Sistema Urbano e Segregação da Mulher Periférica

Autores

  • Marcelo Barbosa Araujo Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades https://orcid.org/0000-0002-9088-1926
  • Jéssica Anunciação Araujo da Silva Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades
  • Marcela Masson Traverssi Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v11p171-186

Palavras-chave:

Infraestrutura Urbana, Mobilidade, Emprego, Habitação, Gênero

Resumo

A oferta de infraestrutura urbana é condicionada por diversos fatores. Um destes fatores se concentra na matriz emprego-trabalho-renda, que segrega a maior oferta de infraestrutura em torno das áreas onde habitam e circulam a parcela da sociedade de mais alta renda. Também forçosamente condicionado à moldura ditada pela matriz emprego-trabalho-renda está o gênero feminino, seu comportamento e modo de vida. Assim, um outro fator que conforma a oferta de infraestrutura urbana é relacionado ao gênero feminino, com destaque para a segregação da mulher no entorno de periferias precarizadas e excludentes. Logo, estudar a relação entre infraestrutura urbana e o atendimento das necessidades próprias do gênero feminino é um percurso necessário para o desenho de políticas de gestão urbana mais efetivas e menos desiguais para a mulher. Contribuindo nesta tarefa, este ensaio trata da conexão entre oferta de infraestrutura e o gênero feminino, expondo uma realidade pautada pela feminização da pobreza e pelo planejamento de infraestrutura que desconsidera as necessidades da mulher. A conexão da mulher periférica com a infraestrutura urbana das grandes cidades brasileiras é visitada em três perspectivas da vida cotidiana: habitação, trabalho e mobilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Barbosa Araujo, Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Bacharel em Engenharia pela Escola Politécnica e em Direito pela Faculdade de Direito e graduando em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Jéssica Anunciação Araujo da Silva, Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Graduanda em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo

Marcela Masson Traverssi, Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Graduanda em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo

Referências

Bourdieu, Pierre. (1997). Efeitos de lugar. Em Bourdieu, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes.

Brumer, Anita. (1987). O sexo da ocupação: considerações teóricas sobre a inserção da mão de obra feminina na força de trabalho. Centro de Recherches Sociologiques, Université de Paris X, Nanterre.

Bruschini, Cristina. (1998). Trabalho Feminino no Brasil: novas conquistas ou persistência da discriminação? Fundação Carlos Chagas, São Paulo, Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Diferença cai em sete anos, mas mulheres ainda ganham 20,5% menos que homens. Acessado em 25 de Julho de 2021, de: https://censo2022.ibge.gov.br/2012-agencia-de-noticias/noticias/23924-diferenca-cai-em-sete-anos-mas-mulheres-ainda-ganham-20-5-menos-que-homens.html

Distrito Federal. (2012, 01 de junho). Lei n. 4848. Dispõe sobre a destinação de espaços exclusivos para mulheres e portadores de necessidades especiais no sistema metroviário do Distrito Federal.

Garcia, Carla Cristna. (2019). Notas Sobre a História dos Trabalhos das Mulheres na Sociedade Ocidental: das diferenças as desigualdades laborais de gênero. Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(1), 123-140. https://doi.org/10.11606/rgpp.v9i1.175097

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Em média, mulheres dedicam 10,4 horas por semana a mais que os homens aos afazeres domésticos ou ao cuidado de pessoas. Acessado em 25 de Julho de 2021, de: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/27877-em-media-mulheres-dedicam-10-4-horas-por-semana-a-mais-que-os-homens-aos-afazeres-domesticos-ou-ao-cuidado-de-pessoas

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Estatísticas de Gênero: ocupação das mulheres é menor em lares com crianças de até três anos. Acessado em 25 de Julho de 2021, de: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/30172-estatisticas-de-genero-ocupacao-das-mulheres-e-menor-em-lares-com-criancas-de-ate-tres-anos

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Mulher estuda mais, trabalha mais e ganha menos do que o homem. Acessado em 25 de Julho de 2021, de: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20234-mulher-estuda-mais-trabalha-mais-e-ganha-menos-do-que-o-homem

Instituto de Economia. (2017). Cadernos de formação. Mulheres: mundo do trabalho e autonomia econômica. Cesite - carderno 3. As mulheres e o mercado de trabalho. São Paulo.

Massey, Doreen. (1994). Space, place, and gender. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Monteiro, Rosa., Freitas, Vivalda., & Daniel, Fernanda. (2018). Condições de trabalho num universo profissional feminizado. Revista Estudos Feministas, 26(2): e34529.

