Os múltiplos significados da alforria em uma área mineradora periférica da América portuguesa: Rio de Contas, Bahia - século XVIII

Autores

  • Kátia Lorena Novais Almeida Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2014.89009

Palavras-chave:

Alforria, tipos de alforria, experiências de liberdade

Resumo

Analiso neste artigo as leituras que libertos e senhores fizeram da alforria e o que representavam os diferentes tipos de manumissão na experiência de liberdade em uma área mineradora periférica da América portuguesa: a vila de Rio de Contas, capitania da Bahia. Após discutir o tipo de fonte que tem sido privilegiado na maioria dos estudos sobre o tema, analiso qual tipo de alforria foi mais relevante em Rio de Contas para entender os sentidos que escravos e senhores lhe atribuíram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Lorena Novais Almeida, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em História Social pela Universidade Federal da Bahia. Professora adjunta de História, Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia - Campus II

Referências

ALMEIDA, Kátia L. N. Escravos e libertos nas Minas do Rio de Contas – Bahia, século XVIII. Tese de doutorado, UFBA, 2012.

AGUIAR, Marcos Magalhães de. Negras Minas Gerais: uma história da diáspora africana no Brasil colonial. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, 1999.

BARICKMAN, B. J. Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão, 1780 -1860. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BELLINI, Ligia. “Por amor e por interesse”: a relação senhor - escravo em cartas de alforria. In: REIS, João José (org.). Escravidão e invenção da liberdade. Estudos sobre o negro no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1988, p. 73-86.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário portuguez & latino, aulico, anatomico, architetonico. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PAQUINO, Gianfranco. Jusnaturalismo. In: Dicionário de política. Brasília: Editora UnB; São Paulo: Imprensa Oficial, 2004.

BREMEU, Antonio Cortez. Universo jurídico ou jurisprudência universal, canônica e cesárea regulada pelas disposições de ambos direitos, comum e pátrio oferecido ao príncipe Nosso senhor d. Joseph. Lisboa: Oficina de Domingos Rodrigues, 1749.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade. Uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARRARA, Angelo Alves. Minas e currais: produção rural e mercado interno de Minas Gerais, 1674-1807. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2007.

DAMÁSIO, Adauto. Alforrias e ações de liberdade em Campinas na primeira metade do século XIX. Dissertação de mestrado, Unicamp, 1995.

FARIA, Sheila S. de Castro. Sinhás pretas, damas mercadoras: as pretas minas nas cidades do Rio de Janeiro e de São João Del Rey (1700-1850). Tese de professor titular, UFF, 2004.

FERRAZ, Lizandra Meyer. Entradas para a liberdade: formas e frequência da alforria em Campinas no século XIX. Dissertação de mestrado, Unicamp, 2010.

FONER, Eric. O significado da liberdade. Revista Brasileira de História, vol. 8, n° 16, 1988, p. 9-36.

FURTADO, Júnia Ferreira. Novas tendências da historiografia sobre Minas Gerais no período colonial. História da historiografia, v. 2, 2009, p. 116-162.

GONÇALVES, Andréa Lisly. As margens da liberdade: estudo sobre a prática de alforrias em Minas colonial e provincial. Belo Horizonte. MG: Fino Traço, 2011.

GUEDES, Roberto. Roberto Guedes. Egressos do cativeiro: trabalho, família, aliança e mobilidade social (Porto Feliz, São Paulo, c. 1798 – c. 1850). Rio de Janeiro: Mauad X/Faperj, 2008.

HESPANHA, António Manuel. “Porque é que existe e em que é que consiste um direito colonial brasileiro”. In: Eduardo França Paiva (org.). Sociedades, culturas e formas de governar no mundo português (Séculos XVI-XVIII). São Paulo: Annablume, 2006, p. 21-41.

HIGGINS, Kathleen J. “Licentious liberty” in a Brazilian gold-mining region: slavery, gender, and social control in eighteenth-century Sabará, Minas Gerais. University Park: The University Pensylvania Press, 1999.

IVO, Isnara Pereira. Homens de caminho: trânsitos culturais, comércio e cores nos sertões da América portuguesa. Século XVIII. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2012.

KLEIN, Herbert S. A experiência afro-americana numa perspectiva comparativa: a situação atual do debate sobre a escravidão nas Américas. Afro-Ásia, n° 45, 2012, p. 97-98.

LARA, Silvia Hunold. Legislação sobre escravos africanos na America portuguesa. Madri: Fundación Histórica Tavera, 2000 (Publicação eletrônica inserida no CD-ROM Nuevas aportaciones a la historia jurídica de Iberoamérica, coordenada por José Andrés-Gallego.

LARA, Silvia Hunold. Fragmentos setecentistas: escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LUNA, Francisco Vidal & KLEIN, Herbert S. Escravismo no Brasil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial, 2010.

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci Del Nero da. Minas Colonial: Economia e Sociedade. São Paulo: Fipe/Pioneira, 1982.

