Cantor e cantor de microfone

discussão conceitual sobre música, música popular e indústria da cultura

Autores

  • Rubens Russomanno Ricciardi Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.170647

Palavras-chave:

Canto, Canto com microfone, Arte, Arte Popular, Indústria da Cultura

Resumo

No artigo há um estudo conceitual sobre o canto. Por conta da indústria da cultura, o canto milenar passou a ser chamado de canto lírico. Essa expressão, contudo, não faz sentido. O canto da indústria da cultura se impôs soberano na ditadura da opinião pública. Mas é um tipo de história recente de cerca de um século. O artigo propõe que, numa perspectiva histórico-musicológica, mais adequado seria chamar o canto na arte e na arte popular simplesmente de canto, já o canto na indústria da cultura de canto de microfone.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubens Russomanno Ricciardi, Universidade de São Paulo

Professor titular do Departamento de Música da FFCLRP-USP, Rubens Russomanno Ricciardi é compositor, maestro, pianista e musicólogo. Graduado (Licenciatura em Música) pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e com especialização (Musicologia) pela Universidade Humboldt de Berlim, sua carreira acadêmica contempla Mestrado (dissertação sobre Hanns Eisler), Doutorado (tese sobre Manuel Dias de Oliveira), Livre-docência (tese em Poética Musical) e Concurso para Professor Titular (performance em regência/piano) pela ECA-USP. Suas linhas de pesquisa são Filosofia da Música e Música Brasileira: história, interpretação-performance, processos composicionais e editoriais. Fundador do Curso de Música pela USP em Ribeirão Preto, com seu bacharelado pioneiro em Viola Caipira, é ainda fundador e diretor artístico do Ensemble Mentemanuque (grupo dedicado à música contemporânea) e da USP-Filarmônica (orquestra acadêmica composta por alunos bolsistas da USP). É também, pela USP, professor responsável pelo Festival Música Nova “Gilberto Mendes”, coordenador e fundador do Núcleo de Pesquisa em Ciências da Performance em Música (NAP-CIPEM), do Centro de Memória das Artes, do Projeto USP-Música-Criança e das séries Concertos USP/São Carlos e Concertos USP/Theatro Pedro II, respectivamente nas cidades de São Carlos e Ribeirão Preto. Sua obra sinfônica Candelárias foi premiada no México. Tem artigos e capítulos de livros publicados no Brasil, em Portugal e na Alemanha. Suas composições de câmara e sinfônicas têm sido apresentadas em centros musicais no Brasil, na América do Norte (Canadá, EUA e México) e na Europa (Espanha, Suíça, Itália e Alemanha). É parecerista da FAPESP e da Revista da Tulha.

Referências

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Kulturindustrie – Aufklärung als Massenbetrug. In: Dialektik der Aufklärung. Frankfurt [am Main]: Fischer, 1969 [1ª ed. 1947], p.128-176.

ANDRADE, Mário de. Prefácio sobre Chostacovich. In: SEROFF, V. Dmitri Shostakovich. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1945. p. 9-33.

[BARBOSA, Domingos Caldas]. Viola de Lereno: Collecção de suas Cantigas, offerecidas aos seus amigos. Volume I. Lisboa: Nunesiana, 1798.

=[BARBOSA, Domingos Caldas]. Viola de Lereno: Collecção de suas Cantigas, offerecidas aos seus amigos. Volume II. Lisboa: Lacerdina, 1826.

BENJAMIN, Walter. Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1963 [1ª ed. traduzida para o francês, 1935, 1ª ed. alemã 1936].

CAMARGO, Cristina Maria Emboaba da Costa Julião de; RICCIARDI, Rubens Russomanno. Será que aquilo deu nisso? – a deteriorização do canto e da composição coral no Brasil desde a inserção de arranjos de canções da indústria da cultura. Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 156-166, 2011.

COSTA, Alexandre [da Silva]. Heráclito – fragmentos contextualizados. Rio de Janeiro: Difel, 2002.

DUARTE, Rodrigo. Indústria cultural hoje. In: DURÃO, Fabio Akcelrud Durão; ZUIN, Antônio; VAZ, Alexandre Fernandez. A indústria cultural hoje. São Paulo: Boitempo, 2008, p.97-110.

ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. Tradução de Pérola de Carvalho. 6ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2001 [1ª ed. italiana 1964].

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 2 ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987 [1ª ed. 1970].

HERDER, Johann Gottfried. Auszug aus einem Briefwechsel über Ossian und die Lieder alter Völker. In: Von Deutscher Art und Kunst - Einige fliegende Blätter. Hamburg: Bode, 1773.

HERDER, Johann Gottfried. In: Deutsches Museum. Bd. II, Stück 11, novembro de 1777.

HERDER, Johann Gottfried. Stimmen der Völker in Liedern. Tübingen: Cotta, 1807.

HERDER, Johann Gottfried. Ueber die neuere Deutsche Litteratur. Riga: Hartknoch, 1767.

HERDER, Johann Gottfried. Volkslieder. Leipzig: Weygand, 1778-1779.

JAMESON, Fredric. Modernidade singular – ensaio sobre a ontologia do presente. Tradução de Roberto Franco Valente. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005 [1ª ed. estadunidense 2002].

KONDER, Leandro. A questão da ideologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

São Paulo: Escala, 2007. (Coleção Grande obras do pensamento universal, 86).

MARX, Karl. Gesammelte Volkslieder. Bonn: Dietz, 2018 [manuscritos de 1839].

ORTEGA Y GASSET, José. Em torno a Galileu – esquema das crises. Tradução de Luiz Felipe Alves Esteves. Pretópolis: Vozes, 1989 [curso proferido em castelhano, 1933].

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2ª ed. 1986 [1ª ed. 1985].

RICCIARDI, Rubens Russomanno. A música na madrugada do destino – uma poética musical para o século XXI. In: RICCIARDI, Rubens Russomanno; ZAMPRONHA, Edson. Quatro ensaios sobre música e filosofia. Ribeirão Preto: Coruja, 2013, p.13-78.

RICCIARDI, Rubens Russomanno. Desdobramentos culturalistas dos manifestos modernistas à luz de uma teoria crítica. In: Trama Interdisciplinar - Volume 7, Nº 2. São Paulo: Mackenzie, maio-agosto 2016, p. 183-206.

RICCIARDI, Rubens Russomanno. Indústria da cultura, esnobismo e vanguarda: três obstáculos hoje à composição musical. In: Revista da Tulha – Volume 1, nº 2. Ribeirão Preto: USP, 2015, p.361-405.

Downloads

Publicado

2020-06-03

Como Citar

Ricciardi, R. R. (2020). Cantor e cantor de microfone: discussão conceitual sobre música, música popular e indústria da cultura. Revista Da Tulha, 6(1), 110-139. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.170647

Edição

Seção

Artigo