A persistência da visão: Paulo Emílio Salles Gomes e o Modernismo (1964-1977)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2024.213117

Palavras-chave:

Paulo Emílio, modernismo, herança, Semana de Arte Moderna, Oswald de Andrade

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar determinadas formas de prolongamento do Modernismo em São Paulo. Mais especificamente, trata-se de observar a manifestação desse movimento na trajetória do crítico de cinema Paulo Emílio Salles Gomes entre os anos 1960 e 1970. Situado numa posição singular ante o Modernismo, o crítico articulou, ao longo de sua trajetória, diversas maneiras de lidar com o movimento. Por um lado, é possível aferir o prolongamento do tema nas formulações do crítico sobre a figura de Oswald de Andrade, de quem foi próximo desde os anos 1930. Por outro lado, uma reflexão mais abrangente sobre o Modernismo se cristaliza no início dos anos 1970, num documento em que Paulo Emílio reflete sobre a Semana de 22. Por meio dessas duas perspectivas, espera-se refletir sobre o sentido da atualização do Modernismo no contexto turbulento que se seguiu ao Golpe de 1964.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Victor Vigneron, Escola Móbile

    Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Professor de História na Escola Móbile – São Paulo – São Paulo, Brasil.

Referências

Fontes documentais

Cinemateca Brasileira, Arquivo Paulo Emílio Salles Gomes

APESG-CB CA 0052

APESG-CB CA 0055

APESG-CB CA 0319

APESG-CB CA 0485

APESG-CB CP 0053

APESG-CB CP 0722

APESG-CB CP 0726

APESG-CB PI 0117.01

APESG-CB PI 0266

APESG-CB PI 0268.01

APESG-CB PI 0324

APESG-CB PI 0343

APESG-CB PI 0455

APESG-CB PI 0582

APESG-CB PI 0595

APESG-CB PI 0614

APESG-CB PI 0625

APESG-CB PI 0686

APESG-CB PI 0693

APESG-CB PI 0695

APESG-CB PI 0696

APESG-CB PI 0779

APESG-CB PI 0840

APESG-CB PI 0841

APESG-CB PI 0842

APESG-CB PI 0843

APESG-CB PI 0844

APESG-CB PI 0845

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo

FMACUSP 0001/009

FMACUSP 0029/025

Museu da Imagem e do Som de São Paulo

MIS 00010CIR00001AD

MIS 00010CIR00002AD

MIS 00031PSG00013AD

MIS 00031PSG00028AD

MIS 00031PSG00004AD

MIS 00133MOD00007AD

MIS 00135CMS002935FTa

MIS 00257ATP00027AD

Fontes audiovisuais

ACABA de chegar ao Brasil o bello poeta francez Blaise Cendrars. Dir. Carlos Augusto Calil, Brasil, 1972.

CANTO da raça, O. Dir. José Medina, Brasil, 1941-1943.

DEZ jingles para Oswald de Andrade. Dir. Rolf de Luna Fonseca, Brasil, 1971.

DR. Fantástico. Dir. Stanley Kubrick, Estados Unidos/Reino Unido, 1964.

GAMAL – o delírio do sexo. Dir. João Batista de Andrade, Brasil, 1969.

LINHA geral, A. Dir. Grigori Aleksandrov e Serguei Eisenstein, União Soviética, 1929.

MACUNAÍMA. Dir. Joaquim Pedro de Andrade, Brasil, 1969.

MASH. Dir. Robert Altman, Estados Unidos, 1970.

MEU tio. Dir. Jacques Tati, França/Itália, 1958.

PALHAÇO atormentado. Dir. Rafael Falco Filho, Brasil, 1946.

RAVINA. Dir. Rubem Biáfora, Brasil, 1959.

SANGUE mineiro. Dir. Humberto Mauro, Brasil, 1929.

SUA majestade Piolin. Dir. Suzana Amaral, Brasil, 1971.

TEM coca cola no vatapá. Dir. Rogério Corrêa e Pedro Farkas, Brasil, 1974.

TESOURO perdido. Dir. Humberto Mauro, Brasil, 1927.

TRÊS mosqueteiros, Os. Dir. Miguel M. Delgado, México, 1942.

Bibliografia

ALAMBERT, Francisco. História, arte e cultura: ensaios. São Paulo: Intermeios; Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo, 2020.

AMADO, Jorge. O homem e o cavalo. In: ANDRADE, Oswald de. Panorama do fascismo/O homem e o cavalo/A morta. São Paulo: Globo, 2005 [1934], p. 15-17.

ANDERSON, Perry. Modernidade e revolução. In: Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 14, 1986 [1984], p. 2-15. Trad. Maria Lúcia Montes.

ANDRADE, Mário de. Poesias completas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

ANDRADE, Oswald de. Bilhetinho a Paulo Emílio. In: SALLES GOMES, Paulo Emílio. Paulo Emilio: um intelectual na linha de frente. São Paulo: Brasiliense; Rio de Janeiro: Embrafilme, 1986 [1935], p. 37-40.

ANDRADE, Oswald de. Serafim Ponte Grande. São Paulo: Global, 1989 [1933].

ANDRADE, Oswald de. Ponta de lança. São Paulo: Globo, 2004 [1948].

ANDRADE, Oswald de. Panorama do fascismo/O homem e o cavalo/A morta. São Paulo: Globo, 2005.

ANDRADE, Oswald de. Telefonema. São Paulo: Globo, 2007 [1996].

ANDRADE, Oswald de. Marco Zero II: Chão. São Paulo: Globo, 2008 [1945].

ANDRADE, Rudá de. Carta de Rudá de Andrade. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2013 [1970], p. 65-68.

ASSUNÇÃO, Teodoro. Relações oblíquas com a pornochanchada em ‘P III: duas vezes com Ela’ de Paulo Emílio Sales Gomes. In: Revista do Centro de Estudos Portugueses, Belo Horizonte, v. 28, n. 39, p. 177-203, 2008.

ASSUNÇÃO, Teodoro. O cômico popular em Três mulheres de três PPPês. In: ALMEIDA, Thiago; XAVIER, Nayara (org.). Paulo Emílio: legado crítico. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da Universidade de São Paulo; Cinemateca Brasileira, 2017, p. 233-256.

BARBATO JR., Roberto. Missionários de uma utopia nacional-popular: os intelectuais e o Departamento de Cultura de São Paulo. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2004.

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003 [1985].

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em tempo de cinema: ensaio sobre o cinema brasileiro de 1958 a 1966. São Paulo: Companhia das Letras, 2007 [1967].

BERNARDET, Jean-Claude. Historiografia clássica do cinema brasileiro: metodologia e pedagogia. São Paulo: Annablume, 2008 [1995].

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Trad. Daniela Kern e Guilherme Teixeira. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007 [1979].

CANDIDO, Antonio. Sobre o trabalho teórico. In: TRANS/FORM/AÇÃO, Marília, n. 1, p. 9-23, 1974.

CANDIDO, Antonio. Oswáld, Oswaldo, Ôswald. In: ANDRADE, Oswald de. Um homem sem profissão. Memórias e confissões. Sob as ordens de mamãe. São Paulo: Globo, 2002ª [1990], p. 17-22.

CANDIDO, Antonio. Prefácio inútil. In: ANDRADE, Oswald de. Um homem sem profissão. Memórias e confissões. Sob as ordens de mamãe. São Paulo: Globo, 2002b [1954], p. 11-16.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2013 [1970].

CANDIDO, Antonio. Brigada ligeira. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2017a [1945].

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2017b [1987].

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos (1750-1880). Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul; São Paulo: Fapesp, 2017c [1959].

DOURADO, Ana Karícia. Chanchada: performance do insólito e paradoxo do comediante. Tese (doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

GALVÃO, Maria Rita. Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Embrafilme, 1981.

