Um sepulcro grande, amplo e fundo: saúde alimentar no Atlântico, séculos XVI ao XVIII

Autores

  • Jaime Rodrigues Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i168p323-350

Palavras-chave:

Saúde, alimentação, história atlântica

Resumo

A partir da historiografia, da crônica colonial e dos diários de viagens através do Atlântico, este texto propõe um estudo sobre a alimentação dos marinheiros e dos problemas de saúde decorrentes do abastecimento dos navios. Quantidade e qualidade da comida são entendidas como elementos que interferiam no desenvolvimento das viagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico sul. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

ALEXANDERT, Caroline. O motim no Bounty: a história trágica de um confronto em alto-mar. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

ALVAREZ, Pablo (ed.). Chile a la vista. Santiago: Dibam, 1999.

ARMITAGE, David. Tres conceptos de historia atlántica. Revista de Occidente. Madri: vol. 281, out. 2004, p. 7-28.

BARLEU, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil e noutras partes sob o governo do ilustríssimo João Maurício, conde de Nassau etc., ora governador de Wesel, tenente-general de Cavalaria das Províncias-Unidas sob o príncipe de Orange. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Ministério da Educação, 1940.

BARREIRO, José Carlos. A formação da força de trabalho marítima no Brasil: cultura e cotidiano, tradição e resistência (1808-1850). Tempo. Niterói, vol. 15, n. 29, jul./dez. 2010, p. 189-209.

BARROW, John. A voyage to Cochinchina in the years 1792 and 1793, containing a general view of the valuable productions and the political important of this flourishing kingdom, and also of such European settlements as were visited on the voyage. Londres: T. Cadell & W. Davies, 1806.

BARROW, John. The eventful history of the mutiny and piratical seizure of H. M. S. Bounty: Its cause and consequences. Londres: John Murray, 1831.

BETHENCOURT, Francisco e CURTO, Diogo Ramada (dir.). A expansão marítima portuguesa, 1400-1800. Lisboa: Ed. 70, 2010.

BRANDÃO, Ambrósio Fernandes [atribuído a]. Diálogos das grandezas do Brasil. Salvador: Progresso, 1956.

CARNEY, Judith e MARÍN, Rosa Acevedo Marín. Plantas de la diáspora africana en la botánica americana de la fase colonial. Memoria & Sociedad, n. 15, nov. 2003, p. 8-23.

CARPENTER, Kenneth J. The history of scurvy & vitamin C. Cambridge; Nova York; Melburne: University of Cambridge Press, 1988.

COSTA, Wilma Peres. Narrativas de viagem no Brasil do século XIX: formação do Estado e trajetória intelectual. In: RUDENTI, Marcelo; BASTOS, Elide Rugai e ROLLAND, Denis. Intelectuais e Estado. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2006.

CROSBY Jr., Alfred W. The Columbian exchange: Biological and cultural consequences of 1492. Westport: Greenwood, 1972.

DIAS, Geraldo Coelho. A devoção do povo português a Nossa Senhora nos tempos modernos. História: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto: 2ª série, vol. 4, 1987, p. 227-253.

FONSECA, Pedro. Primeiros encontros com a antropofagia ameríndia: de Colombo a Pigafetta. Revista Iberoamericana. Pittsburgh, vol. 61, n. 170-171, jan./jun. 1995.

GÂNDAVO, Pero de Magalhães. História da Província de Santa Cruz. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1980.

GREENE, Jack P. e MORGAN, Philip D. Atlantic history: A critical appraisal. Nova York: Oxford University Press, 2009.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. 2ª edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. 3ª edição. São Paulo: Cia. Ed. Nacional; Secretaria de Estado da Cultura, 1977.

LA FLOTTE, M. de. Essais historiques sur l’Inde precedes d’un journal de voyages et d’une description géographique de la Côte de Coromandel. Paris: Herissant, 1759.

LÉRY, Jean de. Viagem à terra do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1961.

LINEBAUGH Peter e REDIKER, Marcus. A hidra de muitas cabeças: marinheiros, plebeus e a história oculta do Atlântico revolucionário. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.

LINEBAUGH, Peter. Todas as montanhas atlânticas estremeceram. Revista Brasileira de História. São Paulo, vol. 6, set. 1983, p. 7-46.

