Estradas líquidas, comércio sólido: índios e regatões na Amazônia (século XIX)

Autores

  • Márcio Couto Henrique Universidade Federal do Pará
  • Laura Trindade de Morais Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2014.89007

Palavras-chave:

índios, regatões, Amazônia

Resumo

O artigo analisa as relações entre os índios e os comerciantes ambulantes que, na Amazônia do século XIX, eram conhecidos como regatões. Com base em documentos da época, constata-se que nem sempre os índios foram vítimas ingênuas e passivas diante dos regatões e que é necessário enfatizar a dimensão simbólica das trocas, a fim de recuperar o protagonismo indígena nas relações estabelecidas com os comerciantes e com as mercadorias que eles vendiam.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Márcio Couto Henrique, Universidade Federal do Pará

    Doutor em Ciências Sociais. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Pará. Professor da Faculdade de História e do Programa de Pós-Graduação em História.

  • Laura Trindade de Morais, Universidade Federal do Pará

    Mestranda em História no Programa de Pós-Graduação em História e bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Referências

ALBERT, Bruce. A fumaça do metal: história e representações do contato entre os Yanomami. Anuário Antropológico 89. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1992, p. 151-189.

ALBERT, Bruce. Introdução: cosmologias do contato no norte-amazônico. In: ALBERT, Bruce & RAMOS, Alcida Rita. Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte-amazônico. São Paulo: Editora Unesp; Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 9-21.

AMANAJÁS, Hygino. D. Antonio de Macedo Costa, bispo do Pará e arcebispo da Bahia – sua vida e suas obras. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, ano II, fasc. II. Belém, outubro de 1918, p. 207-218.

AVÉ-LALLEMANT, Robert. Viagem pelo norte do Brasil no anno de 1859. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1961 [1860].

BARRIGA, Letícia Pereira. Entre leis e baionetas: Independência e Cabanagem no médio Amazonas (1808-1840). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Pará. Belém, 2014.

BATES, Henry Walter. O naturalista no rio Amazonas. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1979 [1863].

BAUDRILLARD, Jean. Pour une critique de l‘économie politique du signe. Paris: Gallimard, 1972.

BONILLA, Oiara. Cosmologia e organização social dos Paumari do médio Purus (Amazonas). Revista de Estudos e Pesquisas, v. 2. Funai. Brasília, nº 1, jul. 2005, p. 7-60.

BOTELHO, Ângela Vianna & REIS, Liana Maria. Dicionário histórico Brasil Colônia e Império. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

Brasil. Ministério da Agricultura. Relatório Apresentado á Assembléa Geral Legislativa na 3ª sessão da 12ª legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios d’Agricultura, Commercio e Obras Públicas, Jesuíno Marcondes de Oliveira e Sá. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1865, anexo D.

CASTROVALVA, frei Pelino de. O rio Tapajós, os capuchinhos e os índios Mundurucus (1871-1883). São Luís, Maranhão, 2000 [1884].

CUNHA, Manuela Carneiro da. Política indigenista nos século XIX. In: História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998 [1992], p. 133-154.

DODT, Gustavo. Descrição dos rios Parnaíba e Gurupi. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1981.

FERNANDES, João Azevedo. Selvagens bebedeiras: álcool, embriaguez e contatos culturais no Brasil colonial (séculos XVI-XVII). São Paulo: Alameda, 2011.

FERREIRA PENA, Domingos Soares. A região occidental da província do Pará. Pará: Typ. do Diário de Belém, 1869.

FLORIDO, Marcelo Pedro. O manakuni dos Deni: prestações e contraprestações no rio Cuniuá (AM). In: AMOROSO, Marta & SANTOS, Gilton Mendes dos. Paisagens ameríndias: lugares, circuitos e modos de vida na Amazônia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013, p. 275-298.

GOULART, José Alípio. O regatão: mascate fluvial da Amazônia. Rio de Janeiro: Editora Conquista, 1968.

Governo do Amazonas. Falla dirigida á Assembléa Legislativa da provincia do Amazonas, na abertura da 1ª sessão ordinaria da 1ª legislatura, pelo Exm. vice-prezidente da mesma provincia, o dr. Manoel Gomes Correa de Miranda, em 5 de setembro de 1852. Capital do Amazonas: Typ. de M. da S. Ramos, 1852.

Governo do Amazonas. Relatorio apresentado á Assembléa Legislativa Provincial, pelo Exc. Sr. doutor João Pedro Dias Vieira, dignissimo presidente desta provincia, no dia 8 de julho de 1856 por occasião da 1ª sessão ordinaria da 3ª legislatura da mesma Assembléa. Barra do Rio Negro: Typ. de F. J. S. Ramos, 1856.

Governo do Amazonas. Relatorio apresentado á Assembléa Legislativa da provincia do Amazonas na sessão ordinaria do 1º de outubro de 1864, pelo dr. Adolfo de Barros Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, presidente da mesma provincia. Pernambuco: Typ. de Manoel Figueiroa de Faria & Filho, 1864.

