Os artifícios da perfeição: João de Barros por Manuel Severim de Faria

Autores

  • Rubens Leonardo Panegassi Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2014.89011

Palavras-chave:

Portugal, Severim de Faria, corte

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar as convenções intelectuais que nortearam a escrita do retrato heróico do humanista João de Barros por Manuel Severim de Faria, em sua “Vida de João de Barros, em que se discorre sobre os preceitos da história e perfeição com que escreveu as suas Décadas”, livro que compõe os Discursos vários políticos, publicado pela primeira vez em 1624. Para isso, consideramos que a confecção da memória dos lugares ocupados por João de Barros responde à demanda de uma sociedade estamental, na qual a dignidade do ofício exercido denota a dignidade de quem o exerce.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubens Leonardo Panegassi, Universidade Federal de Viçosa

O autor é doutor em História pelo Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, professor de História Moderna e Contemporânea no Departamento de História do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes.

Referências

Fontes

BAIÃO, António (org.). Documentos inéditos sobre João de Barros, sobre o escritor seu homônimo contemporâneo, sobre a família do historiador e sobre os continuadores das suas “Décadas”. Boletim da Segunda Classe da Academia das Sciencias de Lisboa, vol. XL, 1917.

BARROS, João de. Da Ásia de João de Barros. Dos feitos que os portugueses fizeram no descobrimento e conquista dos mares e terras do Oriente, década terceira, parte primeira, livro III, capítulo I. Lisboa: Na Regia Oficina Tipográfica, 1777.

BARROS, João de. Panegírico do rei dom João III. In: Panegíricos (Panegírico de dom João III e da infanta dona Maria). Texto restituído, prefaciado e notas pelo prof. M. Rodrigues Lapa. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1943.

BARROS, João de. Ropicapnefma, volume II.. Reprodução fac-similada da edição de 1532. Leitura modernizada, notas e estudo de I. S. Révah. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1983.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez, & latino. Authorizado com exemplos dos melhores escritores portuguezes & latinos, e offerecido a el rey de Portugal Dom Joam V. pelo padre Dom Raphael Bluteau. Lisboa: Na Officina de Pascoal da Sylva, 1712/1728. Disponível em: http://www.ieb.usp.br/online/index.asp. Acesso em: 09/08/2011.

FARIA, Manuel Severim de. Discursos vários políticos. Editado por Maria Leonor Soares Albergaria Vieira. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1999.

FARIA, Manuel Severim de. Discursos varios politicos, por Manoel Severim de Faria chantre & conego na Santa Se de Évora. Évora: impressos por Manoel Carvalho, impressor da Universidade, 1624.

FARIA, Manuel Severim de. Vida de João de Barros por Manuel Severim de Faria e indice geral das quatro décadas da sua Ásia (1624). Nova edição. Lisboa: Na Régia Officina Typografica, 1777-1788.

LUZ, Francisco Mendes da. Regimento da caza da Índia: manuscrito do século XVII existente no arquivo geral de Simancas. In: Anais: estudos da geografia da expansão portuguesa, vol. VI, tomo II, 1951, p. 9- 23.

LUZ, Francisco Mendes da. Regimento da caza da Índia: tittulo das cousas comus e geraes aos officiaes da caza. In: Anais: estudos da geografia da expansão portuguesa, vol. VI, tomo II, 1951, p. 27-35.

PEREIRA, Duarte Pacheco. Esmeraldo de situ orbis. In: CARVALHO, Joaquim Barradas de. Esmeraldo de situ orbis de Duarte Pacheco Pereira. Edição crítica e comentanda. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Serviço de Educação, 1991.

QUINTO HORÁCIO FLACO. Arte poética, linhas 309-318. Tradução de Mauri Furlan. Disponível em: http://www.latim.ufsc.br/986ED7F3-3F3A-4BC2-BBE3-A3514D872AC1.html. Acesso em: 05/08/2011.

Bibliografia

ALBUQUERQUE, Luís de (dir.) & DOMINGUES, Francisco Contente (coord.). Dicionário de história dos descobrimentos portugueses. Lisboa: Caminho, 1994.

ALMEIDA, Isabel. Aulegrafia: “rascunho da vida cortesã”, “largo discurso da cortesania vulgar”. In: Península. Revista de Estudos Ibéricos, nº 2, 2005, p. 201-218.

AMARAL, Sérgio Alcides Pereira do. Desavenças. Poesia, poder e melancolia nas obras do doutor Francisco de Sá de Miranda. Tese de doutorado, História, FFLCH-USP, 2007.

