Expedições coloniais de coleta e a busca por oportunidades no sertão amazônico, c. 1750-1800

Autores

  • Heather Flynn Roller Colgate University

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i168p201-243

Palavras-chave:

Drogas do sertão, protagonismo indígena, Amazônia colonial

Resumo

O artigo analisa a participação dos indígenas nas atividades de coleta das drogas do sertão, durante a vigência do Diretório dos Índios. Ele sugere uma explicação para os casos de participação voluntária naquelas expedições: nelas os indígenas encontravam espaço para ação independente, fomentavam a expansão de redes sociais e configuravam perspectivas econômicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALDEN, Dauril. The significance of cacao production in the Amazon region during the late colonial period. Proceedings of the American Philosophical Society, 120 (2), abr. 1976, p. 103-135.

ALDEN, Dauril; MILLER, Joseph C. Out of Africa: The slave trade and the transmission of smallpox to Brazil, 1560-1831. Journal of Interdisciplinary History, 18 (2), 1987, p. 195-224.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. A falácia do povoamento: ocupação portuguesa na Amazônia setecentista. In: COELHO, Mauro Cezar et. al. Meandros da história: trabalho e poder no Pará e Maranhão, séculos XVIII e XIX. Belém: Unamaz, 2005b, p. 21-33.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os vassalos d’el rey nos confins da Amazônia: a colonização da Amazônia ocidental, 1750-1798. Anais da Biblioteca Nacional, v. 112, 1992.

ALMEIDA, Rita Heloísa. O Diretório dos Índios: um projeto de civilização no Brasil do século XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1997.

ANDERSON, Robin. Colonization as exploitation in the Amazon rain forest, 1758-1911. Gainesville: University of Florida Press, 1999.

ANDERSON, Robin. Following Curupira: Colonization and migration in Pará, 1758 to 1930 as a study in settlement of the humid Tropics. Tese de doutorado em História, Universidade da Califórnia em Davis, 1976.

BARICKMAN, B. J. ‘Tame Indians’, ‘wild heathens’ and settlers in Southern Bahia in the late eighteenth and early nineteenth centuries. The Americas, v. 51, n. 3, jan. 1995, p. 337-351.

BASKES, Jeremy. Coerced or voluntary? The repartimiento and market participation of peasants in late colonial Oaxaca. Journal of Latin American Studies, 28 (1), 1996, p. 1-28.

BEOZZO, José Oscar. Leis e regimentos das Missões: Política indigenista no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 1983.

COELHO, Mauro Cezar. Do sertão para o mar – um estudo sobre a experiência portuguesa na América, a partir da colônia: o caso do Diretório dos Índios (1751-1798). Tese de doutorado em História, Universidade de São Paulo, 2005a.

COELHO, Mauro Cezar. O Diretório dos Índios: possibilidades de investigação. In: Idem. Meandros da história: Trabalho e poder no Pará e Maranhão, séculos XVIII e XIX. Belém: Unamaz, 2005.

CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo, 1992.

DANIEL, João. Tesouro descoberto no máximo rio Amazonas [c. 1758-1776]. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.

DAVIDSON, David Michael. Rivers and Empire: the Madeira route and the incorporation of the Brazilian far West, 1737-1808. Tese de doutorado, Universidade de Yale, 1970.

DELSON, Roberta Marx. Inland navigation in colonial Brazil: Using canoes on the Amazon. International Journal of Maritime History, VII, n. 1, 1995, p. 1-28.

DENEYAN, William M. A bluff model of riverine settlement in Prehistoric Amazonia. Annals of the Association of American Geographers, 86 (4), 1996, p. 654-681.

DIAS, Antônio Gonçalves. Diccionário da língua tupy: chamada língua geral dos indígenas do Brazil. Lisboa: F. A. Brockhaus, 1858.

DOMINGUES, Ângela. Quando os índios eram vassalos. Colonização e relações de poder no norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

FARAGE, Nádia. As muralhas dos sertões: os povos indígenas no Rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Anpocs, 1991.

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Diário da viagem filosófica pela capitania de São José do Rio Negro. Revista Trimestral do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v. 48, 1885, p. 1-234.

GOMES, Flavio dos Santos. A ‘safe haven’: runaway slaves, mocambos, and borders in colonial Amazonia, Brazil. Hispanic American Historical Review, 82 (3), 2002, p. 469-498.

GOSNER, Kevin. Indigenous production and consumption of cotton in eighteenth-century Chiapas: re-evaluating the coercive practices of the Reparto de Efectos. In: CAHILL, David Patrick; TOVÍAS, Blanca (orgs.). New World, first nations: native peoples of Mesoamerica and the Andes under colonial rule. Brighton: Sussex Academic Press, 2006, p. 129-143.

HEMMING, John. Amazon frontier: the defeat of the Brazilian Indians. Londres: Mac Millan, 1987.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Monções. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1945.

LANGFUR, Hal. The forbidden lands: Colonial identity, frontier violence, and the persistance of Brazil’s Eastern Indians, 1750-1830. Stanford: Stanford University Press, 2006.

LARSON, Brooke. Andean communities, political cultures, and markets: the changing contours of a field. In: LARSON, Brooke; HARRIS, Olivia (orgs.). Ethnicity, markets, and migration. Durham: Duke University Press, 1995.

LARSON, Brooke. Cochabamba, 1500-1900: Colonialism and agrarian transformation in Bolivia. Expanded edition. Durham: Duke University Press, 1998, p. 351, 353-354.

Livro Grosso do Maranhão. In: Anais da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Divisão de Obras Raras e Publicações, 1948, vols. 67-68, p. 172.

MACLACHLAN, Colin. The Indian Directorate: Forced acculturation in Portuguese America. The Americas, 28 (4), april, 1972, p. 357-387.

MAXWELL, Kenneth. Pombal: Paradox of the enlightenment. Nova York: Cambridge University Press, 1995.

MEDEIROS, Ricardo Pinto de. Política indigenista do período pombalino e seus reflexos nas capitanias do norte da América portuguesa. Actas do Congresso Internacional. O espaço atlântico de Antigo Regime: poderes e sociedades. Lisboa: Instituto Camões, v. 1, 2008, p. 15.

MENDONÇA, Marcos Carneiro de. A Amazônia na era pombalina: correspondência inédita do governador e capitão-geral do Estado do Grão-Pará e Maranhão, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, 1751-1759. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, vol. 2, 1963, p. 256-288.

MORAES, Alexandre José de Mello (org.). Corographia histórica, cronográphica, genealógica, nobiliária e política do Imperio do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Brasileira, 1860.

PRADO JÚNIOR, Caio. The colonial background of modern Brazil. Berkeley: University of California Press, 1967, p. 246-248.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. A política de Portugal no vale amazônico. Belém: Secretaria do Estado da Cultura, 1993.

SAIGNES, Thierry. Indian migration and social change in seventeenth-century Charcas. LARSON, Brooke e HARRIS, Olivia (orgs.). Ethnicity, markets, and migration in the Andes: at the crossroads of history and anthropology. Durham: Duke University Press, 1995, p. 187-189.

SAMPAIO, Patrícia Maria Melo. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na colônia. Sertões do Grão-Pará, século 1755-1823. Tese de doutorado em História, Universidade Federal Fluminense, 2001.

SCHWARTZ, Stuart B. e LANGFUR, Hal. Tapanhuns, negros da terra, e curibocas: common cause and confrontation between blacks and natives in colonial Brazil. In: RESTALL, Matthew (org.). Beyond black and red: African-native relations in colonial Latin America. Albuquerque: University of New Mexico Press, 2005, p. 81-114.

SILVA, Isabelle Braz Peixoto. Vilas de índios no Ceará: dinâmicas locais sob o Diretório pombalino. Campinas: Pontes Editores, 2006.

SOMMER, Barbara. Negotiated settlements: Native Amazonians and Portuguese policy in Pará, Brazil, 1758-1798. Tese de doutorado em História, Universidade do Novo México, 2000.

STERN, Steve. The variety and ambiguity of native Andean intervention in European colonial markets. In: LARSON, Brooke; HARRIS, Olivia (orgs.). Ethnicity, markets and migration in the Andes: at the crossroads of history and anthropology. Durham: Duke University Press, 1995, p. 73-100.

SWEET, David. A rich realm of nature destroyed: The middle Amazonian valley, 1640-1750. Tese de doutorado em História, Universidade de Wisconsin, 1974.

VIANNA, Arthur. As epidemias no Pará. Belém: Universidade Federal do Pará, 1975.

USNER, Daniel H., The frontier exchange economy of the lower Mississipi valley in the eighteenth century. The William and Mary Quarterly 44 (2), 1987, p. 167-168.

Downloads

Publicado

2013-06-30