Governo do Amazonas. Relatorio com que o Illm. e Exm. Sr. dr. Adolpho de Barros Cavalcanti de A. Lacerda entregou a administração da provincia do Amazonas ao illm. e Exm. Sr. tenente coronel Innocencio Eustaquio F. de Araujo. Recife: Typ. do Jornal do Recife, 1865.

Governo do Amazonas. Relatorio apresentado á Assembléa Legislativa Provincial do Amazonas na 1ª sessão da 13ª legislatura em 25 de março de 1876 pelo Exm. Sr. presidente da provincia, dr. Antonio dos Passos Miranda. Pará: Typ. do Diario do Gram-Pará, 1876.

Governo do Pará. Fala dirigida pelo Exm. Sr. Conselheiro Jerônimo Francisco Coelho, presidente da província do Grão-Pará á Assembléa Legislativa provincial, na abertura da 2ª sessão ordinária, da 6ª legislatura, no dia 1o de outubro de 1849. Pará: Typ. de Santos e Filhos, 1849.

Governo do Pará. Colecção das leis da provincia do Gram-Pará, tomo XVI, 1854. Pará: Typ. de Santos & Filhos, 1854, Lei nº 246, de 6 de setembro de 1854.

Governo do Pará. Relatório que o Exm. Sr. Dr. Antonio de Sá e Albuquerque, presidente da Província do Pará apresentou ao Exm. Sr. vice-presidente, Dr. Fábio Alexandrino de Carvalho Reis, ao passar-lhe a administração da mesma província em 12 de maio de 1860. Pará: Typ. comercial de Antonio José Rabelo Guimarães, 1860.

Governo do Pará. Relatorio apresentado á Assembléa Legislativa da provincia do Pará na 1ª sessão da 13ª legislatura pelo Exm. Sr. presidente da provincia, dr. Francisco Carlos de Araujo Brusque em 1º de setembro de 1862. Pará: Typ. de Frederico Carlos Rhossard, 1862.

Governo do Pará. Relatório apresentado a Assembléa Legislativa da província do Pará, na 2ª sessão da 13ª legislatura pelo Exm. Sr. Presidente da província Dr. Francisco Carlos de Araújo Brusque, em 1 de novembro de 1863. Pará: Typ. de Frederico Carlos Rhossard, 1863.

Governo do Pará. Relatorio dos negocios da provincia do Pará. At head of title: Dr. Couto de Magalhães, presidente do Pará, 1864. Pará: Typ. de Frederico Rhossard, 1864.

Governo do Pará. Relatório apresentado á Assembléa Legislativa provincial na 2ª sessão da 17ª Legislatura, em 15 de agosto de 1871, pelo presidente da Província Dr. Abel Graça. Pará: Typ. do Diário do Grão-Pará, 1871.

Governo do Pará. Relatorio apresentado ao Exm. Sr. dr. Francisco Maria Corrêa de Sá e Benevides pelo exm. senr. dr. Pedro Vicente de Azevedo, por occasião de passar-lhe a administração da provincia, no dia 17 de janeiro de 1875. Pará: Typ. de F. C. Rhossard, 1875.

Governo do Pará. Relatorio apresentado pelo Exm. Sr. dr. Francisco Maria Corrêa de Sá e Benevides, presidente da provincia do Pará, á Assembléa Legislativa Provincial na sua sessão solemne de installação da 20ª legislatura, no dia 15 de fevereiro de 1876. Pará: Travessa de São Matheus, 1876.

Governo do Pará. Relatório que ao Exm. Sr. Dr. João L. Paes de Sousa, primeiro vice-presidente da província do Pará apresentou o Exm. Sr. Dr. Carlos Augusto de Carvalho, ao passar-lhe a administração aos 16 de setembro de 1885. Pará: Typ. de Francisco da C. Júnior, 1885.

HARRIS, Mark. Rebellion on the Amazon: The Cabanagem, race, and popular culture in the North of Brazil, 1798-1840. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

HEMMING, John. Fronteira amazônica: a derrota dos índios brasileiros. São Paulo: Edusp, 2009.

HENRIQUE, Márcio Couto. Presente de branco: a perspectiva indígena dos brindes da civilização. XXVII REUNIÃO DA ANPUH. Comunicação apresentada no Simpósio temático “A presença indígena na história do Brasil”, Natal, Rio Grande do Norte, 2013. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1363044875_ARQUIVO_PresentedebrancoANPUH2013RTF.pdf. Acesso em: 30 abr. 2014.

HENRIQUE, Márcio Couto. O soldado-civilizador: Couto de Magalhães e os índios no Brasil do século XIX. In: ALVES, Claudia & NEPOMUCENO, Maria de Araújo (org.). Militares e educação em Portugal e no Brasil, v. 1. 1ª ed. Rio de Janeiro: Faperj; Quartet, 2010, p. 45-83.

HENRIQUE, Márcio Couto. O general e os tapuios: linguagem, raça e mestiçagem em Couto de Magalhães (1864-1876). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará. Belém, 2003.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. 26ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOWARD, Catherine. A domesticação das mercadorias: estratégias Waiwai. In: ALBERT, Bruce (org.). Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte-amazônico. São Paulo: Editora Unesp; Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 25-55.