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado absolutista. Tradução de João Roberto Martins Filho. São Paulo: Brasiliense, 2004.

ANDRADE, António Alberto Banha de. João de Barros: historiador do pensamento humanista português de Quinhentos. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1980.

ANDRADE, Luiz Cristiano de. Os preceitos da memória: Manuel Severim de Faria, inventor de autoridades lusas. História e Perspectivas, nº 34, Uberlândia, jan./jun. 2006, p. 107-137.

BAIÃO, António. Introdução. In: BARROS, João de. Ásia de Joam de Barros. Dos feitos que os portugueses fizeram no descobrimento e conquista dos mares e terras do Oriente. Quarta edição revista e prefaciada por António Baião. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1932 (Edição fac-similar Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1998).

BENNASSAR, Bartolomé. La España del siglo de oro. Tradução de Pablo Bordonaba. Barcelona: Crítica, 2010.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Escribir en la corte. La cultura de la nobleza cortesana y las formas de comunicación en el siglo de oro. In: ZUGASTI, Miguel & MATA, Carlos (ed.). In: CONGRESO EL SIGLO DE ORO EN EL NUEVO MILÊNIO. Actas, tomo II. Barañáin (Navarra): Eunsa, 2005, p. 77-99.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Lisboa sozinha, quase viúva. A cidade e a mudança da corte no Portugal dos Filipes. Tradução de Nuno Miguel Camarinhas. In: Penélope. Fazer e desfazer a história, nº 13, 1994, p. 71-93.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Portugal no tempo dos Filipes. Política, cultura, representações (1580-1668). Tradução de Ângela Barreto Xavier e Pedro Cardim. Edições Cosmos, 2000.

BOXER, Charles R. João de Barros, Portuguese humanist and historian of Asia. Nova Delhi: Concept Publishing Company, 1981.

BOXER, Charles R. O império marítimo português, 1415 – 1825. Tradução de Anna Olga de Barros Barreto. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BURKE, Peter. O cortesão. In: GARIN, Eugenio. O homem renascentista. Tradução de Maria Jorge Vilar de Figueiredo. Lisboa: Editorial Presença, 1991.

CARVALHO, Maria do Socorro Fernandes de. Poesia de agudeza em Portugal. São Paulo: Humanitas Editorial; Edusp; Fapesp, 2007.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes Menezes; revisão técnica de Arno Vogel. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

CHABOD, Federico. Escritos sobre el Renacimiento. Tradução de Rodrigo Ruza. México: FCE, 1990.

CHAUNU, Pierre. A civilização da Europa clássica, vol. I. Tradução de Teresa F. Rodrigues. Lisboa: Editorial Estampa, 1985.

COELHO, António Borges. João de Barros: vida e obra. Lisboa: Grupo de Trabalho do Min. da Educação para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997.

COELHO, António Borges. Tudo é mercadoria. Sobre o percurso e obra de João de Barros. Lisboa: Caminho, 1992.

CURTO, Diogo Ramada. A cultura política. In: MATTOSO, José (dir.). História de Portugal, 3º volume: No alvorecer da modernidade. Lisboa: Editorial Estampa, 1997.

CURTO, Diogo Ramada. Cultura imperial e projetos coloniais (séc. XV a XVIII). Campinas/SP: Editora da Unicamp, 2009.

CURTO, Diogo Ramada. O discurso político em Portugal (1600-1650). Lisboa: Projecto Universidade Aberta, 1988.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Tradução de Pedro Sussekind. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

FRANÇA, Eduardo d’Oliveira. Portugal na época da Restauração. São Paulo: Editora Hucitec, 1997.

GARIN, Eugenio. La cultura del Rinascimento. Milão, 1988.

HESPANHA, António Manuel. Imbecillitas. As bem-aventuranças da inferioridade nas sociedades de Antigo Regime. São Paulo: Annablume, 2010.

LADURIE, Emmanuel Le Roy. O Estado monárquico, França, 1460-1610. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

LE GOFF, Jaques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão et alii. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003.

LIMA, Luiz Costa. O redemunho do horror: as margens do Ocidente. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2003.

MAGALHÃES, Joaquim Romero. As estruturas políticas de unificação: o rei. In: MATTOSO, José (dir.). História de Portugal, 3º volume: No alvorecer da modernidade. Lisboa: Editorial Estampa, 1997.

MARAVALL, José Antonio. Antiguos y modernos. Visión de la historia e idea de progreso hasta el Renacimiento. Madri: Alianza Editorial, 1986.

