A Sociedade Ipiranga do Rio de Janeiro: tensões e limites da emergência do associativismo abolicionista gradual no Brasil Imperial (1855-1863)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2024.215913

Palavras-chave:

abolicionismo, alforrias, associativismo, escravidão, espaço público

Resumo

O artigo trata da Sociedade Ipiranga (SI) do Rio de Janeiro, voltada à comemoração da independência nacional por meio da concessão de alforrias, e da sua relação com a escravidão. Procura-se compreender se havia abolicionismo nas práticas da SI e como caracterizá-lo. Em termos mais amplos, discute-se a relação entre a escravidão e a constituição do espaço público moderno no Brasil de meados do séc. XIX, avaliando-se suas potencialidades e limitações. Indicam-se ambiguidades das práticas de abolicionismo gradual da SI, seus desdobramentos em âmbito nacional e transnacional, assim como as tensões internas à associação que levaram ao fim de tais práticas, reforçadas pela intervenção do Estado, mediante a aplicação da “Lei dos entraves”, de 1860.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Danilo José Zioni Ferretti, Universidade Federal de São João del-Rei

    Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – FFLCH/USP, professor do Curso de História – Universidade Federal de São João Del Rei – UFSJ.

Referências

Fontes

A MARMOTA. A Marmota Fluminense, Rio de Janeiro, 22-09-1857.

ALMANACK Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro para 1855. Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert, 1853.

ALMANACK Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro para 1855. Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert, 1855.

ALMANACK Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro para 1857. Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert, 1857.

BOAS tardes!, Correio da Tarde, Rio de Janeiro, 05-09-1856.

CORREIO Mercantil, Rio de Janeiro, 03-10-1856.

DECLARAÇÕES, Diário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 17-10-1850.

DEO Gratias, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 12-06-1853.

DEO Gratias, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 14-04-1857.

ESPELHO. Correio da Tarde, Rio de Janeiro, 01-09-1856

ESPELHO. Correio da Tarde, Rio de Janeiro, 10-08-1857.

FO (Foreign Office) 84/994. Brazil: Mr. Jerningham, Mr. Scarlett, Dispatches, may-dec. 1856. Disponível em https://discovery.nationalarchives.gov.uk/details/r/C3560835. Acesso em: 9 out. 2022.

FOLHETIM, Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 10-08-1857

FORO Criminal, Gazeta Forense, Rio de Janeiro, 26-11-1857.

INTERIOR, Bahia. Jornal do Comercio, Rio de Janeiro, 10-07-1855.

LISTA dos sócios da Sociedade contra o Tráfico de Africanos e Promotora da Colonização e Civilização dos Indígenas, O Philantropo, Rio de Janeiro, 04-10-1850.

NOTÍCIAS diversas, Correio Mercantil, 06-08-1857.

NOTÍCIAS diversas, Correio Mercantil, 22-9-1857.

OS ALUNOS, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 05-09-1857.

PELA Diretoria, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 30 agosto 1856.

RIO DE JANEIRO. Chronica Diária. Diario do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 06-08-1856.

SESSÃO em 29 de julho de 1857. Annaes do Parlamento brasileiro. Câmara dos senhores deputados. Sessão de 1857. Rio de Janeiro: Tipografia Imperial e Constitucional de J. Villeneuve e Comp, 1857. Tomo 5.

SETE de setembro. Marmota Fluminense, Rio de Janeiro, 07-08-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, A Marmota Fluminense, Rio de Janeiro, 01-09-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, A Marmota Fluminense, Rio de Janeiro, 16-10-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, Correio da Tarde, Rio de Janeiro,03-08-1856.

SOCIEDADE Ypiranga, Correio da Tarde, Rio de Janeiro, 05-09-1856.

