Índios cristãos no cotidiano das colônias do norte (séculos XVII e XVIII)

Autores

  • Almir Diniz de Carvalho Júnior Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i168p69-99

Palavras-chave:

Índios cristãos, história colonial da Amazônia, história indígena

Resumo

Este artigo pretende apresentar obscuros personagens, nomeados de índios cristãos, que, na historiografia mais tradicional, ficaram submersos nas narrativas. Pretende mergulhar nos meandros do cotidiano do antigo Estado do Grão-Pará durante os séculos XVII e XVIII, através principalmente da retórica jesuítica, e, neste microcosmo das ações cotidianas, encontrar algumas dessas vítimas do esquecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes impressas

BETTENDOFF, João Felipe. Crônica da missão dos padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. 2ª. ed. Belém: Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves/Secretaria de Estado da Cultura, 1990 [1694-1698].

DANIEL, João. Tesouro descoberto do rio Amazonas. Rio de Janeiro: Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 95, v. 1-2 , 1975.

PÉCORA, Alcir (org.). Antônio Vieira – Sermões. Tomos I e II, São Paulo: Hedra, 2003.

Bibliografia

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas – identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os índios na história do Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

BHABHA, Homi. Da mímica e do homem. In: Idem. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998, p. 129-138.

BOCCARA, Guillaume. Poder colonial e etnicidade no Chile: territorialização e reestruturação entre os Mapuche da época colonial. Revista Tempo. Rio de Janeiro: Editora da UFF, n. 23, 2007, p. 56-72.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela (org.). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. A magia do novo – índios cristãos nas fronteiras da Amazônia colonial. Revue Nuevo Mundo Mundos Nuevos, Debates. École des Hautes Etudes en Sciences Sociales – EHESS, 2011. Disponível em: http://nuevomundo.revues.org/g2258. Acesso em 29/09/2012.

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. Visão do diabo – crenças e rituais ameríndios sob a ótica dos jesuítas na Amazônia colonial – séculos 17 e 18. Amazônia e outros temas: coleção de textos antropológicos. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Manaus: Edua, 2010, p. 159-194.

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. Líderes indígenas no mundo cristão colonial. Canoa do Tempo – Revista do PPGH/UFAM, v. 1, n. 1. Manaus: Edua/Fapeam, 2007, p. 123-150.

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. Índios cristãos: a conversão dos gentios na Amazônia portuguesa (1653-1769). Tese de doutorado, Unicamp, Campinas, 2005.

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de e NORONHA, Nelson Matos de (orgs.). A Amazônia dos viajantes – História e ciência. Manaus: Edua/Ufam, 2011.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano – artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

DOMINGUES, Ângela. Quando os índios eram vassalos: Colonização e relações de poder no norte do Brasil na segunda metade do séc. XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

EISENBERG, José. As missões jesuíticas e o pensamento político moderno – encontros culturais, aventuras teóricas. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2000.

FERNANDES, Florestan. A função da guerra na sociedade Tupinambá. São Paulo: Editora da USP/Livraria Pioneira Editora, 1970 [1952].

GARCIA, Elisa Frühauf. As diversas formas de ser índio: políticas indígenas e políticas indigenistas no extremo sul da América portuguesa. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009.

MONTEIRO, John Manuel. Tupi, tapuias e historiadores: estudo de história indígena e do indigenismo. Tese de livre docência, Unicamp, Campinas, 2001.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MONTERO, Paula. Índios e missionários no Brasil: para uma teoria da mediação cultural. In: Idem (org.). Deus na aldeia. Missionários, índios e mediação cultural. São Paulo: Globo, 2006, p. 31-66.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI e XVIII). In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela (org.). História dos índios no Brasil, 1992.

POUTIGNAT, Philippe & STREIFF-FENART, Jocelyne, Teorias da etnicidade seguido de Grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Editora da Unesp, 1998.

QUEIROZ, Jonas Marçal de e COELHO, Mauro Cezar (orgs.). Amazônia – modernização e conflito. Belém: UFPA/Naea; Macapá: Unifap, 2001.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. A conquista espiritual da Amazônia. 2a. ed. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas/Governo do Estado do Amazonas, 1997.

RESENDE, Maria Leônia Chaves de. Gentios brasílicos – índios coloniais em Minas Gerais setecentista. Tese de doutorado, Unicamp, Campinas, 2003.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

SAMPAIO, Patrícia Maria Melo. “Vossa Excelência mandará o que for servido...”: políticas indígenas e indigenistas na Amazônia portuguesa do final do século XVIII. Revista Tempo, vol. 12, n. 23. Rio de Janeiro: Departamento de História – UFF, 2007, p. 49-65.

SPALDING, Karen. The colonial Indian: Past and future research perspectives. Latin American Research Review, 7, n. 1, p. 47-76.

SIDER, Gerald. Identity as history, ethnohistory, ethnogenesis and ethnocide in the Southeastern United States. Identities, 1, n. 1, 1994.

TORRES-LONDOÑO, Fernando. La experiencia religiosa jesuítica y la crónica misionera de Para y Maranhão en el siglo XVII. In: NEGRO, Sandra; MARZAL, Manuel (orgs.). Un reino en la frontera: las misiones jesuíticas en la América colonial. Quito: Abya-Yala, 1999.

VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios – Catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo e CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. A vingança e temporalidade: os Tupinambá. Journal de la Societé des Americanistes, n. 71, 1985, p. 191-217.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O mamoré e a murta – sobre a inconstância da alma selvagem. In: Idem. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002, p. 183-264.

WHITEHEAD, Neil. Etnogeneses and ethnocide in the European occupation of native Surinam, 1499 – 1681. In: HILL, Jonanthan D. History, power and identity. Lancelot, Iowa City: University of Iowa Press, 1996, p. 20-35.

Downloads

Publicado

2013-06-30