A padroeira dos filósofos

Autores

  • Ruy Afonso Costa Nunes Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.1977.76256

Palavras-chave:

Santa Catarina de Alexandria, Século XII, Idade Média

Resumo

(primeiro parágrafo do artigo)

Não podia ser indiferente às moças do século XII o fato de ser uma mulher reverenciada pelos filósofos e teólogos como a sua padroeira. Elas deviam ver com satisfação que o dia da festa de Santa Catarina de Alexandria era feriado na Universidade de Paris. Por isso, embora não pudessem freqüentar as faculdades como os rapazes — impossibilidade que se manteria por muitos séculos — o nível das suas aspirações devia ser bem elevado em matéria de estudos, quando se leva em conta que os maiores sábios da Idade Média liam com enlevo e devoção a Conversio e a Passio de Santa Catarina de Alexandria, a jovem de 18 anos que brilhou pela beleza do corpo, mas ainda muito mais pela beleza da virtude, como cantou Alfano, monge de Monte Cassino e arcebispo de Salerno, em sua Ode em louvor de Santa Catarina. Não foram, porém, os atributos morais os únicos a determinarem a elevação de Catarina às culminâncias do culto a ela prestado pelos universitários medievais. Como diz o mesmo Alfano noutro hino, Cantus in laudem S. Catharinae Virginis, "a doutora confundiu os sábios". Com essa afirmação ele se reportava à discussão que Santa Catarina manteve, conforme a Passio, com os cinqüenta filósofos que ela dominou com o peso da doutrina e o fascínio das palavras. 

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

2023-05-03

Edição

Seção

Fatos e Notas

Como Citar

NUNES, Ruy Afonso Costa. A padroeira dos filósofos. Revista de História, São Paulo, v. 55, n. 110, p. 385–390, 2023. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.1977.76256. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/76256.. Acesso em: 23 jul. 2024.