Novellino, Maria. (2004). Os estudos sobre feminização da pobreza e políticas públicas para mulheres. Trabalho apresentado no XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP. Acessado em 25 de julho de 2021, de: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/issue/view/34

Organização das Nações Unidas. (2010). Direito a uma moradia adequada. Folhetos Informativos sobre Direitos Humanos. Genebra.

Pereira, Rosângela., Santos, Danioelle., & Borges, Waleska. (2005). A mulher no mercado de trabalho. II Jornada Internacional de Políticas Públicas. São Luís - MA, 23 a 26 de agosto.

Plan Brasil. (2014). Por ser menina no Brasil: Crescendo entre direitos e violências. São Paulo. Acessado em 25 de Julho de 2021, de: http://primeirainfancia.org.br/wp-content/uploads/2015/03/1-por_ser_menina_resumoexecutivo2014.pdf

São Paulo. (2013). Projeto de Lei n. 175. Dispõe sobre a obrigatoriedade em manter-se no mínimo, um vagão em cada composição de trem ou metrô, para uso exclusivo de mulheres, em todo o Estado de São Paulo.

Rio de Janeiro. (2006, 23 de março). Lei n. 4733. Dispõe sobre a destinação de espaços exclusivos para mulheres nos sistemas ferroviário e metroviário do estado do Rio de Janeiro.

Saffioti, Heleieth I. B. (1985). Força de trabalho feminina no Brasil: no interior das cifras. Perspectivas, 8;95-141. Acessado em 25 de julho de 2021. https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/108258/ISSN1984-0241-1985-8-95-141.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Saffioti, Heleieth I. B. (1976). A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petropólis, Vozes. Acessado em 24 de julho de 2021, de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3825626/mod_resource/content/1/Saffioti%20%281978%29%20A_Mulher_na_Soc_Classes.pdf

Sena, Maria., Pinto, Ludiane., Santos, Sherly., Freitas, Edineusa., & Silva Samara. M. (2015). A inserção da mulher no mercado de trabalho: reflexões teóricas a partir das desigualdades de gênero. VII Jornada Internacional de Políticas Públicas. Maranhão, 25 a 28 de agosto 2015. Acessado em 24 de julho de 2021, de: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo2/a-insercao-da-mulher-no-mercado-de-trabalho-reflexoes-teoricas-a-partir-das-desigualdades-de-genero.pdf

Silva, Alessandro Soares da. (2018). A Ação Pública: um outro olhar sobre Estado, Sociedade e Políticas Públicas. Revista Gestão & Políticas Públicas, 8(1), 194-204. Acessado em 07 de maio de 2021, de: https://doi.org/10.11606/rgpp.v8i1.175154

Silva, Alessandro Soares da., & Souza, Lorraine Lopes. (2015). Trabalho, Lazer e relações de Gênero na Ótica de Mulheres Imigrantes. Revista Electrónica de Psicología Política, 13(35), 72-109. Acessado em 12 de maio de 2021, de: http://www.psicopol.unsl.edu.ar/pdf/2015-Diciembre-05.pdf

Silva, Douglas. (2019). Laços Comunitários e Estigma: um estudo sobre o Programa Minha Casa Minha Vida. Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(2), 274-291. Acessado em 07 de maio de 2021, de: https://doi.org/10.11606/rgpp.v9i2.146707

Teles, Maria Amélia. (1993). Breve história do feminismo no Brasil. Brasília: Editora Brasiliense.

Argentina garantirá aposentadoria para mães por cuidados aos filhos. (2021, 21 de Julho). Brasil. Acessado em 24 de Julho, de: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2021/07/21/argentina-aposentadoria-maes-e-gestantes.htm

Villaça, Flávio. (2011). Segregação Urbana E Desigualdade. Estudos Avançados. Estudos Avançados. São Paulo jan-abr, 2011. Acessado em 30 de julho de 2021, de: https://www.scielo.br/j/ea/a/7G8LTmdQbCjCHqXg87Gs3SD/?lang=pt

Waiselfisz, Julio Jacobo. (2014). Mapa da violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Acessado em maio de 2021, de: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf

Downloads

Publicado

2021-08-21

Como Citar

Araujo, M. B., Silva, J. A. A. da, & Traverssi, M. M. (2021). Sistema Urbano e Segregação da Mulher Periférica. Revista Gestão & Políticas Públicas, 11(1), 171-186. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v11p171-186