MARQUES, José (intr.). Roteiro da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia. Porto: Faculdade de Letras, 1999.

MAURAN, G. Aviso à gente do mar sobre a sua saúde, obra necessária aos cirurgiões de navios e em geral a todos os marinheiros que andam embarcados em navios, aonde não há cirurgiões. Lisboa: Tip. de João António da Silva, 1794.

MELLO, José Antônio Gonçalves. Tempo dos flamengos. 3ª edição. Recife: Fundaj/Ed. Massangana; Brasília: INL, 1987.

MICELI, Paulo. O ponto onde estamos: viagens e viajantes na história da expansão e da conquista (Portugal, séculos XV e XVI). 2ª edição. Campinas: Ed. da Unicamp, 1997.

MOREIRA NETO, Carlos de Araujo (coord.). Coleção: Franceses no Brasil: séculos XVI e XVII. Rio de Janeiro: Fundação Darcy Ribeiro; Batel, 2009, v. I, parte II, Cartas de Nicolas Barré.

NASCIMENTO, Rômulo Luiz Xavier do. O desconforto da governabilidade: aspectos da administração no Brasil holandês (1630-1644). Tese de doutorado em História, UFF, Rio de Janeiro, 2008.

NIXON, J. A. The East India Company and the control of scurvy. Proceedings of the Royal Society of Medicine. Londres, vol. 31, n. 3, jan. 1938.

NODAL, Bartholomé e NODAL, Gonzalo Garcia de. Relacion del viage, que por orden de su majestad, y acuerdo de el real Consejo de Indias, hicieron los capitanes (...), hermanos, naturales de Pontevedra, al descubrimiento del estrecho nuevo de San Vicente, que hoy es nombrado Maire, y reconocimiento del de Magallanes. 2ª edição. Cádis: Don Manuel Espinosa de los Monteros, 1766.

PERES, Damião (ed.). História trágico-marítima. 6 volumes. Porto: Portucalense, 1942.

PIGAFETTA, António. A primeira viagem ao redor do mundo. 2ª edição. Porto Alegre: L&PM, 1986 (1ª edição, 1525).

RAMINELLI, Ronald. Viagens e inventários: tipologia para o período colonial. História: Questões e Debates. Curitiba, vol. 32, jan./jun. 2000, p. 27-46.

REDIKER, Marcus. Between the devil and the deep blue sea: merchant seamen, pirates, and the Anglo-American maritime world, 1700-1750. Nova York: Cambridge University Press, 1989.

Regimento Provisional para o serviço e disciplina das esquadras e navios da Armada Real. Lisboa: Off. de António Rodrigues Galvardo, 1796.

RICHSHOFFER, Ambrósio. Diário de um soldado da Companhia das Índias Ocidentais (1629-1632). 2ª edição. São Paulo: Ibrasa; Brasília: INL, 1978.

RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

SALVADOR, frei Vicente do. História do Brasil, 1500-1627. 7ª edição. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1982.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O sol do Brasil: Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de d. João. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.

SHERIDAN, Richard B. Doctors and slaves: a medical and demographic history of slavery in the British West Indies, 1680-1834. Nova York: Cambridge University Press 1985.

SILVA, Alberto da Costa e. A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. 3ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SILVA, Innocencio Francisco da. Dicionário bibliográfico português. Tomo VIII. Lisboa: Imprensa Nacional, 1867.

SOUZA, Laura de Mello. O diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Cia. das Letras, 1986.

STADEN, Hans. A verdadeira história dos selvagens, nus e ferozes devoradores de homens (1548-1555). Rio de Janeiro: Dantes, 1998.

SUSSEKIND, Flora. O Brasil não é longe daqui: o narrador, a viagem. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

TAUNAY, Affonso de E. Visitantes do Brasil colonial: séculos XVI-XVIII. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1933.

TOMICH, Dale. O Atlântico como espaço histórico. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, vol. 26, n. 2, 2004, p. 221-240.

VILARDAGA, José Carlos. Lastros de viagem: expectativas, projeções e descobertas portuguesas no Índico (1498-1554). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2010.

Downloads

Publicado

2013-06-30