Política Externa, Tensões Agrárias e Práxis Missionária: os Capuchinhos Italianos e as Relações Entre o Brasil e o Vaticano no Início do Segundo Reinado

Autores

  • Guillermo Palacios El Colegio de México, Centro de Estudios Históricos

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i167p193-222

Palavras-chave:

Capuchinhos italianos – Pernambuco – relações Estado-Igreja – Sacra Congrega- ção da Propaganda Fide – Placido de Messina – Caetano de Messina.

Resumo

Este artigo trata do papel desempenhado pelas missões apostólicas capuchinas dependentes da Sacra Congregação da Propaganda Fide nas relações entre o Império do Brasil e a Santa Sé. Baseado fundamentalmente em fontes vaticanas, o texto acompanha as negociações entre o Estado brasileiro, a cúria romana, os bispos diocesanos e as missões capuchinhas italianas para encontrarem pontos de convergência para resolver questões de política institucional e de definição de esferas de poder entre o Estado e a Igreja Católica, e assim permitir a ação missionária. Esse acerto se deu no contexto de uma conjuntura em que a problemática agrária brasileira assumia a forma assustadora de uma série infindável de insurreições e revoltas de populações de homens e mulheres livres e pobres do interior nordestino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-12-30

Como Citar

PALACIOS, G. Política Externa, Tensões Agrárias e Práxis Missionária: os Capuchinhos Italianos e as Relações Entre o Brasil e o Vaticano no Início do Segundo Reinado. Revista de História, [S. l.], n. 167, p. 193-222, 2012. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.v0i167p193-222. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/49088. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos