: NERY, Olivia & BOTH, Amanda (org.). Pesquisando em fontes históricas: experiências e desafios. Belo Horizonte: Letrato, 2022, p. 90 – 107.

CORBIN, Alain. História do Silêncio. Do Renascimento aos nossos dias. Petrópolis: Vozes, 2021

COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 9ª edição. São Paulo: Edunesp, 2010.

COSTA, Tatiele Araujo. A difusão do patrimônio riograndino a partir de acervos fotográficos: a Fábrica Rheingantz em redes sociais. Dissertação de Mestrado em Patrimônio Cultural, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2021.

CROISILE, Bernard. Aproche neurocognitve de la mémoire. Gérotologie et Société, Paris, v. 32, n. 130, p. 11-29, 2009.

FACHEL, José Plínio Guimarães. As violências contra os alemães e seus descendentes, durante a segunda Guerra Mundial, em Pelotas e São Lourenço do Sul. Tese de Doutorado em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

FERREIRA, Maria Letícia. Os três apitos: memória coletiva e memória pública, Fábrica Rheingantz, Rio Grande, RS, 1950-1970. Tese de Doutorado em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

FEBVRE, Lucien. La sensibilité et l’histoire : comment reconstituer la vie affective d’autrefois? Annales d’Histoire Sociale, Paris, v. 3, n. 1-2, p. 5-20, 1941.

GERTZ, René Ernaini. O perigo alemão. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1991.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

HARDMAN, Francisco Foot & LEONARDI, Victor. História da Indústria e do trabalho no Brasil: das origens aos anos vinte. São Paulo: Global, 1982, p. 173.

IZQUIERDO, Ivan. Memória. Porto Alegre: ArtMed, 2002.

MARTINS, Solismar Fraga. Cidade do Rio Grande: industrialização e urbanização (1873-1990). Rio Grande: Editora da FURG, 2016.

MAZUREL, Hervé. De la psychologie des profondeurs à l’histoire des sensibilités : une généalogie intellectuelle, Vingtième Siècle. Revue d’Histoire, Paris, v. 3, n. 123, 2014. Disponível em: <https://www.cairn.info/revue-vingtieme-siecle-revue-d-histoire-2014-3-page-22.htm>. Acesso em: 10 abr. 2023.

MENEGUELLO, Cristina. Das ruas para os museus: a paisagem sonora como memória, registro e criação. Métis: História e Cultura, Caxias do Sul, v. 16, n. 32, p. 22-42, 2017.

MERTZ, Marli. A burguesia industrial gaúcha e suas tentativas de organização: de sua origem a 1930. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 422-444, 1991. Disponível em: <https://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/view/1456>. Acesso em: 10 abr. 2023.

MILNER, Brenda et al. Cognitive Neuroscience review and the study of memory. Neuron, Cambridge, v. 20, n. 3, p. 445-468, 1998.

NERY, Olivia Leal. Santos & C.: a história da fábrica através do seu biscoito: produção, venda, consumo e musealização. Tese de Doutorado em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

OLIVEIRA, Priscila Chagas. Interfaces da memória social: análise do compartilhamento do conjunto de imagens digitais do acervo digital bar ocidente no Facebook. Dissertação de Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2017.

OLIVEIRA, Thiago. A nostalgia no consumo de imagens em páginas de memória no Facebook. Revista Brasileira de História da Mídia, Teresina, v. 5, n. 2, p. 117-133, 2016. Disponível em: <https://revistas.ufpi.br/index.php/rbhm/article/view/4794>. Acesso em: 10 abr. 2023.

PESAVENTO, Sandra & LANGUE, Frédérique (org.). Sensibilidades na história: memórias singulares e identidades sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

PISTRICK, Eckehard & SNARD, Cyril. Landscapes, soundscapes, mindscapes: introduction. Etnográfica, Lisboa, v. 17, n. 3, p. 503-513, 2013. Disponível em: <https://journals.openedition.org/etnografica/3213>. Acesso em: 10 abr. 2023. doi: <https://doi.org/10.4000/etnografica.3213>.

RICOEUR, Paul. La mémoire, h’histoire, l’oubli. Paris: Seuil, 2000.

SANTOS, Paula Wivianne Quirino dos & ALBUQUERQUE, João Pedro Silva. Redes sociais online como espaços de memória: uma visão a partir da página “Recife de antigamente”. Biblionline, João Pessoa, v. 13, n. 3, p. 107-121, 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/article/view/35875>. Acesso em: 10 abr. 2023. doi: <https://doi.org/10.22478/ufpb.1809-4775.2017v13n3.35875>.

SCHAFER, Raymond Murray. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a paisagem sonora. Tradução de Marisa Trench Fonterrada. São Paulo: Edunesp, 2001.

SILVA, Sinésio. Memória dos sons e os sons da memória: uma etnografia musical da Maré. Dissertação de Mestrado em, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

SIMONNOT, Natalie & SIRET, Daniel. Industrial heritage and a sensitive memory: observation on the establishment of a “sensory heritage”. L’Homme et la Société, Paris, n. 192, p. 127-142, 2014. Disponível em: <https://www.cairn-int.info/journal--2014-2-page-127.htm>. Acesso em: 10 abr. 2023.

STERNE, Jonathan. O passado audível: origens culturais da reprodução sonora. Música Popular em Revista, Campinas, v. 7, n. 0, p. e020001, 2020. Disponível em: <https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13425>. Acesso em: 10 abr. 2023. doi: <https://doi.org/10.20396/muspop.v7i00.13425>.

ZAGO, Gabriela & SILVA, Ana Lúcia Migowski. Jornalismo e mídias sociais: a representação da memória coletiva através das apropriações no especial multimídia #memorial1109. Revista Contemporânea Comunicação e Cultura, Salvador, v. 11, n. 1, p. 89-106, 2013.

Publicado

2023-12-01

Edição

Seção

Dossiê História e Culturas Sonoras

Como Citar

MAZZUCCHI FERREIRA, Maria Leticia; NERY, Olivia Silva. Paisagens sonoras: memórias de uma cidade fabril (Rio Grande, RS - 1950-1970). Revista de História, São Paulo, n. 182, p. 1–30, 2023. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2023.200732. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/200732.. Acesso em: 17 abr. 2024.