Liberdade de ensino versus totalitarismo: a semântica política dos substitutivos de Carlos Lacerda durante a tramitação da Lei de Diretrizes e Bases (1958-1959)

Autores

  • Sérgio Montalvão Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i169p293-322

Palavras-chave:

pensamento educacional católico, Lei de Diretrizes e Bases, Carlos Lacerda, cultura política, semântica política

Resumo

Sem perder de vista os vínculos do deputado Carlos Lacerda com os interesses pecuniários das instituições particulares de ensino durante a tramitação da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) na Câmara dos Deputados (1958-1959), o artigo destaca as relações entre a semântica dos substitutivos apresentados pelo político udenista com a cultura política católica do período, mostrando que a tese do interesse encobre uma dinâmica a ser observada nos estudos sobre a história política da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

Arquivo Anísio Teixeira, CPDOC/FGV. Disponível em http://www.fgv.br/cpdoc/guia/detalhesfundo.aspx?sigla=AT.

Diário da Câmara dos Deputados, 1957-1959. Disponível em http://imagem.camara.gov.br/dc_20b.asp.

Servir (Boletim da Associação Educacional Católica do Brasil), 1958-1959.

Tribuna da Imprensa, 1958-1959.

Vozes, 1957-1959.

Bibliografia

ANDRADES, Marcelo Ferreira de. De Petrópolis para o mundo. As estratégias editoriais dos gestores da Editora Vozes (1901-1985). Tese de doutorado em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

BENEVIDES, Maria Victória. UDN e udenismo: ambiguidades do liberalismo brasileiro. São Paulo: Paz e Terra, 1981.

BERSTEIN, Serge. Culturas políticas e historiografia. In: AZEVEDO, Cecília, ROLLEMBERG, Denise, KNAUSS, Paulo, BICALHO, Maria Fernanda Batista e QUADRAT, Samantha Vaz. Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009, p. 29-46.

BOMENY, Helena. Darcy Ribeiro. Sociologia de um indisciplinado. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

BRUNEAU, Thomas. Catolicismo brasileiro em época de transição. São Paulo: Loyola, 1974.

BUFFA, Ester. Ideologias em conflito: escola pública e escola privada. São Paulo: Cortez, 1979.

CARVALHO, Laerte Ramos. As diretrizes e bases: breve história. In: BARROS, Roque Spencer Maciel de (org.). Diretrizes e bases da educação nacional. São Paulo: Pioneira, 1960, p. 203-216.

CUNHA, Luís Antônio. A universidade crítica. O ensino superior na República populista. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

CUNHA, Luís Antônio. Limites da escola particular na democratização do ensino. In. Idem (org.). Escola pública, escola particular. 3ª edição. Campinas: Autores Associados, 1989, p. 119-131.

DEWEY, John. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1959.

DULLES, John Foster. Carlos Lacerda. A vida de um lutador, volume 1: 1914-1990. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

FREIRE, Laudelino. Grande e novíssimo dicionário da língua portuguesa, volume V. 3ª edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957.

HIRSCHMAN, Albert. A retórica da intransigência: perversidade, futilidade, ameaça. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2006.

LACERDA, Carlos. Discursos parlamentares. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

LATTMAN-WELTMAN, Fernando. A política domesticada. Afonso Arinos e o colapso da democracia em 1964. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

LIRA, Alexandre. Os descaminhos da democracia. A Lei 4.024/61 (poder político, classes sociais e educação no Brasil). Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2000.

MAINWARING, Scott. A Igreja católica e a política no Brasil (1916-1985). São Paulo: Brasiliense, 1989.

MATTOS, Ilmar R. Tempo Saquarema. São Paulo: Hucitec, 1990.

MONTALVÃO, Sérgio. Por uma história política da educação. A Lei de Diretrizes e Bases e a democracia da Terceira República (1946-1961). Tese de doutorado em História, Política e Bens Culturais, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil/Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2011.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho. O anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva, 2002.

NEOTTI, frei Clarêncio. Revista Vozes: uma centenária revista de cultura. Ciberteologia: Revista de Teologia e Cultura, ano III, nº 14, novembro/dezembro de 2007, p. 48-51.

PAIVA, Adriana Gomes de. A queda de Ícaro. Ascensão e declínio na trajetória de Carlos Lacerda. Tese de doutorado em Ciência Política, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

PAULA, Cristiane Jalles de. Combatendo o bom combate: política e religião nas crônicas jornalísticas de Gustavo Corção (1953-1976). Tese de doutorado em Ciência Política, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

PAXTON, Robert. A anatomia do fascismo. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

SAVIANI, Dermerval. Educação brasileira: estrutura e sistema. São Paulo: Saraiva, 1973.

SAVIANI, Dermerval. Política e educação no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2002.

SENRA, Álvaro de Oliveira. Ação política católica e educação escolar. Curitiba: CRV, 2011.

SOARES, Gláucio Ary Dillon. As bases ideológicas do lacerdismo. Revista Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, v. 1, n. 4, 1965, p. 49-70.

STOPPINO, Mário. Totalitarismo. In. BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola e PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. 9ª edição. Brasília: UNB, 1997, p. 1247-1259.

TEIXEIRA, Anísio. Educação não é privilégio. 5ª edição. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

VILLALOBOS, José Eduardo Rodrigues. Diretrizes e bases da educação: ensino e liberdade. São Paulo: Editora USP/Pioneira, 1969.

Downloads

Publicado

2013-12-18