MATOS, Luis de. L’expansion portugaise dans la littérature latine de la Renaissance. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.

MEGIANI, Ana Paula Torres. Contar coisas de todas as partes do mundo: as Relaciones de Sucesos e a circulação de notícias escritas no período filipino. In: ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro de et alii (org.). Cultura e sociabilidades no mundo atlântico. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012, p. 469-483.

MEGIANI, Ana Paula Torres. O rei ausente: festa e cultura política nas visitas dos Filipes a Portugal (1581 a 1619). São Paulo: Alameda, 2004.

MEGIANI, Ana Paula Torres. Política e letras no tempo dos Filipes: o Império português e as conexões de Manoel Severim de Faria e Luís Mendes de Vasconcelos. In: BICALHO, Maria Fernanda & FERLINI, Vera Lúcia Amaral. Modos de governar: ideias e práticas políticas no Império português. Séculos XVI-XIX. São Paulo: Alameda, 2005.

MENDES, António Rosa. A vida cultural. In: MATTOSO, José (dir.) & MAGALHÃES, Joaquim R. (coord.). História de Portugal. No alvorecer da modernidade. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

MONTEIRO, Rodrigo Bentes. O rei no espelho. A monarquia portuguesa e a colonização da América, 1640-1720. São Paulo: Hucitec, 2002.

MOREIRA, Rafael & THOMAS, William M. Desventuras de João de Barros primeiro colonizador do Maranhão – O achado da nau de Aires da Cunha naufragada em 1536. In: Oceanos. João de Barros e o cosmopolitismo do Renascimento, nº 27. Lisboa: Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses, julho/setembro 1996, p. 101-111.

OLIVEIRA, Maria Lêda. A história do Brazil de frei Vicente do Salvador: história e política no Império português do século XVII. Rio de Janeiro: Versal; São Paulo: Oderbrecht, 2008.

PÉCORA, Alcir. Prefácio à edição brasileira. A cena da perfeição. In: CASTIGLIONE, Baldassare, conte. O cortesão. Tradução de Carlos Nilson Moulin Louzada. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

RAMALHO, Américo da Costa. Cataldo. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL HUMANISMO LATINO NA CULTURA PORTUGUESA – CÁTEDRA HUMANISMO LATINO. Intervenção, 17 a 19 outubro de 2002, p. 1-5.

RAMALHO, Américo da Costa. João de Barros, humanista. In: Oceanos. João de Barros e o cosmopolitismo do Renascimento, nº 27. Lisboa: Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses, julho/setembro 1996, p. 68-73.

RAMINELLI, Ronald. Viagens ultramarinas: monarcas, vassalos e governo a distância. São Paulo: Alameda, 2008.

REBELO, Luis de Sousa. A tradição clássica na literatura portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte, 1982.

ROSSI, Paolo. O passado, a memória, o esquecimento. Seis ensaios da história das ideias. Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

SARAIVA, António José & LOPES, Óscar. História da literatura portuguesa. Porto: Porto Editora, 2008.

SARAIVA, António José. Uma concepção planetária de história em João de Barros. In: Para a história da cultura em Portugal, volume II. Lisboa: Publicações Europa-América, 1972.

SERRÃO Joel (dir.). Dicionário de história de Portugal. Castanhoso/Fez. Porto: Livraria Figueirinhas, 1992.

SILVA, Innocencio Francisco da. Diccionario bibliographico portuguez. Lisboa: Imprensa Nacional, 1862.

SKINNER, Quentin. Motives, intentions and the interpretation of texts. In: New Literary History, vol. 3, nº 2, On Interpretation: I, Winter, 1972, p. 393-408.

SLOANE, Thomas O (editor in chief). Encyclopedia of rhetoric. Oxford: Oxford University Press, 2001.

THOMPSON, I. A. A. El contexto institucional de la aparición del ministro-favorito. In: ELLIOTT, John & BROCKLISS, Laurence (dir.). El mundo de los validos. Tradução de Jesús Alborés e Eva Rodríguez Halfter. Madri: Taurus, 2000.

VILARDAGA, José Carlos. São Paulo na órbita do Império dos Felipes: conexões castelhanas de uma vila da América portuguesa durante a União Ibérica (1580-1640). Tese de doutorado, FFLCH/USP. São Paulo, 2010.

Downloads

Publicado

2014-12-18

Como Citar

PANEGASSI, R. L. Os artifícios da perfeição: João de Barros por Manuel Severim de Faria. Revista de História, [S. l.], n. 171, p. 175-212, 2014. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2014.89011. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/89011. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos