História e Cultura Sonora: a historicização das escutas e dos sons

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2023.213966

Palavras-chave:

cultura sonora, história das sensibilidades, estudos do som, fonografia, história cultural

Resumo

O artigo traça um panorama da produção recente voltada para a historicização dos sons e das escutas, presente nos textos que compõem o dossiê História e Cultura Sonora. De modo geral, é possível indicar que três grandes correntes predominam nesses trabalhos: os Sound Studies anglófonos, a História das Sensibilidades de tradição francesa e os estudos latino-americanos que, embora inspirados nos dois anteriores, procuram não se limitar às discussões clássicas para refletir sobre as especificidades da produção sonora e dos modos de escuta de suas culturas. O texto também avalia o impacto da fonografia e da digitalização dos acervos sonoros na produção historiográfica no campo da Cultura Sonora.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Virgina de Almeida Bessa, Universidade Estadual de Campinas

    Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp. Pós-doutoranda no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, com bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Científico – CNPq (Processo 102479/2022-4). Pesquisadora da Linha de Investigação em Literatura, Humanismo e Cosmopolitismo do Centro de Estudos Globais, da Universidade Aberta (Portugal).

  • Juliana Pérez González, Universidade de São Paulo

    Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Pesquisadora independente.

  • Cacá Machado, Universidade Estadual de Campinas

    Professor Doutor do Departamento de Música e do Programa de Pós-Graduação em Música do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas, São Paulo, Brasil.

  • José Geraldo Vinci de Moraes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia

    Livre-Docente. Professor Associado 3 do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e do Programa de Pós-Graduação em História Social da mesma instituição. Pesquisador PQ1 do CNPq.

Referências

ANDRADE, Oswald. Serafim Ponte grande. São Paulo: Companhia das Letras, 2022 [1933].

APROBATO FILHO, Nelson. Kaleidosfone. As novas camadas sonoras da Cidade de São Paulo. Fins do século XIX, início do XX. São Paulo: Edusp, 2008.

APROBATO FILHO, Nelson. Zoo-sonoridades urbanas. Os animais e seus sons na São Paulo ruidosa e musical (meados do século XIX à primeiras do XX). In: MORAES, José Geraldo Vinci de (org.). Cidade (dis)sonante: culturas sonoras em São Paulo. São Paulo: Intermeios, 2022.

ALEXANDRE-BIDON, Danièle. À cor et à cri. La communication marchande dans la ville médiévale. Communications, v. 90, n. 1, p. 17-34, 2012.

BESSA, Virgínia de Almeida. A escuta singular de Pixinguinha: história e música no Brasil dos anos 1920 e 1930. São Paulo: Alameda, 2010.

BIELETTO, Natalia. Regímenes aurales a través de la escucha musical: ideologías e instituciones en el siglo XX. El oído pensante, v. 7, n. 2, p. 111-134, 2019.

BRITO, Érico de Souza. Acustemologia – Steven Feld. In: PEIXOTO, Fernanda Arêas; BAILÃO, André S. (coord.). Enciclopédia de Antropologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, Departamento de Antropologia, 2019. Disponível em: http://ea.fflch.usp.br/conceito/acustemologia-steven-feld.Acesso 13/09/2023

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Ed. Contexto, 2001.

CANDAU, Joel; GONIDEC, Marie-Barbara ( dir.). Paysages sensoriels. Essai d’anthropologie de la construction et de la perception de l’environnement sonore. France: CTHS, 2013.

CORBIN, Alain. Histoire et anthropologie sensorielle. Anthropologie et Sociétés, v. 14, n. 2, p. 13-24, 1990. https://doi.org/10.7202/015125ar.

CORBIN, Alain. Les cloches de la terre. Paysage sonore et culture sensible dans les campagnes au XIX siècle. Paris: Éditions Flamarion, 1994.

CORBIN, Alain. Historiographie de l’écoute. In: LARRUE, Jean-Marc ; MERVANT-ROUX, Marie-Madeleine. Le son du théâtre: XIXe – XXIe siècle. Paris: CNRS Éditions, 2016 .

CORBIN, Alain. História do silêncio. Do Renascimento aos nossos dias. Petrópolis: Ed. Vozes, 2021.

CORTES, João Carlos D’Avila Paixão. Aspectos da música e fonografia gaúchas. Porto Alegre: Represom, 1984.

CRARY, Jonathan. Técnicas do observador. Visão e modernidade no século XIX. Trad. port. Verrah Chamma. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012 [1990].

DARTON, Robert. Poesia e polícia. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

DOMINGUEZ RUÍZ, Ana Lidia. El oído: un sentido, múltiples escuchas. Introducción al dossier “Modos de escucha”. El oído pensante, v. 7, n. 2, p. 92-110, 2019.

CHARLES-DOMINIQUE, Luc. Les paysages sonores en question. In: CANDAU, Joel; GONIDEC, Marie-Barbara (org.). Paysages sensoriels. Lille: CTHS, 2013.

EARLMANN, Veit. Reason and resonance: a history of modern aurality. Nova York: Zone Books, 2010.

EMERIT, Sibylle; PERROT, Sylvain; VINCENT Alexandre. Le paysage sonsore de l´Antiquité. Méthodologie, historiographie et perspectives. Institut Français d’Archeologie Orintale, le Caire, 2015.

FARGE, Arlette. Essai pour une histoire des voix au 18ème siècle. Montrouge: Bayard, 2009.

FELD, Steven. Sound and sentiment: birds, weeping, poetics, and song in kaluli expression. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1982.

FELD, Steven. Estrutura sonora como estrutura social. Soc. e Cult., Goiânia, v. 18, n. 1, p. 177-194, jan./jun. 2015.

FRANCESCHI, Humberto M. Registro sonoro por meios mecânicos no Brasil. Rio de Janeiro: Studio HMF, 1984.

GAY, Peter. A arte de ouvir. In: A experiência burguesa. Da rainha Vitória a Freud. O coração desvelado. São Paulo: Cia. das Letras, 1999. v. 4.

GRONOW, Pekka. The recording industry: an ethnomusicological approach. Thesis . Tampere, Finland: University of Tampere, Department of Folk Tradition, 1996.

GRONOW, Pekka; SAUNIO, Ilpo. An international history of the recording industry. London; New York: Cassell, 1998.

GUTTON, Jean-Pierre. Bruits et sons dans notre histoire. Paris: PUF, 2000.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Edições vértices; Editora Revista dos Tribunais, 1990 [1968].

INGOLD, Tim. Quatro objeções ao conceito de paisagem sonora. In: Estar vivo. Ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Ed. Vozes, 2015 [2011].

IAZZETTA, Fernando. Estudos do som: um campo em gestação. Revista do Centro de Pesquisa e Formação /SESC, São Paulo, p. 146-160, nov. 2015.

JÜTTE, Robert. A history of the senses: from antiquity to cyberspace. Trad. Ing. James Lynn. Cambridge: Cambridge: Polity Press, 2005 [2000].

KRAUSE, Bernie. A Grande orquestra da natureza. Descobrindo as origens da música no mundo selvagem. Rio de Janeiro: Zahar, 2013 [2013].

KITTLER, Friedrich. G. Gramofone, filme, typewriter. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Ed. UFMG / Ed. UERJ, 2019 [1986].

LEVITIN, Daniel J. A música no cérebro. A ciência de uma obsessão humana. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010 [2006].

LOPES, Henrique Massera. Experimentos de uma escuta moderna: a gravação mecânica em estúdios itinerantes na América Latina (1901-1925). LEMS, 2021. Disponível em: http://www.memoriadamusica.com.br/site/images/Resenha_-_Experimentos_de_uma_escuta_moderna__a_gravac%CC%A7a%CC%83o_meca%CC%82nica_em_estu%CC%81dios_itinerantes_na_Ame%CC%81rica_Latina_1901-1925.pdf. Acesso 13/09/2023

MACHADO, Cacá. Entre o passado e o futuro das coleções e acervos de música no Brasil. Revista de História, n. 173, p. 457-484, jul.-dez. 2015. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.100876. Acesso 13/09/2023

MARTINS. José de Souza. Odores, sons e cores: mediações culturais do cotidiano operário. In: A aparição do demônio na fábrica. São Paulo: Editora 34, 2008.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, História visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, n. 45, p. 11-36, 2003.

