A e-Participação como Resposta aos Vazios Institucionais: uma visão multidimensional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/rgpp.v10i2.178412

Palavras-chave:

Vazios institucionais, E-participação, Teoria institucional, Plataformas eletrônicas, Participação social

Resumo

O objetivo deste estudo foi realizar um levantamento bibliográfico das publicações científicas sobre teoria institucional, e-Participação e “vazios institucionais”. O segundo passo foi relacionar a e-Participação com os “vazios institucionais” tendo a seguinte questão de pesquisa: se a e-Participação pode preencher os “vazios institucionais” e qual o seu potencial? Com o surgimento e a ampliação das plataformas eletrônicas, os coletivos/ações sociais ganharam força na sociedade promovendo inovação e participação social. Vivemos em uma rede de fluxos, a distância geográfica deixou de ser uma barreira social. Com os sistemas de trabalho e a integração social em redes, o tempo se tornou mais flexível, os lugares se tornaram singulares à medida que as pessoas circulam entre eles em um padrão cada vez mais móvel. A metodologia adotada foi a realização de pesquisas em bancos de dados Web of Science e Scielo. Através das análises dos artigos, foi possível identificar que a e-Participação preenche os vazios institucionais por meio de ações e coletivos culturais, sociais e políticos e possuem potencial para preencher os “vazios institucionais”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joanna Carolo Senandes, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Graduada em Administração pela Universidade Luterana do Brasil, Canoas, RS, Brasil. É mestranda no Programa de Pós-Graduação em Administração e Negócios e integrante do grupo de pesquisa Sustentabilidade e Negócios de Impacto Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

Agostini, Manuela R., Vieira, Luciana., & Bossle, Marília B. (2016). Social innovation as a process to overcome institutional voids: a multidimensional overview. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 17(6), 72-101. Acessado em 9 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1590/1678-69712016/administracao.v17n6p72-101

Bekkers, René. (2004). Giving and volunteering in the Netherlands: Sociological and psychological perspectives. Utrecht University. Acessado em 6 de Março de 2020, de: https://renebekkers.files.wordpress.com/2011/08/bekkers_phd_dissertation_04.pdf

Bergelt, Juliano. B. (2012). Orçamento participativo: uma análise sobre a importância do orçamento público e as consequências para a gestão estatal do aumento da participação popular nos processos orçamentários. Trabalhos de Conclusão de Curso de Especialização. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, Brasil. Acessado em 6 de Março de 2020, de: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/71476

Best, Samuel J., & Krueger, Brian S. (2005). Analyzing the representativeness of Internet political participation. Political Behavior, 27(2), 183-216. https://link.springer.com/article/10.1007/s11109-005-3242-y

Buchstein, Hubertus. (1997). Bytes that bite: The Internet and deliberative democracy. Constellations, 4(2), 248-263. Acessado em 1 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1111/1467-8675.00052

Bucy, Erik P., & Gregson, Kinberly. S. (2001). Media participation: A legitimizing mechanism of mass democracy. New media & society, 3(3), 357-380. Acessado em 1 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1177/14614440122226137

Carvalho, Cristina., & Goulart, Sueli. (2003). Formalismo no processo de institucionalização das bibliotecas universitárias. Revista de Administração Pública, 37(4), 921-938. Acessado em 1 de Março de 2020, de: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6507

Carvalho, Cristina., Vieira, Marcelo., & Goulart, Sueli. (2005). A trajetória conservadora da teoria instituconal. Revista de administração pública, 39(4), 849-874. Acessado em 1 de Março de 2020, de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6790

Carvalho, Cristina., Vieira, Marcelo., & Lopes, Fernando Dias. (1999). Contribuições da perspectiva institucional para análise das organizações. Anais da ANPAD, 23, 1-15. . Foz do Iguaçu. Acessado em 12 de Março de 2020, de: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad1999-org-26.pdf