SOCIEDADE Ypiranga, Correio da Tarde, Rio de Janeiro, 09-09-1856

SOCIEDADE Ypiranga, Correio da Tarde, Rio de Janeiro, 29-07-1857

SOCIEDADE Ypiranga, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 22-03-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 23-09-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 24-09-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 27-09-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 07-08-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 07-09-1857.

SOCIEDADE Ypiranga, Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 10-09-1857.

TEATRO de S. Januário, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 03-09-1857.

TRANSCREVEMOS, Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 30-07-1857.

UM POUCO de tudo, Marmota Fluminense, Rio de Janeiro, 14-9-1858.

YPIRANGA, Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 24-09-1857.

Bibliografia

ALMEIDA, Mateus Fernandes de Oliveira. Associativismo, proteção social e poder público no Segundo Reinado: mutuais e beneficentes na pluralização do Espaço Público da Corte (1860-1882). Tese de Doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2014.

ALONSO, Angela. Associativismo avant la lettre – as sociedades pela abolição da escravidão no Brasil. Sociologias, Porto Alegre, a. 13, n. 28, set.-dez. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/soc/a/M5yHngkjXzwdQ6GFtfTtngN/abstract/?lang=pt. Acesso em: 25 abr. 2023. Doi: https://doi.org/10.1590/S1517-45222011000300007.

ARAUJO, Ana Lúcia. Politics of memory. Making slavery visible in the public space. New York: Routledge, 2012.

BERUTE, Gabriel Santos. O comércio de africanos ladinos e crioulos: vila do Rio Grande (1812-1822). História Unisinos, São Leopoldo-RS, v. 10, n. 3, p. 259-272, set./dez. 2006. Disponível em: https://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/view/6180. Acesso em: 5 jun. 2023.

BEZERRA NETO, José Maria. A Segunda Independência. Emancipadores, abolicionistas e as emancipações do Brasil. Almanack, Guarulhos, n. 2, 2º semestre 2011. Disponível em https://www.scielo.br/j/alm/a/bxCsszgYGvWjmPHdvgYCXHB/abstract/?lang=pt. Acesso em: 13 jun. 2023. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/2236-463320110206.

CASTILHO, Celso Thomas. The press and Brazilian narratives of Uncle Tom´s Cabin: slavery and the Public Sphere in Rio de Janeiro, ca.1855. The Americas, v. 76, n. 1, Jan. 2019. Doi: https://doi.org/10.1017/tam.2018.44.

CASTILHO, Celso; COWLING, Camillia. Bancando a liberdade, popularizando a política: abolicionismo e fundos locais de emancipação no Brasil dos anos 1880. Afro-Ásia, Salvador, n 47, 2013. Disponível em https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/21281/13862. Acesso em: 9 jun. 2023.

DAUWE, Fabiano. A libertação gradual e a saída viável: os múltiplos sentidos de liberdade pelo fundo de emancipação de escravos. Dissertação de mestrado em História do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense, 2004.

DRESCHER, Seymour. A sociedade civil e os caminhos para a abolição. História, São Paulo, v. 34, n. 2, jul./dez. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/his/a/THLMwKw6y74y6QXMmBsVGvS/?lang=pt. Acesso em: 13 jun. 2023. Doi: https://doi.org/10.1590/1980-436920150002000057.

FARIA, Sheila de Castro. Aspectos demográficos da alforria no Rio de Janeiro e em São João del Rey entre 1700 e 1850. Anais... XVI ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 2008. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/1776. Acesso em: 10 jun. 2023.

FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

FLORENTINO, Manolo. Alforrias e etnicidades no Rio de Janeiro oitocentistas: notas de pesquisa. Topoi, Rio de Janeiro, set. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/topoi/a/kFXQB9vcfZkrPtcPLFn9QQB/?lang=pt. Acesso em: 10 jun. 2023.

GODOI, Rodrigo Camargo de. Um editor no Império: Francisco de Paula Brito (1809-1861). São Paulo: Edusp; Fapesp, 2016.