LOPES, Simeia de Nazaré. O comércio interno no Pará oitocentista: atos, sujeitos sociais e controle entre 1840-1855. Dissertação de mestrado, NAEA. Belém, 2002.

McGRATH, David. Parceiros no crime: o regatão e a resistência cabocla na Amazônia tradicional. Novos Cadernos NAEA, vol. 2, nº 2, dez. 1999, p. 57-72.

MEDEIROS, Vera B. Alarcón. Incompreensível colosso: a Amazônia no início do Segundo Reinado (1840-1850). Tese de doutorado, Universidade de Barcelona, Programa de Doutorado Estado e Sociedade na América e África, 2006.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MONTEIRO, Mário Ypiranga. O regatão (notícia histórica). Manaus: Edições Planície, 1958.

MOOG, Vianna. O ciclo do ouro negro: impressões da Amazônia. Belém: Conselho Estadual de Cultura, 1975.

MORAIS, Raimundo. Na planície amazônica. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2000 [1926].

MURPHY, Robert F.; MURPHY, Yolanda. As condições atuais dos Munduruku. Belém: Inst. de Antrop. e Etnologia do Pará, 1954.

[Nota avulsa]. Diário de Belém. Belém, 11 nov. 1869.

[Nota avulsa]. Treze de Maio. Belém, 4 jan. 1851.

NUNES, Francivaldo Alves. Sob o signo do moderno cultivo: Estado imperial e agricultura na Amazônia. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2011.

O rio Tapajós. Diário de Belém. Belém, 22 de março de 1876.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. O caboclo e o brabo: notas sobre duas modalidades de força de trabalho na expansão da fronteira amazônica no século XIX. In: Encontros com a Civilização Brasileira, v. 11, 1979, p. 101-147.

Pará. Discurso recitado pelo Exm. Sr. desembargador Manoel Paranhos da Silva Vellozo, presidente da provincia do Pará, na abertura da 1ª sessão da 4ª legislatura da Assembléa Provincial no dia 15 de agosto de 1844. Pará: Typ. de Santos & menores, 1844.

PEREIRA, José Veríssimo da Costa. Regatões. In: IBGE. Tipos e aspectos do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1956, p. 34-38.

POMPA, Cristina. Para uma antropologia histórica das missões. In: MONTERO, Paula (org.). Deus na aldeia: missionários, índios e mediação cultural. São Paulo: Globo, 2006, p. 111-142.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. O seringal e o seringueiro. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura, 1953.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. Petrópolis: Vozes, 1979.

RICCI, Magda. Cabanagem, cidadania e identidade revolucionária: o problema do patriotismo na Amazônia entre 1835 e 1840. Tempo, v. 11. Revista do Departamento de História da UFF. Rio de Janeiro, 2006, p. 15-40.

RODRIGUES, Joaquim Barbosa. Exploração e estudo do vale do Amazonas. Rio Tapajós. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1875.

SAHLINS, Marshal. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Política indigenista no Brasil imperial. In: GRINBERG, Keila & SALLES, Ricardo. O Brasil imperial, vol. I: 1808-1831. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 175-206.

SPOSITO, Fernanda. Nem cidadãos, nem brasileiros: indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na província de São Paulo (1822-1845). Tese de doutorado, FFLCH-USP. São Paulo, 2006.

TAVARES BASTOS, Aureliano Cândido. O valle do Amazonas. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, 1866.

TOCANTINS, Antonio Manuel Gonçalves. Estudo sobre a tribu Mundurucu. Revista Trimensal do Instituto Histórico Geographico e Ethnographico Brasileiro, tomo XL. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, 1877, p. 73-161.

VENÂNCIO, Renato Pinto & FURTADO, Júnia Ferreira. Comerciantes, tratantes e mascates. In: PRIORE, Mary Del (org.). Revisão do paraíso: os brasileiros e o Estado em 500 anos de história. Rio de Janeiro: Campus, 2000, p. 95-113.

VERÍSSIMO, José. Primeiras páginas (Viagem no sertão – quadros paraenses – estudos). Belém: Typographia Guttemberg, 1878.

VERÍSSIMO, José. A pesca na Amazônia. Rio de Janeiro: Livraria Clássica de Alves & C., 1895.

VERÍSSIMO, José. Estudos amazônicos. Belém: UFPA, 1970.

WALLACE, Alfred Russel. Viagens pelos rios Amazonas e Negro. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1979 [1853].

WEINSTEIN, Bárbara. A borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo: Hucitec/Edusp, 1993.

Downloads

Publicado

2014-12-18

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

HENRIQUE, Márcio Couto; MORAIS, Laura Trindade de. Estradas líquidas, comércio sólido: índios e regatões na Amazônia (século XIX). Revista de História, São Paulo, n. 171, p. 49–82, 2014. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2014.89007. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/89007.. Acesso em: 24 jul. 2024.