Castells, Manuel. (2005). A sociedade em rede: do conhecimento à política. A sociedade em rede: do conhecimento à acção política, 17-30. Acessado em 12 de Março de 2020, de: https://egov.ufsc.br/portal/conteudo/sociedade-em-rede-do-conhecimento-%C3%A0-ac%C3%A7%C3%A3o-pol%C3%ADtica

Chanlat, Jean-François. (1989). L'analyse sociologique des organisations: un regard sur la production anglo-saxonne contemporaine (1970-1988). Sociologie du travail, 31(3), 381-400. Acessado em 12 de Março de 2020, de: https://www.persee.fr/doc/sotra_0038-0296_1989_num_31_3_2473

Coleman, Stephen. (2012). Making the e-citizen: A socio-technical approach to democracy. Em Stephen Coleman., & Peter Shne. (Ed). Connecting democracy: Online consultation and the flow of political communication, 379-394. https://doi.org/10.7551/mitpress/9006.003.0022

Curwell, Steve., Deakin, Mark., Cooper, Ian., Paskaleva-Shapira, Krassimira., Ravetz, Joe., & Babicki, Dominica. (2005). Citizens' expectations of information cities: implications for urban planning and design. Building Research & Information, 33(1), 55-66. Acessado em 12 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1080/0961321042000329422

Deutschland. (2020, 05 de Março). Homepage da instituição. Acesso em 22 de abril de 2020, de https://www.deutschland.de/pt-br/topic/vida/a-participacao-dos-jovens-na-sociedade-digital

Gomes, Wilson. (2005). Internet e participação política em sociedades democráticas. Revista Famecos, 12(27), 58-78. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.15448/1980-3729.2005.27.3323

Habermas, Jürgen., & Benhabib, Seyla. (1996). Three normative models of democracy (pp. 21-30). Cambridge: MIT Press.

Hayes, Steve C., Hayes, Linda J., & Reese, Hayne W. (1988). Finding the philosophical core: A review of Stephen C. Pepper's World Hypotheses: A Study in Evidence. Journal of the experimental analysis of behavior, 50(1), 97-11. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1901/jeab.1988.50-97

Junior, João Roque., & Poli, Karina. (2019). O potencial das redes culturais: entrevista com Manuel Gama. Revista Extraprensa, 13(1), 292-305. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.164988

Khanna, Tarun., & Palepu, Krishna. (2000). The future of business groups in emerging markets: Long-run evidence from Chile. Academy of Management journal, 43(3), 268-285. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.2307/1556395

Ladriere, Jean. (1979). Os desafios da racionalidade: o desafio da ciência e da tecnologia às culturas. Petrópolis: Vozes.

Luvizotto, Caroline K. (2015). A disseminação da tradição e a preservação da memória coletiva na era digital, The dissemination of tradition and the preservation of collective memory in the digital age. Liinc em Revista, 11(1), 14-27. Acessado em 20 de Março de 2020, de: http://10.18617/liinc.v11i1.781

Luvizotto, Caroline K. (2016). Cidadania, ativismo e participação na internet: experiências brasileiras. Comunicação e Sociedade, 30, 297-312. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.17231/comsoc.30(2016).2499

Machado, Jorge. (2007). Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas para os movimentos sociais. Sociologias, 18, 248-285. Acessado em 22 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1590/S1517-45222007000200012

Machado, Jorge. (2017). O Modelo de Expansão da Banda Larga no Brasil: uma análise de políticas de infraestrutura e de gestão do espectro para a universalização do acesso à Internet. Revista Gestão & Políticas Públicas, 7(2), 199-219. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://www.revistas.usp.br/rgpp/article/view/155964

Mair, Johanna., & Marti, Ignasi. (2009). Entrepreneurship in and around institutional voids: A case study from Bangladesh. Journal of business venturing, 24(5), 419-435. Acessado em 25 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1016/j.jbusvent.2008.04.006

Mansbridge, Jane. (2009). A “selection model” of political representation. Journal of Political Philosophy, 17(4), 369-398. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1111/j.1467-9760.2009.00337.x

March, James G., & Olsen, Johan P. (2008). Neo-institucionalismo: fatores organizacionais na vida política. Revista de Sociologia e Política, 16(31), 121-142. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1590/S0104-44782008000200010

Mendonça, Ricardo F., Pereira, Marcus A., & Filgueiras, Fernando. (Eds.). (2016). Democracia digital: publicidade, instituições e confronto político. Editora UFMG.