GRADDEN, Dale T. O envolvimento dos Estados Unidos no comércio transatlântico de escravos para o Brasil, 1840-1858. Tradução Laura Guedes. Afro-Ásia, Rio de Janeiro, n. 35, 2007.

GUERRA, François-Xavier; LAMPÉRIÈRRE, Annick. Introduccion. In: GUERRA, François-Xavier; LAMPÉRIÈRRE, Annick (org.). Los espacios públicos en Iberoamerica: ambiguedades y problemas. Ciudad do México: Centro de Estudios Mexicanos y Centroamericanos, 2008.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. Os negociantes da praça de comércio do Rio de Janeiro de meados do séc. XIX: estudo do grupo mercantil do Barão de Mauá e sua relação com o Império do Brasil. População e Sociedade, Porto, n. 16, 2008. Disponível em: https://www.cepese.pt/portal/pt/populacao-e-sociedade/edicoes/revista-populacao-e-sociedade-no-16/os-negociantes-da-praca-do-comercio-do-rio-de-janeiro-de-meados-do-seculo-xix-estudo-do-grupo-mercantil-do-barao-de-maua-e-sua-relacao-com-o-imperio-do-brasil. Acesso em: 7 jun. 2023.

HABERMAS, JÜRGEN. Mudança estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. Tradução Denilson Luís Werle. São Paulo: Ed. Unesp 2014 [1962].

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

KARSKY, Barbara. Les liberaux français et l´émancipation des esclaves aux États Unis, 1852-1870. Revue d Histoire moderne et contemporaine, Paris, tome 21, n. 4, oct.-dec. 1974. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/rhmc_0048-8003_1974_num_21_4_2405. Acesso em: 13 jun. 2023. Doi: https://doi.org/10.3406/rhmc.1974.2405.

KRAAY, Hendrik. Entre o Brasil e a Bahia: as comemorações do dois de julho em Salvador, século XIX. Afro-Ásia, Salvador, n. 23, 1999. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/20979. Acesso em: 13 jun. 2023. Doi: https://doi.org/10.9771/aa.v0i23.20979§.

KRAAY, Hendrik. “Sejamos brasileiros no dia de nossa nacionalidade”: comemorações da independência no Rio de Janeiro, 1840-1864. Topoi, Rio de Janeiro, v. 8, n. 14, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/topoi/a/sCFnqdKT8WLN5xHsMFN7NZq/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 13 jun. 2023.

KRAAY, Hendrik. Days of national festivity in Rio de Janeiro, Brazil (1823-1889). Stanford, California: Stanford University Press, 2013.

KRAAY, Hendrik. Bahia´s Independence: popular politics and patriotic festival in Salvador, Brazil, 1824-1900. Montreal; Kingston; London; Chicago: McGill-Queen´s University Press, 2019.

KUNIOCHI, Marcia Naomi. Tráfico, crédito e comerciantes americanos no Brasil na década de 1840. Texto apresentado no 7º Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, Curitiba (UFPR), de 13 a 16 de maio de 2015. Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br. Acesso em: 5 jun. 2023.

LENHARO, Alcir. As tropas da moderação. O abastecimento da corte na formação política do Brasil: 1808-1842. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1993. Biblioteca Carioca, v. 25.

MAMIGONIAN, Beatriz G. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MARETTO, Rodrigo Marins. Tráfico de escravos e escravidão na trajetória do Barão de Nova Friburgo – século XIX. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 25, p. 272-306, set.-dez. 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/maracanan/article/view/49366. Acesso em: 5 jun. 2023.

MARQUESE, Rafael. A dinâmica da escravidão no Brasil: resistência, tráfico negreiro e alforrias, séculos XVII a XIX. Novos Estudo (Cebrap), São Paulo, n. 74, mar. 2006. Disponível em https://novosestudos.com.br/produto/edicao-74/#gsc.tab=0. Acesso em: 9 jun. 2023.