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci Del Nero da. Demografia histórica de Minas Gerais no período colonial. Revista Brasileira de Assuntos Políticos, nº 58, 1984, p. 15-62.

MACHADO, Maria Helena P. T. Em torno da autonomia escrava: uma nova direção para a história social da escravidão. Revista Brasileira de História,vol. 8, nº 6, 1988, p. 143-160.

MALHEIRO, Perdigão. A escravidão no Brasil: ensaio histórico, jurídico, social. Petrópolis/Brasília: Vozes/INL, 1976.

MATHIAS, Carlos Leonardo Kelmer. Notas iniciais acerca da prática da alforria no termo de vila do Carmo, 1711-1720. Locus: Revista de História, v. 12, n. 2, 2006.

MARTINS, Maria do Carmo Salazar & SILVA, Helenice Carvalho Cruz da. Via Bahia: a importação de escravos para Minas Gerais pelo caminho do sertão, 1759-1772. In: XII SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA. Anais. Cedeplar/UFMG, 2006, p. 17-18, disponível em: www.cedeplar.ufmg.br/seminarios/seminario_diamantina/2006/D06A002.pdf, acesso em 20/08/2010.

MATTOSO, Kátia de Queirós. A propósito de cartas de alforria, Bahia 1779-1850. Anais de História, nº 4, 1972.

MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MONTI, Carlos Guimarães. “Por amor a Deus”: o processo da alforria dos escravos de Mariana (1750-1759). Revista do Centro Universitário Barão de Mauá, v. 1, n. 1, 2001.

NEVES, Erivaldo F. & MIGUEL, Antonieta (orgs.). Caminhos do sertão: ocupação territorial, sistema viário e intercâmbios coloniais dos sertões da Bahia. Salvador: Arcádia, 2007.

OLIVEIRA, Maria Inês Cortês de. O liberto: o seu mundo e os outros, Salvador, 1790/1890. São Paulo: Corrupio, 1988.

PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos nas Minas Gerais do século XVIII: estratégias de resistência através dos testamentos. São Paulo: Annablume, 1995.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na colônia: Minas Gerais, 1716-1789. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

PINHEIRO, Fernanda Aparecida Domingos. Em defesa da liberdade: libertos e livres de cor nos tribunais do Antigo Regime português (Mariana e Lisboa, 1720-1819). Tese de doutorado, História, Unicamp, 2013.

PINTO, Virgilio Noya. O ouro brasileiro e o comércio anglo-português: uma contribuição aos estudos da economia atlântica no século XVIIII. São Paulo/Brasília: Ed. Nacional/INL, 1979.

RIBEIRO, Alexandre. O tráfico atlântico de escravos e a praça mercantil de Salvador, c. 1680 – c. 1830. Dissertação de mestrado, UFRJ, 2005.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. Vassalo e soberano: apelos extrajudiciais de africanos e de indivíduos de origem africana na América portuguesa. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.). Cultura portuguesa na Terra de Santa Cruz. Lisboa: Editorial Estampa, 1995.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. Escravos e libertos no Brasil colonial. São Paulo: Civilização Brasileira, 2005.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e filantropos: a Santa Casa da Misericórdia da Bahia, 1550-1755. Brasília: Editora da UNB, 1981.

SCHWARTZ, Stuart. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru (SP): Edusc, 2001, p. 171-218.

SCHWARTZ, Stuart. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Cia. das Letras, 1988.

SLENES, Robert. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava, Brasil sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SLENES, Robert. A great arch descending: Manumission rates, subaltern social mobility and slave, freeborn and free(d) black identities in southeastern Brazil, 1791-1888. In: GLEDHILL, John & SCHELL, Patience A. (orgs.). New approaches to resistance in Brazil and Mexico. Durham, Carolina do Norte: Duke University Press, 2012, p. 100-118.

SOARES, Márcio de Sousa. A remissão do cativeiro: a dádiva da alforria e o governo dos escravos nos Campos dos Goitacases, c. 1750-c. 1830. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.

SANTOS, Márcio Roberto Alves dos. Fronteiras do sertão baiano: 1640-1750. Tese de doutorado, História, USP, 2010.

SILVA, Cristiano Lima da. Como se livre nascera: alforria na pia batismal em São João del-Rei (1750-1850). Dissertação de mestrado, História, UFF, 2004.

SILVA, Inácio Accioli de Cerqueira e. Memórias históricas da Província da Bahia(comentários e notas de Braz do Amaral). Salvador: Imprensa Oficial, 1925, vol. II.

THOMPSON, Edward P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas (SP): Editora da Unicamp, 2001, p. 227-267.

VASCONCELOS, Albertina Lima. Ouro: conquistas, tensões, poder, mineração e escravidão na Bahia do século XVIII. Dissertação de mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, 1998.

Downloads

Publicado

2014-12-18

Edição

Seção

Artigos