Meyer, John W. (1977). The effects of education as an institution. American journal of Sociology, 83(1), 55-77. Acessado em 20 de Março de 2020, de: http://www.jstor.org/stable/2777763

North, Douglass C. (1990). Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge university press.

Parker, De Witt H. (1942). World Hypotheses. A Study in Evidence. The Journal of Philosophy, 39(19), 527-530. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.2307/2017382

Peruzzo, Cecília M. K. (2000). Comunicação comunitária e educação para a cidadania. Comunicação e Sociedade, 2, 651-668

Porwol, Lukasz., Ojo, Adegboyega., & Breslin, John G. (2016). An ontology for next generation e-Participation initiatives. Government Information Quarterly, 33(3), 583-594. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1016/j.giq.2016.01.007

Powell, Walter W., & DiMaggio, Paul J. (Eds.). (2012). The new institutionalism in organizational analysis. University of Chicago press.

Puffer, Sheila., McCarthy, Daniel., & Boisot, Max. (2010). Entrepreneurship in Russia and China: The impact of formal institutional voids. Entrepreneurship theory and practice, 34(3), 441-467. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1111/j.1540-6520.2009.00353.x

Scott, W. Richard. (2013). Institutions and organizations: Ideas, interests, and identities. Sage publications.

Valente, Carlos., & Neto, João A. M. (2007). Second Life e Web 2.0 na educação: o potencial revolucionário das novas tecnologias. São Paulo: Novatec Editora.

Youssef, Aantonio N., & Fernandez, Vicente P. (1988). Informática e sociedade. São Paulo: Ática.

Wilhelm, Anthony G. (2000). Democracy in the digital age: Challenges to political life in cyberspace. Londres: Psychology Press.

Ricart, Joan E., Enright, Michael J., Ghemawat, Pankaj., Hart, Stuart L., & Khanna, Tarun. (2004). New frontiers in international strategy. Journal of International Business Studies, 35(3), 175-200. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://econpapers.repec.org/article/paljintbs/v_3a35_3ay_3a2004_3ai_3a3_3ap_3a175-200.htm

Sæbø, Øystein., Flak, Leif Skiftenes., & Sein, Maung K. (2011). Understanding the dynamics in e-Participation initiatives: Looking through the genre and stakeholder lenses. Government Information Quarterly, 28(3), 416-425. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1016/j.giq.2010.10.005

Santos, Boaventura. (1971). Subjetividade, Cidadania e Emancipação. Revista Crítica de Ciências Sociais, (32), 135. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://www.ces.uc.pt/publicacoes/rccs/artigos/32/Boaventura%20de%20Sousa%20Santos%20-%20Subjectividade,%20Cidadania%20e%20Emancipacao.pdf

Schrammel, Tine. (2013). Bridging the institutional void: An analytical concept to develop valuable cluster services. Management revue, 114-132. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://www.jstor.org/stable/23610637

Yates, Joanne., & Orlikowski, Wanda. (2002). Genre systems: Structuring interaction through communicative norms. The Journal of Business Communication (1973), 39(1), 13-35. Acessado em 20 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1177/002194360203900102

Van Dijk, Teun A. (2006). Discourse and manipulation. Discourse & society, 17(3), 359-383.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Senandes, J. C. (2020). A e-Participação como Resposta aos Vazios Institucionais: uma visão multidimensional. Revista Gestão & Políticas Públicas, 10(2), 291-309. https://doi.org/10.11606/rgpp.v10i2.178412

Edição

Seção

Artigos