MATTOS, Hebe. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista (Brasil, século XIX). Campinas: Ed. Unicamp, 2013.

MIRANDA, Bruno da Fonseca. Na contramão do Império: o Clube da Lavoura e do Comércio de 1871. Almanack, Guarulhos, n. 28, maio-jun. 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/alm/a/Frg6zZSvB49ghLqvjCbD46R/abstract/?lang=pt. Acesso em: 29 jun. 2022.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade imperial (1820-1840). São Paulo: Hucitec, 2005.

PICATTO, Pablo. A esfera pública na América Latina: um mapa da historiografia. Revista Território e Fronteiras, Cuiabá, v. 7, n. 1, jan.-jun. 2014. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/308. Acesso em: 25 abr. 2023. Doi: https://doi.org/10.22228/rt-f.v7i1.308.

PINHEIRO, Fábio W. A. Os condutores de almas africanas: concentraçao e famílias no tráfico de escravos para Minas Gerais, c. 1809-c.1830. Anais... XIII SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA [Proceedings of the 13th Seminar on the Economy of Minas Gerais], Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais, 2008. Disponível em: https://ideas.repec.org/h/cdp/diam08/078.html. Acesso em: 20 mar. 2023.

REIS, João José. Ganhadores: a greve negra de 1857 na Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

RIBEIRO, Alan dos Santos. The leading commission-house of Rio de Janeiro: os negócios da Maxwell, Wright & Co. (c. 1827-c. 1850). Tiempo & Economía, Bogotá, v. 8, n. 2, jul.-dic. 2021, p. 48-74. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/5745/574572193003/html. Acesso em: 5 jun. 2023.

ROCHA, Antônio Penalves. Ideias antiescravistas da ilustração na sociedade escravista brasileira. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 20, n. 39, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbh/a/JQzMwcYSCM8WSfvtZDrCC9g/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 12 jun. 2023.

RODRIGUES, Jaime. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Unicamp/Cecult, 2000.

SANTOS, Nadja Paraense dos. Passando da doutrina à prática: Ezequiel Correia dos Santos e a farmácia nacional. Química Nova, v. 30, n. 4, 2007. Disponível em: https://quimicanova.sbq.org.br/detalhe_artigo.asp?id=1935. Acesso em: 13 jun. 2023.

SILVA, Antonio Carlos Higino da. Em torno do ‘elemento servil’: escravidão, associacionismo, trabalho compulsório e propriedade privada no Rio de Janeiro 1860-1890. Historiar, v. 10, n. 18, jan.-jul. 2018. Disponível em: https://historiar.uvanet.br/index.php/1/article/view/304. Acesso em: 17 maio 2022.

SOARES, Márcio de Sousa. A remissão do cativeiro: alforrias e liberdade nos Campos dos Goitacazes c. 1750-1830. Tese de doutorado em História no Curso de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, 2006.

SUMMERHILL, William R. Inglorious revolution: political institutions, sovereign debt, and financial underdevelopment in Imperial Brazil. New Haven; London: Yale Universitý Press, 2015.

WINCH, Julie. Manumission societies. In: PALMER, Colin (org.). Enciclopedia of African-American Culture and History. Detroit: Thomson Gale editor, [1996] 2006. v. 4.

YOUSSEF, Alain El. Imprensa e escravidão: política e tráfico negreiro no Império do Brasil (Rio de Janeiro, 1822-1850). Dissertação de mestrado em História Social no Departamento de História da Universidade de São Paulo, 2010.

Downloads

Publicado

2024-05-22

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

FERRETTI, Danilo José Zioni. A Sociedade Ipiranga do Rio de Janeiro: tensões e limites da emergência do associativismo abolicionista gradual no Brasil Imperial (1855-1863). Revista de História, São Paulo, n. 183, p. 1–29, 2024. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2024.215913. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/215913.. Acesso em: 20 jul. 2024.