MORAES, José Geraldo Vinci de. Escutar os mortos com os ouvidos. Dilemas historiográficos: os sons, as escutas e a música. Topoi, Rio de Janeiro, v. 19, n. 38, p. 109-139, maio /ago. 2018. Disponível em: www.revistatopoi.org. Acesso 13/09/2023

MORAES, José Geraldo Vinci de. Cafés com música. Novas práticas culturais e sociabilidades musicais em São Paulo no início do século XX. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 42, n. 89, 2022.

MORAES, José Geraldo Vinci de. Sons e música na oficina da história. Revista de História, v. 157, n. 2, p. 7-13 , 2007.

OFFENSTADT, Nicolas. Cris et cloches. L’expression sonore dans les rituels de paix à la fin du moyen âge. Hypothèses, n. 1, p. 51-58, 1998.

OCHOA GAULTIER, Ana Maria. Aurality: listening and knowledge in Nineteenth-Century Colombia. Durham: Duke University Press, 2014.

OLIVEIRA e Denise da Silva de. “Já escolheu seu disco?” Fonografia, ouvintes e a discoteca pública do distrito federal (1941-1960). Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

OSPINA ROMERO, Sergio. Recording studios on tour: the expeditions of the Victor Talking Machine Company through Latin America, 1903-1926. Tese (Doutorado em Música), Cornell University, 2019.

OSPINA ROMERO, Sergio. A escuta acústica e a gravação mecânica em estúdios itinerantes (1901-1925). Palestra ministrada no SEMINÁRIO INTERNACIONAL 2021 do Laboratório de Estudos da Música e do Som (LEMS), 23 ago. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=3Y_4tOEXoSE&feature=youtu.be. Acesso 13/09/2023

PANCER, Nira. Le silencement du monde. Paysages sonores au haut Moyen Âge et nouvelle culture aurale. Annales. Histoire, Sciences Sociales, Éditions de l’EHESS, ano 72, p. 659-699, 2017.

PÉREZ GONZÁLEZ, Juliana. A indústria fonográfica e a música caipira gravada: uma experiência paulista (1898-1930). Tese (Doutorado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Trad. Bras. Mônica Costa Neto. São Paulo: EXO; Ed. 34, 2005 [2000].

SCHAFER, Murray. A afinação do mundo. Uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a paisagem sonora. 2. ed. Trad. Bras. Marisa Trench Fonterrada. São Paulo: Editora Unesp, 2011 [1977].

SCHMITT, Jean -Claude. Crieurs, cloches, chants et voix d’outre-tombe: les sons au Moyen Âge. Sociétés et Represesentations, n. 49, p. 27-48, 2020.

SIMONNOT, Natalie; SIRET, Daniel. Industrial Heritage and a sensitive memory: observation on the establishment of a “Sensory Heritage”. L’Homme et la Société, v. 192, p. 127-142, 2014.

SMITH, Mark M. Sensing the past: seeing, hearing, smelling, tasting, and touching in history. Berkeley: University of California Press, 2007.

STERNE, Jonathan. The audible past: cultural origins of sound reproduction. Durham, Londres: Duke University Press, 2003.

STERNE, Jonathan. O passado audível: origens culturais da reprodução sonora. Trad. Virginia de Almeida Bessa, Giuliana S. Lima, Juliana Pérez González. Música Popular em Revista, Campinas, v. 7, p. 1-45, 2020 [2003].

STOEVER, Jennifer. The sonic color line: race and the cultural politics of listening. New York: New York University Press, 2016.

THOMPSON, Emily. The soundscape of modernity: architectural acoustics and the culture of listening in America, 1900-1933. Cambridge: MIT Press, 2002.

THOMPSON, Emily. Making noise in the Roaring’Twenties: sound and aural history on the web. The Public Historian, v. 37, n. 4, p. 91-110, nov. 2015.

VINCENT Alexandre. Jouer pour la cité: une histoire sociale et politique des musiciens professionnels de l’Occident romain. Roma: École Française de Rome, 2016.

Publicado

2023-12-01

Edição

Seção

Dossiê História e Culturas Sonoras

Como Citar

BESSA, Virgina de Almeida; GONZÁLEZ, Juliana Pérez; MACHADO, Cacá; MORAES, José Geraldo Vinci de. História e Cultura Sonora: a historicização das escutas e dos sons. Revista de História, São Paulo, n. 182, p. 1–18, 2023. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2023.213966. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/213966.. Acesso em: 23 maio. 2024.

Dados de financiamento