Gênese das milícias de pardos e pretos na América Portuguesa: Pernambuco, Minas Gerais, séculos XVII e XVIII

Autores

  • Luis Geraldo Silva Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i169p111-144

Palavras-chave:

configuração social, milícias, negros

Resumo

Analiso neste artigo a sociogênese das milícias de pardos e pretos em duas capitanias da América portuguesa: Pernambuco e Minas Gerais. Após propor comparações entre o recrutamento de gente nativa e de afrodescendentes, destaco o papel do escravismo e do desenraizamento social de africanos, bem como procuro examinar campos de tensão envolvendo pardos, pretos, autoridades coloniais e metropolitanas que culminam, com maiores ou menores percalços, com o processo de institucionalização das milícias negras. Finalmente, observo que as capitanias de Minas Gerais e Pernambuco são vistas como configurações sociais específicas e dotadas de autonomia significativa, mas interdependentes e conectadas, cujas histórias e instituições se viam frequentemente refletidas em documentos produzidos por milicianos e burocratas vinculados às suas governações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-12-18