KINZO, Carla. Amar, verbo intransitivo: conjugações. Dissertação de Mestrado, Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

MENDES, Adilson. Trajetória de Paulo Emilio. Cotia: Ateliê Editorial, 2013.

MELLO, João Manuel Cardoso de; NOVAIS, Fernando A. Capitalismo tardio e sociabilidade moderna. In: NOVAIS Fernando A.; SCHWARCZ, Lilia (org.). História da vida privada no Brasil 4: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 559-658.

MELLO E SOUZA, Gilda de. Exercícios de leitura. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2008 [1980].

MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira (1933-1974): pontos de partida para uma revisão histórica. São Paulo: Editora 34, 2014 [1977].

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o Regime Militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. Arte e política no Brasil: história e historiografia. In: EGG, André; FREITAS, Artur; KAMINSKI, Rosane (org.). Arte e política no Brasil: modernidades. São Paulo: Perspectiva, 2014, p. XV-XLVI.

NAPOLITANO, Marcos. Coração civil: a vida cultural brasileira sob o regime militar (1964-1985). São Paulo: Intermeios; Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo, 2017.

NAPOLITANO, Marcos. Cultura brasileira: utopia e massificação (1950-1980). São Paulo: Contexto, 2020.

PINTO, Pedro Plaza. Paulo Emilio e a emergência do Cinema Novo: débito, prudência e desajuste no diálogo com Glauber Rocha e David Neves. Tese de doutorado, Meios e Processos Audiovisuais, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

PONTES, Heloisa. Destinos mistos: os críticos do Grupo Clima em São Paulo (1940-68). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

RAMOS, Alcides. Historiografia do cinema brasileiro diante das fronteiras entre o trágico e o cômico: redescobrindo a ‘chanchada’. In: Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 2, n. 4, n.p., 2005.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Os festivais de cinema de 1949: México – cinema alemão – e austríaco – filmes enviados pelos pequenos produtores (conclusão). In: O Estado de S. Paulo, 22/07/1950, p. 4.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Jacques Tati e seu último filme: Mon oncle. In: Visão, 12/06/1959a, p. 70-71.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Canto do cisne da produtora, Ravina apresenta boas qualidades. In: Visão, 27/03/1959b, p. 66-67.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Humberto Mauro, Cataguases, Cinearte. São Paulo: Perspectiva; Edusp, 1974.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Crítica de cinema no Suplemento Literário. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1981. v. 2.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Paulo Emilio: um intelectual na linha de frente. São Paulo: Brasiliense; Rio de Janeiro: Embrafilme, 1986.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Cemitério, mais a peça teatral Destinos. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Encontros: Paulo Emílio Sales Gomes. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2014.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. O cinema no século. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Uma situação colonial? São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 2008 [1978].

SOUZA, José Inacio de Melo. Paulo Emilio no Paraíso. Rio de Janeiro: Record, 2002.

TELLES, Lygia Fagundes. Durante aquele estranho chá: memória e ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 2010 [2002].

TELLES, Lúcia. Movimento em construção. Correspondência entre Paulo Emílio Sales Gomes e Décio de Almeida Prado, de junho a agosto de 1935. Dissertação de mestrado, Literatura Brasileira, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

VIGNERON, Victor Santos. Do dois ao três, ou A reprodução da burrice paulista. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 80, p. 68-87, 2021.

VIGNERON, Victor Santos. Paulo Emílio, a última gargalhada. Tese de doutorado, História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2022.

XAVIER, Ismail. Sétima arte: um culto moderno: o idealismo estético e o cinema. São Paulo: Edições Sesc, 2017 [1978].

ZANATTO, Rafael. Paulo Emílio e a cultura cinematográfica: crítica e história na formação do cinema brasileiro (1940-1977). Tese de doutorado, História, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2018.

Publicado

2024-01-22

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

VIGNERON, Victor. A persistência da visão: Paulo Emílio Salles Gomes e o Modernismo (1964-1977). Revista de História, São Paulo, n. 183, p. 1–28, 2024. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2024.213117. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/213117.. Acesso em: 25 jun. 2024.